Quais documentos de gestão de resíduos podem ser gerados com o nosso software?

O software da VG Resíduos gera automaticamente todos os documentos de gestão de resíduos obrigatórios, como o MTR, CADRI, CDF e CONAMA 313.

O software pode funcionar online, desktop e móbile. O usuário informa a quantidade de resíduos gerados e a data. Também informa quem realizará o transporte e qual o tipo de tratamento será dado. Além de outras informações importantes sobre os resíduos, como sua classificação. Dessa forma, automaticamente são gerados os documentos obrigatórios para os órgãos ambientais.

Saiba quais documentos de gestão de resíduos podem ser gerados com o software da VG Resíduos.

Documentos de gestão de resíduos necessários

Sabemos a importância da gestão de resíduos, não só por cumprir os requisitos legais, mas também por trazer diversos benefícios à empresa.

Para conseguir realizar adequadamente a gestão muitas geradoras procuram os serviços de empresas especializadas na coleta, transporte e tratamento de resíduos. Essas tratadoras garante que o trabalho seja feito de forma adequada. Além do mais, representa uma redução nos custos para os geradores de resíduos.

No entanto, como a organização deve ter conhecimento de todos os documentos de gestão de resíduos obrigatórios, a tratadora também deve ter esse conhecimento.

Abaixo listamos os documentos obrigatórios que devem ser controlados.

CADRI

CADRI é um certificado de movimentação de resíduos de interesse ambiental. É uma ferramenta que demonstra que o resíduo está sendo transportado para um local de reprocessamento, armazenamento, tratamento ou disposição final.

É um documento emitido pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). Trata-se de um instrumento de fiscalização exclusivo do estado de São Paulo.

Os tipos de resíduos que exigem o CADRI encontram-se divididos em duas classes:

  • resíduos Classe I – Perigosos
  • resíduos Classe II A – Não Inertes

Abaixo seguem exemplos de Resíduos de Interesse Ambiental:

  • resíduos industriais perigosos;
  • resíduo sólido domiciliar;
  • lodo de sistema de tratamento de efluentes líquidos industriais ou de sanitários;
  • EPI contaminado e embalagens contendo PCB;
  • resíduos de curtume não caracterizados como Classe I;
  • resíduos de indústria de fundição não caracterizados como Classe I;
  • resíduos de portos e aeroportos;
  • resíduos de serviços de saúde, dos Grupos A, B e E;
  • resíduos de agrotóxicos e suas embalagens.

O software da VG Resíduos coleta automaticamente todas as informações e registros de destinação do resíduo, bem como os dados dos transportadores e tratadores dos resíduos.

Após coletar as informações é gerado um documento em arquivo PDF que pode ser enviado ao órgão fiscalizador. O documento também fica disponível para impressão. O gerador de relatórios do sistema é sincronizado ao banco de dados. Esse banco de dados possui todas as informações referentes à geração de resíduos ao longo do ano. Bem como as informações pertinentes de quem tratou, qual a destinação dada ao resíduos, quanto custou e etc.

Saiba como controlar a validade de licenças e CADRI`s por um software online.

MTR – Manifesto de Transporte de Resíduos

A emissão do MTR é obrigatória para conhecer e monitorar a destinação do resíduo gerado e tratado. Além disso, através dele é possível controlar a forma adequada do transporte entre gerador e receptor e o encaminhamento para locais licenciados.

Com o MTR é possível diminuir os riscos do manejo e transporte inadequado e ilegal dos resíduos por parte dos transportadores e receptores de resíduos.

Esse documento tem quatro vias, sendo que:

  • uma via vai para o gerador do resíduo;
  • a segunda via vai para o transportador;
  • a terceira para o receptor/destinador do resíduo;
  • a quarta via retorna ao gerador com todas as assinaturas de transporte e recebimento. A quarta via deverá ser apresentada posteriormente ao órgão ambiental.

O documento deve ser guardado por cinco anos pelo gerador e receptor, e por três anos pela empresa transportadora.

Com a VG Resíduos a empresa consegue emitir o MTR online através de uma plataforma desenvolvida exclusivamente para emissão do documento. O documento é gerado de forma fácil e automatizado.

Certificado de Destinação Final de Resíduos

O certificado de destinação final – CDF é um documento emitido pela empresa receptora dos resíduos, e que comprova o seu recebimento. Com ele a empresa geradora comprova que tiveram o devido cuidado com a destinação final dos resíduos.

No software da VG Resíduos, o CDF não precisa ser alimentado pela empresa geradora, pois o sistema coleta automaticamente todos os dados dos materiais que estão sendo enviados. Além disso, atualiza em tempo real as informações dos transportadores e tratadores de resíduos.

Assim, basta um clique para que o certificado fique pronto, além do mais, o tratador recebe o documento para que possa de imediato providenciar a assinatura e devolução à empresa geradora do resíduo. Tudo muito simples e rápido.

Saiba como elaborar o certificado de destinação final.

Relatório CONAMA 313

O Relatório CONAMA 313 ou inventário é uma listagem de todos os resíduos gerados pela empresa em um determinado período, sendo assim uma importante ferramenta de gestão de resíduos. Ele deve contemplar os tipos de resíduos produzidos, a origem, a quantidade e a destinação de cada tipo de resíduo gerado.

O inventário serve como um instrumento que quantifica e diagnostica as informações de uma empresa sobre a geração, características, armazenamento, transporte, tratamento, reutilização, reciclagem, recuperação e disposição final dos resíduos gerados. Assim, as notas fiscais de transporte e comprovantes de destinação deverão ser mantidas na empresa.

Para elaborar o CONAMA 313 é necessário conhecer o resíduo gerado, sua quantidade e origem. Neste sentido as normas regulamentadoras NBR 10.004, NBR 10.005, NBR 10.006 e NBR 10.007 constituem como significativas ferramentas para classificar os resíduos gerados.

O software da VG Resíduos permite a geração do Relatório Conama 313 já nos moldes exigidos pela legislação e com toda a informação atualizada. Além disso, o sistema avisa sobre os prazos de envio do documento.

Sendo assim, o software da VG Resíduos permite controlar e elaborar os documentos de gestão de resíduos obrigatórios. Na plataforma são gerados documentos como CADRI, MTR, CONAMA 313 E CDF.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

 

Como integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos da sua empresa?

Integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos

Há várias soluções que podem ser usadas para integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos da sua empresa. Além de sincronizar os setores que desenvolvem trabalhos de forma conjunta, pode-se utilizar da tecnologia como recurso facilitador, o que é uma alternativa excelente.

O gerenciamento de resíduos eficiente em uma empresa inicia com o desenvolvimento de uma equipe integrada e engajada. A utilização de softwares de gestão de resíduos, facilita o acesso e compartilhamento das informações, a comunicação entre departamentos e, ainda, proporciona agilidade na execução de todos os processos referente ao gerenciamento de resíduos. Confira!

Confira sete dicas para engajar os colaboradores na coleta seletiva.

Integrar sua equipe de meio ambiente: desafios e soluções

Integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos

A gestão de resíduos eficaz deve basear-se em ações preventivas, uma vez que sua premissa é a proteção ambiental e da saúde humana, ganhos econômicos para a empresa e do cumprimento das leis ambientais. Mas antes é necessário planejar, padronizar os processos e integrar a equipe de meio ambiente.

Para integrar a equipe devem ser desenvolvidas certas ações na organização. Como garantir as condições de trabalho adequadas. É muito importante que haja um investimento em ferramentas de trabalho que torne o processo mais ágil, prático e eficiente.

Integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos

Atualmente, o uso de software tem se mostrado como um bom investimento. Além disso, é cada vez mais determinante na gestão de resíduos. Bem como no gerenciamento das informações e na padronização da qualidade dos serviços oferecidos no tratamento, transporte e destinação final ambientalmente correta dos resíduos.

Eliminar as planilhas da gestão de resíduos, substituindo-as por software de gestão, simplifica e otimiza o processo. Além disso, é uma oportunidade de reduzir custos, ter maior eficiência na coleta, gerenciamento, interpretação de dados e no atendimento as legislações ambientais reduzindo o risco de multas.

O uso dos softwares integra a equipe, já que elimina problemas como a limitação da gestão a um só responsável. Através da tecnologia é possível delegar responsabilidades a toda equipe e diminuir o tempo necessário para os processos.

Saiba qual importância da Compliance ambiental para a gestão de resíduos.

Acesso a informações e arquivos facilitados

Integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos

Quando a equipe compartilha dados tendem a se integrar melhor. Portanto, a sua empresa precisa garantir que todos tenham o mesmo acesso a informações e arquivos da gestão de resíduos.

A melhor maneira de facilitar o acesso a informações e arquivos é através da tecnologia. Através dos softwares de gestão todas as informações e arquivos da gestão de resíduos ficaram armazenados e a equipe terá mais facilidade para acessar a qualquer hora e lugar.

Todos os envolvidos no gerenciamento podem trabalhar de forma sistematizada e organizada, aumentando eficácia da gestão. Os acompanhamentos podem ser feitos em um ambiente totalmente virtual. Possibilitando assim, a agilidade dos processos e a segurança das informações.

Não há dúvidas no quanto uma solução tecnológica pode ajudar a empresa a melhorar a integração da equipe. No entanto, ao escolher por um sistema especializado em gestão de resíduos, é preciso estar atento a alguns fatores importantes, como o controle de documentos.

Para evitar sanções ambientais é importante que a empresa esteja sempre em dia com a documentação referente a licenças e autorizações de transporte e descarte adequado de resíduos.

controle da informação documentada é um ponto crucial para manter a gestão ativa e funcionando corretamente. É por meio desse controle que informações sobre a gestão de resíduos das empresas são registradas e mantidas seguras.

Para qualquer empresa, ter arquivos organizados é fundamental para garantir a segurança das operações e conseguir bons resultados nos negócios.

Na gestão de resíduos, o controle de documentos é muito importante por causa da imensa gama de obrigações ambientais e das normas estabelecidas pela legislação ambiental.

Manter tudo atualizado e acessível é importante uma vez que a organização deve comprovar o transporte e destinação final dos resíduos.

Leia também: Software online de gestão de resíduos, eficácia aplicada ao seu negócio

Vantagens dos softwares da VG Resíduos

Integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos

As empresas têm aderido ao VG RESÍDUOS como uma ferramenta capaz de centralizar as informações e possibilitar uma gestão mais estratégica do processo e ainda integrar a equipe de meio ambiente.

Os benefícios em ter o software da VG Resíduos são inúmeros, entre eles:

  • auxilia no cumprimento da Política Nacional de Resíduos;
  • facilita a gestão de informações e evita perdas e falhas no processo;
  • padroniza a comunicação com clientes e fornecedores;
  • minimiza a possibilidade de passivos ambientaise prejuízos para a empresa;
  • permite o controle completo de documentação e licenças;
  • otimiza a elaboração de relatórios e inventários;
  • auxilia no cumprimento de prazo, com lembretes e alertas de vencimento;
  • sistematiza as informações em gráficos para orientar a tomada de decisões estratégicas.

Leia mais: Guia completo da gestão de resíduos sólidos

Com o software é possível:

Integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos

  • realizar a gestão de resíduos;
  • monitorar a quantidade de resíduos armazenados;
  • controlar licenças e demais documentos necessários, gerando automaticamente documentos como: manifesto de transporte do resíduo; ficha de emergência; ficha de segurança do resíduo químico de acordo com a legislação vigente; relatórios com gráficos; inventários; e indicadores gerenciais.

Sendo assim, integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos por meio de softwares de gestão é essencial para a produtividade. Se as pessoas da equipe trabalham de maneira distante e não se coordenam adequadamente, é perdido muito tempo na execução das tarefas. Em um mercado competitivo como o atual, você não pode deixar que isso aconteça.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Sistema MTR online: o que é exigências legais e como emitir?

Integrar sua equipe de meio ambiente na gestão de resíduos

Como evitar problemas na gestão de licenças e fornecedores?

gestão de licenças e fornecedores

Uma excelente opção para evitar problemas na gestão de licenças e fornecedores é por meio da tecnologia de informação, ou seja, adotando os softwares de gestão. Através desses softwares a empresa terá uma gestão de qualidade implementada de forma prática, continuada e altamente eficiente.

Com o uso da tecnologia na gestão de licenças e fornecedores a organização terá mais controle dos contratos com fornecedores, dos certificados de destinação e transporte de resíduos, além das licenças ambientais e dos atestados de tratamento adequado dos resíduos. Confira!

Conheça os sete erros que devem ser evitados na qualificação de fornecedores.

O que é gestão de licenças e fornecedores?

gestão de licenças e fornecedores

Com o aumento da preocupação com questões ambientais houve um maior enrijecimento das leis e da fiscalização, principalmente com relação ao transporte, tratamento e descarte de resíduos.

Para prevenir às multas e penalizações por não cumprimento das leis ambientais as empresas têm a cada dia pensando em formas de gerenciar os resíduos e ter controle sobre os seus fornecedores de serviços de tratamento e destinação final de resíduos.

A gestão de licenças e fornecedores nada mais é que:

  • qualificar e avaliar um fornecedor que esteja devidamente cadastrado junto aos órgãos competentes, com credenciamento em dia e contratos adequados para as atividades relacionadas aos resíduos;
  • controlar e emitir dentro do prazo os certificados para destinação de resíduos com possível impacto ambiental. Garantindo, assim, a autorização para realizar o transporte para tratamento dos resíduos;
  • controlar as licenças e condicionantes referente ao gerenciamento de resíduos.

Saiba como controlar a validade de licenças e CADRI`s por um software online.

A gestão de fornecedores de resíduos

gestão de licenças e fornecedores

Sabemos que fornecedores que prestam serviço de coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final de resíduos podem gerar diversos impactos na empresa, sejam negativos ou positivos.

A qualificação destes fornecedores são pontos importantes para as organizações que desejam ser reconhecidas pelo seu nível de excelência. Além disso, evita que os impactos negativos de uma má gestão de resíduos denigram sua imagem perante os clientes. Haja vista que o mercado exige mais das empresas um pensamento voltado para gestão ambiental.

É importante que os fornecedores estejam alinhados com as normas e leis relacionadas à gestão de resíduos, principalmente com a política voltada para preservação ambiental.

A gestão de fornecedores é a melhor forma de manter sobre controle possíveis riscos de que terceiros possam afetar a qualidade do seu produto ou serviço, promover passivos ambientais e comprometer a reputação da sua marca.

A VG Resíduos torna a gestão de fornecedores da empresa um processo mais fácil. Com o auxilio da VG Resíduos o seu negócio passa a contar com ferramentas de contagem de prazos para controle de condicionantes e licenças; a automatização dos processos de comunicação; a emissão de alertas para coleta; registro e conferência de comprovantes e todos os tradicionais documentos referentes ao tratamento e disposição/destinação final de resíduos.

Evitar o impacto ambiental

Automatizar o processo de gestão de fornecedores de resíduos por meio da tecnologia traz diversos benefícios para a empresa. Um deles são a padronização e reunião das informações em uma base única de dados, a integração com outros sistemas. Também, a emissão de relatórios gerenciais e redução do tempo investido na contração e gestão do fornecedor.

Tudo que você precisa saber sobre auditoria de fornecedores.

Quais as exigências legais a empresa deve controlar

gestão de licenças e fornecedores

Para qualquer empresa, ter arquivos organizados é fundamental para garantir a segurança das operações e conseguir bons resultados nos negócios.

Na gestão de resíduos, o controle de documentos é muito importante por causa da imensa gama de obrigações ambientais e das normas estabelecidas pela legislação ambiental.

Manter tudo atualizado e acessível é importante uma vez que a organização deve comprovar o transporte e destinação final dos resíduos. Como também ela precisa emitir documentos importantes, como a FDSR, CADRI, CDF, etc..

A melhor maneira de gerir todos os documentos necessários é com o uso de ferramentas que auxiliem no arquivamento de documentos.

Abaixo listamos os documentos obrigatórios que devem ser controlados:

1 – MTR – Manifesto de Transporte de Resíduo Perigoso: documento obrigatório que deve acompanhar a carga com informações sobre resíduos, o transportador, a fonte geradora e a destinação final;

2 – Declaração de Transporte – nota que deve ser emitida para acompanhamento do resíduo até a destinação final.;

3 – Ficha de Emergência: documento que contem informações importantes sobre o tipo de resíduo. A ficha deve mantida junta ao condutor do veículo desde o seu acondicionamento da carga até o destinatário do produto;

4 – CADRI: certificado de movimentação de resíduos de interesse ambiental. É uma ferramenta que demonstra que o resíduo está sendo transportado para um local de reprocessamento, armazenamento, tratamento ou disposição final;

5 – certificado de destinação final – CDF: documento emitido pela empresa receptora dos resíduos, e que comprova o seu recebimento. Com ele a empresa geradora comprova que tiveram o devido cuidado com a destinação final dos resíduos;

6 – FDSR é a sigla de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos Químicos. É um documento normalizado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), conforme NBR 16725:2014.

Como melhorar sua gestão de licenças e fornecedores?

gestão de licenças e fornecedores

A falta de gestão de licenças e fornecedores gera confusão nos dados e prazos de entrega de formulários e relatórios, além de ter o risco de contratar fornecedores desqualificados para a destinação final de resíduos. Esses erros podem acarretar graves consequências para a empresa, inclusive, a cassação da licença e, consequentemente, a interrupção das atividades licenciadas.

A gestão de licenças e fornecedores, realizados com base na implementação do VG Resíduos, colabora para que a empresa não venha a ser multada ou mesmo perca suas licenças ambientais.

O uso do software controla os cronogramas, calendário e planos de ação para gerenciar o controle das conformidades ambientais. Esse controle pode ser feito de maneira eficiente, integrada e sem necessidade de contratação de pessoal específico para essa atividade.

Utilizando o VG Resíduos a organização poderá manter atualizados os dados dos fornecedores, receber lembretes de forma automática de todos os prazos relacionados às licenças a serem cumpridas.

Assim, conclui que com o uso da tecnologia na gestão de licenças e fornecedores a organização terá mais controle dos contratos com fornecedores, dos certificados de destinação e transporte de resíduos, além das licenças ambientais e dos atestados de tratamento adequado dos resíduos.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Tudo sobre avaliação e qualificação de fornecedores na gestão de resíduos

auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos

 

Qual importância da auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos?

A auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos é uma importante ferramenta para à verificação e avaliação da situação do gerenciamento dos resíduos gerados na empresa. Além disso, confronta se a organização segue as normas e legislações pertinentes à gestão de resíduos.

A auditoria ambiental consiste em um conjunto de atividades organizadas, que tem o intuito verificar e avaliar a relação entre os processos de produção e os aspectos ambientais. Incluindo avaliar se a instituição desenvolve práticas ambientalmente adequadas referentes ao gerenciamento dos resíduos, tais como: a compostagem, a reutilização, a reciclagem e a logística reversa. Confira!

Evitar o impacto ambiental

Auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos

A auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos é responsável por avaliar o grau de conformidade de uma empresa com a legislação ambiental e com a sua política na gestão de resíduos.

Necessariamente, a auditoria é um instrumento que possibilita fazer uma avaliação sistemática, periódica, documentada e objetiva da gestão de resíduos. É uma ferramenta muito utilizada para identificar falhas e problemas ambientais no gerenciamento de resíduos para, então, buscar a adequação.

Com a auditoria a empresa consegue identificar as fontes de geração de resíduos, sua quantidade e composição. Também, estima à redução na geração, o seu reuso, reciclagem ou compostagem. Bem como, estimar o local de disposição e meios de minimizar os custos que a organização tem com os resíduos.

As normas da série ISO 14000 – Sistema de Gestão Ambiental – SGA, é que rege a auditoria ambiental. A premissa do SGA é a minimização dos efeitos nocivos ao ambiente proveniente das atividades da empresa. Além disso, a norma avalia as consequências ambientais das atividades, produtos e serviços da organização.

Em relação ao gerenciamento de resíduos, a aplicação das normas da séria ISO 14000, especialmente a ISO 14001:2015, é de fundamental importância para identificar e avaliar os procedimentos adotados tanto em relação ao acondicionamento, quanto a destinação final ambientalmente correta dos resíduos gerados.

Já em relação às normas e legislações pertinentes a gestão de resíduos, a auditoria diagnostica e avalia se a organização as cumpre. São verificados os cumprimentos da: Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei n° 12.305, de 02 de Agosto de 2010); NBR 10.004: Resíduos Sólidos – Classificação; a implantação da logística reversa; dentre outras.

Vantagens da auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos

auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos

Destacam-se como vantagens da auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos para as empresas as seguintes:

  • identificação e registro das conformidades e não conformidades com as normas e legislação pertinentes;
  • prevenção de acidentes ambientais e dos consequentes custos e prejuízos para a imagem da organização caso não seja realizado a destinação correta dos resíduos;
  • fornecimento de informações importantes à administração para a implementação da qualidade ambiental e para a alocação de recursos (financeiros, tecnológicos e humanos) para a minimização da geração de resíduos, destinação e disposição final;
  • avaliação, controle e redução do impacto ambiental da atividade;
  • minimização dos resíduos gerados e dos recursos utilizados pela empresa na sua destinação e disposição;
  • informações ambientais consistentes e atualizadas sobre o desempenho ambiental da empresa. Essas informações podem ser utilizadas para a organização captar investidores. Além disso, podem ser utilizadas para informar órgãos de fiscalização sobre a gestão de resíduos.

Como é feita a Auditoria Ambiental?

auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos

 A auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos pode ser realizada em três fases. São elas:

Auditoria ambiental de pré-avaliação:

Nesta fase engloba-se a preparação da auditoria. São obtidas informações sobre o processo. Essas informações são importantes para identificar cada etapa do processo e quais os resíduos gerados. Após isso, é elaborado o fluxograma das áreas que serão auditadas.

Auditoria ambiental de inspeção:

Depois de identificado cada etapa dos processos da empresa e com o fluxograma em mãos é realizado uma verificação visual, de amostragem e classificação dos resíduos. Além disso, é avaliado o balanço de massa (ou seja, as verificações de entradas e saídas).

Durante a auditoria ambiental de inspeção é verificado se a empresa cumpre os requisitos exigidos pelas leis de gestão de resíduos, tais como: possibilidade de não geração, redução, reciclagem, tratamento e disposição final.

Também, são avaliadas forma de acondicionamento, armazenamento, tratamento e transporte dos resíduos. Se são cumpridos as normas pertinentes a cada uma delas de acordo com o tipo de resíduo gerado. Bem com se os fornecedores contratados cumprem com a legislação e possuem licenças.

A organização deve comprovar se possuem um sistema de logística reversa bem implementado, caso a lei exija dela o sistema.

Síntese:

Na terceira fase do processo de auditoria ambiental é realizado o relatório final com as informações obtidas.

Todos os processos de Auditoria Interna Ambiental devem ser realizados cerca de um mês antes da Auditoria Externa. Essa auditoria interna deve ser feita por um órgão regulador. Em conformidade, a organização recebe o certificado de conformidade legal.

A auditoria ambiental pode ser realizada por consultores da Verde Ghaia. Todos os auditores são capacitados para tal, pois passam por vários tipos de treinamentos e cursos de capacitação, como Curso de Auditoria Interno e Curso de Auditor Líder.

Os auditores da Verde Ghaia conferem as documentações referentes ao gerenciamento de resíduo. Após a auditoria, os auditores geram um relatório informando à empresa como está sua conformidade em relação à gestão de resíduos. Em caso de necessidade apontam observações de melhorias e não conformidades que precisam ser tratadas.

Como está em conformidade para auditoria ambiental?

auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos

A partir de um gerenciamento de resíduos efetivo, ou seja, se cada etapa do gerenciamento estiver em conformidade com as normas e legislações pertinentes é possível alcançar a prevenção e minimização dos resíduos.

Mas como gerenciar os resíduos gerados?  Para isso, contar com um software de gestão de resíduos que monitora, diagnostica e controla as licenças é a melhor estratégia para a organização se manter em conformidade.

Com o software de gestão de resíduos da VG Resíduos a empresa estará em dia com os prazos de licenças e a documentação dos prestadores de serviço.

O software auxilia a monitorar o volume de geração e qual a destinação dada a cada tipo de resíduo. Além disso, a plataforma possui diversas funcionalidades inteligentes para empresa, como:

  • auxilio através de big data e inteligência artificial que ajuda a otimizar processos e reduzir custos;
  • controle de prestadores de serviços, documentos e licenças ambientais exigidas. Afastando assim, os impactos ambientais e preservando a imagem da empresa;
  • geração de relatórios anuais automaticamente.

Sendo assim, a auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos busca verificar e avaliar a situação do gerenciamento dos resíduos gerados na empresa. Confrontando se a organização segue as normas e legislações pertinentes à gestão de resíduos.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Como a gestão de resíduos contribui para o desenvolvimento sustentável?

auditoria ambiental no gerenciamento de resíduos

 

Em que a ecologia industrial contribui para gestão de resíduos?

 

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

 

A ecologia industrial contribui para gestão de resíduos uma vez que promove a reciclagem e a reutilização de resíduos, o uso eficiente dos recursos e insumos produtivos. Além disso, cria meios de estender a vida dos produtos industriais. Considerando este contexto, a ecologia industrial assume valor estratégico dentro de uma organização. É importante que a empresa desenvolva tecnologias que possam mitigar ou eliminar os impactos negativos dos resíduos gerados. 

As pressões socioambientais exigem cada vez mais das empresas a responsabilidade pelos resíduos que geram. Tanto durante o processo produtivo quanto no descarte de seus produtos após o fim da vida útil. A própria instituição da Política Nacional de Resíduos deixa claro que as geradoras devem dar um destino ambientalmente correto aos seus resíduos, buscando sempre a não geração, redução, reutilização, reciclagem e disposição ambiental correta. Confira mais sobre esse conceito!

Conheça 10 dicas para ter uma empresa sustentável e lucrativa.

Ecologia Industrial contribui para gestão de resíduos

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

A ecologia industrial é vista por muitos especialistas como alternativa para alcançar o desenvolvimento sustentável e preservar o ecossistema.

O conceito foi desenvolvido com intuito de criar uma interação entre a indústria e o meio ambiente aonde são minimizados os impactos negativos que as atividades industriais vêm causando ao meio ambiente.

A ecologia industrial contribui para gestão de resíduos uma vez que provoca a empresa a mudar a sua percepção do sistema industrial. Antes a indústria tinha percepção que o seu sistema industrial necessitava de recursos (insumos) para produzir, e o gerado era o produto e o resíduo despejado. Já com o conceito de ecologia industrial é sugerida uma mudança nessa estrutura dos sistemas industriais. A indústria passa a entender que dentro do sistema industrial os resíduos possuem outras possibilidades do que somente o despejo. Os resíduos passam a serem compreendidos como matéria-prima para outras atividades ou processos.

O conceito é mais desenvolvido em países como Japão, Estados Unidos e na Europa. Nestes países a ecologia industrial busca prevenir a poluição, promover a reciclagem e a reutilização de resíduos. Além, do uso eficiente dos recursos e insumos produtivos.

Podemos dizer que adotar a ecologia industrial faz com que a empresa integre um sistema baseado na economia circular. Já que ambos entendem que todos os resíduos gerados são reaproveitados.

A ecologia industrial assume valor estratégico

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

A ecologia industrial assume um valor estratégico ao implementar um processo de ecoeficiência dentro do sistema industrial. Isto acontece uma vez que são analisados à escolha mais adequada de insumos, que reduz o a necessidade de utilização de energia, água e matéria-prima.

A ecologia industrial tem como premissa:

  • o aperfeiçoamento do uso de recursos;
  • a analise dos ciclos de materiais e a diminuição das emissões;
  • substituição de matéria prima nas atividades;
  • diminuição e eliminação da dependência de fontes não renováveis de energia;
  • maior eficiência energética e hídrica;
  • diminuição da poluição;
  • uso mais eficiente dos recursos e matéria-prima;
  • diminuição do desperdício;
  • reutilização e reciclagem dos resíduos;
  • redução dos custos operacionais.

Principais vantagens da ecologia industrial

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

No Brasil a ecologia industrial ainda é um conceito relativamente desconhecido por muitas empresas. Todavia implantar o conceito no meio empresarial trás várias vantagens. São elas:

  • maior eficiência energética e hídrica – menos consumo já que os processos são revistos. Optando por sistema produtivos mais eficientes;
  • diminuição da poluição – já que são gerados menos resíduos e os gerados recebem o tratamento e disposição adequada;
  • uso mais eficiente dos recursos e matéria-prima;
  • diminuição do desperdício – uma vez que os recursos e matéria prima são melhores aproveitados;
  • reutilização e reciclagem dos resíduos – contribuindo para economia de matéria prima e redução de custos. Além disso, a reciclagem permite ganhos econômicos com a venda do reciclado;
  • redução dos custos operacionais – os processos industrias sofrem mudança para eliminar desperdício e ter melhor uso dos recursos disponíveis.

Uma gestão adequada de resíduos trás benefícios

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

A ecologia industrial contribui para gestão de resíduos uma vez que as empresas mudam a percepção do seu sistema industrial. Deixando de enxergar o sistema como um processo que necessita de recursos para produzir. E o gerado é somente produto e resíduo. Com a ecologia industrial o sistema busca reaproveitar os recursos disponíveis em sua totalidade e a reutilização e reciclagem dos resíduos.  Além da preocupação com o fim da vida útil do produto.

A ecologia industrial muda à interação da indústria com o meio ambiente. Contudo para implantar o conceito a empresa deve controlar a geração de resíduos.

O uso da tecnologia digital pelas empresas para melhorar seu controle da geração de resíduos surge como sua grande aliada na gestão de resíduos.

Todos os envolvidos no gerenciamento podem trabalhar de forma sistematizada e organizada, aumentando eficácia da gestão. Os acompanhamentos podem ser feitos em um ambiente totalmente virtual. Possibilitando assim, a agilidade dos processos e a segurança das informações.

O software VG Resíduos realiza toda a gestão de resíduos de uma indústria. O seu objetivo é gerar resultados positivos para seus clientes e atender a legislação ambiental. Além do mais, presta serviços de elaboração e implantação de planos de gerenciamento de resíduos e monitora a eficiência das ações.

Com a tecnologia a empresa possuirá um sistema online com módulos diferenciados conforme a necessidade do seu segmento.

Aderir a VG RESÍDUOS como uma ferramenta capaz de centralizar as informações possibilita uma gestão mais estratégica do processo.

Os benefícios em ter o software da VG Resíduos são inúmeros, entre eles:

  • auxilia no cumprimento da Política Nacional de Resíduos;
  • facilita a gestão de informações e evita perdas e falhas no processo aumentando a produtividade;
  • padroniza a comunicação com fornecedores;
  • minimiza a possibilidade de passivos ambientais e prejuízos para a empresa;
  • permite o controle completo de documentação e licenças;
  • otimiza a elaboração de relatórios e inventários;
  • auxilia no cumprimento de prazo, com lembretes e alertas de vencimento;
  • sistematiza as informações em gráficos para orientar a tomada de decisões estratégicas.

Leia mais sobre gestão de resíduos em: Guia completo da gestão de resíduos sólidos

Assim sendo, a ecologia industrial contribui para gestão de resíduos, pois permitem que as empresas gastem menos recursos ao reutilizar e reciclar resíduos. A ecologia industrial permite que as empresas gastem menos recursos e evitem desperdícios. O conceito promove uma melhor integração entre a indústria e o meio ambiente. Ainda é um conceito que está em uma etapa de construção no Brasil, mas já demonstra um grande potencial frente aos problemas ambientais. Além de ser um conceito que busca a ecoeficiência dos processos.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Como controlar a validade de licenças e CADRI`s por um software online?

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

 

Como controlar a validade de licenças e CADRI`s por um software online?

Controlar a validade de licenças e CADRI`s

Controlar a validade de licenças e CADRI`s por um software online é possível por meio de algumas funcionalidades de algumas plataformas online. Nelas, além de auxiliar a empresa para realizar uma adequada gestão de resíduo, pode-se otimizar os processos, tornando a organização economicamente viável e ambientalmente correta.

Gerenciar todo um processo produtivo, atender às legislações vigentes, como a Política Nacional de Resíduos Sólidos, entre outras. Pensar em como destinar corretamente os resíduos gerados ao longo da produção. São muitas atividades para o dia a dia de uma empresa. Por isso, possuir um software para auxiliar na gestão de resíduos é uma excelente estratégia. Confira!

Controle da validade de licenças e CADRI`s 

Controlar a validade de licenças e CADRI`s

Para facilitar o controle da validade de licenças e CADRI`s a Verde Ghaia Consultoria, criou o software VG RESÍDUOS. Esse software vislumbra as necessidades dos clientes que demandam de controle total de todos os processos de gerenciamento de resíduos. A principal funcionalidade do software é promover a gestão, eliminando as antigas planilhas de Excel, licenças em PDF, documentos em Word.

Com o software a organização realiza a gestão completa em uma única plataforma, totalmente online. Assim, ela consegue melhorar seu controle da validade de licenças e CADRI`s.

O software da VG Resíduos coleta automaticamente todas as informações e registros de destinação do resíduo, bem como os dados dos transportadores e tratadores dos resíduos.

Após coletar as informações é gerado um documento em arquivo PDF que pode ser enviado ao órgão fiscalizador. O documento também fica disponível para impressão. O gerador de relatórios do sistema é sincronizado ao banco de dados. Esse banco de dados possui todas as informações referentes à geração de resíduos ao longo do ano. Bem como as informações pertinentes de quem tratou, qual a destinação dada ao resíduos, quanto custou e etc.

A melhor maneira de se comprovar a destinação adequada dos resíduos e obter a total isenção de responsabilidade é através da documentação de repasse a terceiros devidamente habilitados e a coleta do certificado de destinação final (CDF). Essas documentações devem conter a assinatura do responsável pelo recebimento do resíduo para o tratamento. Dessa forma a empresa saberá para onde o resíduo foi.

A VG Resíduos, além de emitir todos os certificados de maneira automática, monitora todas as destinações da empresa e acusa a falta de documentação em cada remessa enviada. Assim não há o risco de faltar documentação do envio de algum resíduo.

Entenda o que é CADRI

Controlar a validade de licenças e CADRI`s

CADRI é um certificado de movimentação de resíduos de interesse ambiental. É uma ferramenta que demonstra que o resíduo está sendo transportado para um local de reprocessamento, armazenamento, tratamento ou disposição final.

Este é um documento emitido pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). Trata-se de um instrumento de fiscalização exclusivo do estado de São Paulo.

Os tipos de resíduos que exigem o CADRI encontram-se divididos em duas classes:

Resíduos Classe I – Perigosos

Resíduos Classe II A – Não Inertes

Abaixo seguem exemplos de Resíduos de Interesse Ambiental:

  • resíduos industriais perigosos;
  • resíduo sólido domiciliar;
  • lodo de sistema de tratamento de efluentes líquidos industriais ou de sanitários;
  • EPI contaminado e embalagens contendo PCB;
  • resíduos de curtume não caracterizados como Classe I;
  • resíduos de indústria de fundição não caracterizados como Classe I;
  • resíduos de portos e aeroportos;
  • resíduos de serviços de saúde, dos Grupos A, B e E;
  • resíduos de agrotóxicos e suas embalagens.

Entenda tudo sobre o CADRI.

Controle dos documentos da gestão de resíduos

Controlar a validade de licenças e CADRI`s

Não há dúvidas no quanto uma solução tecnológica pode ajudar a empresa a melhorar seu controle da validade de licenças e CADRI`s. No entanto, ao escolher por um sistema especializado em gestão de resíduos, é preciso estar atento a alguns fatores importantes, como o controle de documentos.

O controle da informação documentada é um ponto crucial para manter a gestão ativa e funcionando corretamente. É por meio desse controle que informações sobre a geração de resíduos das empresas são registradas e mantidas seguras.

Para qualquer empresa, ter arquivos organizados é fundamental para garantir a segurança das operações e conseguir bons resultados nos negócios.

Na gestão de resíduos, o controle de documentos é muito importante por causa da imensa gama de obrigações ambientais e das normas estabelecidas pela legislação ambiental.

Dessa forma, o software da VG RESÍDUOS, além de ajudar a melhorar seu controle da geração de resíduos possibilita que as organizações minimizem riscos, seja com acidentes ambientais, multas, prejuízos financeiros, problemas com a comunidade e colaboradores. Assim, as suas funcionalidades e a sua otimização no processo de gestão, fazem com que cada vez mais organizações utilizem a plataforma.

Controle de fornecedores adequados

Controlar a validade de licenças e CADRI`s

Para evitar sanções ambientais é importante que a empresa esteja sempre em dia com a documentação referente a licenças e autorizações de transporte e descarte adequado de resíduos.

Mas antes desse controle a geradora deve contratar empresas de transporte e tratamento de resíduos licenciadas.

As empresas que realizam tais serviços precisam seguir uma série de normas e regras para que o resíduo chegue ao destino final de forma adequada e segura, uma vez que muitos são perigosos, com altas concentrações de poluentes, que representam riscos à saúde das pessoas e ao meio ambiente.

Cumprir as leis ambientais além de ser fator determinante para o sucesso do negócio trás aos clientes a confiança que ao contratar uma empresa especializada em transporte e tratamento de resíduos também estará cumprindo a legislação e será isenta de penalidade por negligenciar o cumprimento da lei.

A VG Resíduos, através da plataforma Mercado de Resíduos, permite que geradores tenham contato e acesso com as transportadoras e tratadoras que garantem um serviço de confiança.

Sendo assim, percebe-se que somente um software online da VG Resíduos pode auxiliar a empresa no controle da validade de licenças e CADRI`s. Além disso, o software auxilia na gestão de resíduos, atendendo às legislações vigentes, como a Política Nacional de Resíduos Sólidos, entre outras.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Conheça as normas aplicáveis ao armazenamento de resíduos por terceiros

resíduos químicos laboratoriais

 

Como acondicionar corretamente resíduos para armazenar ou destinar?

Acondicionar corretamente resíduos

Acondicionar corretamente resíduos se trata do ato de depositá-los em recipientes apropriados e designados para cada tipo de resíduos. Para o acondicionamento adequado devem ser observadas as características e possibilidade de reaproveitamento, tratamento ou destinação para reciclagem.

O acondicionamento deve ser feito de forma cuidadosa. Observando sempre a classificação do resíduo atribuída pela NBR ABNT 10.004. A adoção de boas práticas tanto na coleta, quanto no acondicionamento e no transporte é o primeiro passo para evitar sanções.

Acondicionar corretamente resíduos para armazenar ou destinar otimiza a gestão de resíduos, previne acidentes, minimize o impacto ambiental, além de facilitar a realização da coleta. Confira!

Acondicionamento de resíduos: o que é?

Acondicionar corretamente resíduos

O acondicionamento de resíduos basicamente é a colocação dos resíduos sólidos no interior de recipientes apropriados. Estes recipientes devem proteger os resíduos, garantindo assim que na coleta e no armazenamento não ocorram acidentes e risco de contaminação. Para isso os recipientes precisam ser herméticos de maneira que evite o derramamento de líquidos ou exposição dos mesmos.

O acondicionamento dos resíduos é muito importante no manejo dos resíduos. A qualidade na operação da coleta depende do acondicionamento adequado dos resíduos. Logo, todos os equipamentos para acondicionar corretamente resíduos devem contar com dispositivos que facilitem o seu deslocamento.

É necessário que antes de acondicionar um resíduo seja observado a sua classificação, quantidade e volume. Somente após isso deve ser feito a escolha do recipiente apropriado para o acondicionamento.

O acondicionamento de resíduos perigosos deve ser temporário e até espera para reciclagem, recuperação, tratamento e/ou disposição final. Pode ser realizados em contêineres, tambores, tanques e/ou a granel. Os resíduos inertes e não inertes não devem ser acondicionados juntamente com os resíduos perigosos. Contudo o tipo de recipiente também podem ser em contêineres, tambores, tanques e/ou a granel.

A adoção de boas práticas no acondicionamento evita penalidades legais, uma vez que a própria Política Nacional de Resíduos Sólidos prevê a responsabilidade do gerador na gestão correta de seus resíduos. Conforme a lei o gerador deve garantir o acondicionamento correto do resíduo.

Leia também: Responsabilidade ambiental no transporte de produtos perigosos

Formas de acondicionar corretamente resíduos

Acondicionar corretamente resíduos

Há diversas maneiras para acondicionar corretamente resíduos de forma que facilite sua coleta, transporte e armazenagem.

Além disso, o acondicionamento correto facilita a venda dos resíduos e a separação de resíduo recicláveis e não recicláveis.

A forma mais tradicional de acondicionamento é em sacos de lixo. Mas será que esse recipiente é ideal para todos os tipos de resíduos?

Vamos conhecer algumas formas de armazenamento:

Caçambas Rollon

As caçambas Rollon são muitos utilizados para acondicionar resíduo: de construção civil, metal, varrição, orgânicos, lodos sólidos, entre outros.

Essa forma de acondicionamento depende basicamente do volume do resíduo gerado.

As caçambas possuem capacidade de 5 m³ ou uma média de 5 toneladas. A empresa deve observar se o volume de resíduo gerado é o suficiente para caçambas, ou seja, é necessário observar o custo beneficio desse tipo de acondicionamento. Não é economicamente viável utilizar esse tipo de acondicionamento se o volume gerado é muito pouco e, no caso, o recolhimento levaria muito tempo, justamente por ocuparem um grande espaço dentro da organização.

Para economizar no transporte é necessário que a coleta seja feita por um caminhão poliguindaste, que permite a coleta de duas a três caçambas por viagem.

Compactadores estacionários ou compactainer

Esses equipamentos são comumente utilizados para acondicionar resíduos orgânicos. No compactador o resíduo é prensado reduzindo assim o seu volume.

Containers

Acondicionar corretamente resíduos

São recipientes utilizados para acondicionar resíduos orgânicos e alguns tipos de recicláveis (papel, papelão e plásticos).

A sua capacidade é de 16 a 18 sacos de 100 l. O volume total de alguns é de 1,20 m³.

A coleta e o transporte dos containers geralmente são feitos por um caminhão compactador que báscula o resíduo internamente.

Contentor de plástico

É utilizado para acondicionar resíduo orgânico e comum.

A capacidade de acondicionamento desses recipientes é de 3 a 4 sacos de lixo de 100 l.

A coleta e o transporte são feitas com caminhão compactador ou adaptada como em um caminhão carroceria.

Tambores e bombonas

Os tambores e as bombonas são utilizados especialmente para o acondicionamento de resíduos industriais.

A indústria deve optar sempre por embalagens para acondicionar seus resíduos que sejam homologadas pelo INMETRO.

Acondicionamento de resíduos de saúde

O acondicionamento de resíduos de saúde necessita de um cuidado especial na gestão de resíduos. O intuito é evitar a contaminação e o risco de acidentes com os resíduos gerados dentro de áreas hospitalares.

Os resíduos infectantes e perfuro cortantes devem ser separados dos resíduos comuns para o acondicionamento correto. Os perfuro cortantes devem ser acondicionados em caixas de material rígido. E os infectantes em sacos plásticos brancos leitosos.

Todas as formas de acondicionamento devem estar devidamente identificadas para que a coleta, o transporte e a destinação final sejam realizados de forma correta.

Acondicionar corretamente resíduos

O sucesso é o gerenciamento correto do resíduo

Acondicionar corretamente resíduos

A gestão de resíduos é uma questão estratégica e de obrigação legal que as empresas devem realizar. Com a gestão é possível criar metas para prevenção, redução, reciclagem, reutilização e destinação adequada. Além de melhorar seu controle da geração de resíduos e identificar quais os tipos de resíduos e volume gerado. Sendo assim, a escolha de qual forma o resíduos deve ser acondicionado é facilitada.

Para facilitar o gerenciamento dentro das organizações, a Verde Ghaia Consultoria, criou o software VG RESÍDUOS. Esse software vislumbra as necessidades dos clientes que demandam de controle total de todos os processos de gerenciamento de resíduos. A principal funcionalidade do software é promover a gestão, eliminando as antigas planilhas de Excel, licenças em PDF, documentos em Word.

A plataforma VG Resíduos realiza toda a gestão de resíduos de uma organização. O seu objetivo é gerar resultados positivos para seus clientes e atender a legislação ambiental. Além do mais, presta serviços de elaboração e implantação de planos de gerenciamento de resíduos e monitora a eficiência das ações.

A empresa possui um sistema online com módulos diferenciados conforme a necessidade do seu segmento: gerador, gerenciador, transportador ou tratador.

Através da gestão eficiente dos resíduos a empresa identifica quais resíduos podem ser comercializados para outros que tenha. Essa negociação pode ser feita através da plataforma Mercado de resíduos. Além do modulo de venda, pela plataforma é possível encontrar empresas especializadas no tratamento de resíduos.

Conclui-se, que acondicionar corretamente resíduos é uma obrigação das empresas para evitar danos ao meio ambiente e a saúde publica. Há várias vantagens para a empresa que realiza a correta gestão de resíduos. Para o acondicionamento correto devem ser observados a classificação do resíduo.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Entenda a diferença entre acondicionamento e armazenamento de resíduos

 

 

 

 

Resíduos de Saúde: Saiba tudo sobre o PGRSS e como elaborá-lo

PGRSS

O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS) é um conjunto de procedimentos que contempla a geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e destinação final desses resíduos.

Um adequado gerenciamento de resíduos de saúde não significa simplesmente dar uma destinação correta para o lixo. Na verdade, vai muito além disso. É necessário um PGRSS.

O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS) é um conjunto de procedimentos que contempla a geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e destinação final desses resíduos.

Os estabelecimentos da área de saúde devem elaborar o plano devido aos riscos à saúde pública e ao meio ambiente quando os resíduos de saúde não recebem um gerenciamento correto. Então, confira neste artigo como elaborar corretamente o PGRSS!

Confira: como a VG Resíduos pode auxiliar na gestão de Resíduos da Saúde?

Mas afinal, o que é PGRSS?

O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS) é um documento técnico referente ao gerenciamento de resíduos de saúde. É de responsabilidade dos estabelecimentos da área da saúde elaborar esse plano.

No PGRSS são estabelecidas as ações para o correto manejo dos resíduos provenientes de todos os serviços relacionados ao atendimento á saúde humana e animal.

O PGRSS é regulamentado pelas resoluções CONAMA nº 283/01, CONAMA nº 358/05 e ANVISA RDC 306/04.

Baseado nos princípios da não geração e da minimização, também, visa ao tratamento e disposição final daqueles, que por suas características, necessitam de processos de manejo diferenciado.

A elaboração desse plano objetiva, também, a proteção dos trabalhadores envolvidos e a preservação dos recursos naturais, do meio ambiente e da saúde pública.

Elaborar um PGRSS, além de ser um passo de extrema importância para garantir o correto gerenciamento de resíduos de saúde e trazer muitos benefícios, é obrigatório para muitos estabelecimentos. 

Confira: como a decisão do STF impacta na gestão de resíduos da sua empresa?

Quem deve elaborar o PGRSS?

PGRSS

Todos os empreendimentos que prestam serviços relacionados ao atendimento à saúde humana e animal são considerados geradores de resíduos de saúde. Portanto, conforme a Política Nacional de Resíduos Sólidos todos esses geradores devem fazer um PGRSS.

Estão incluídos também as clínicas odontológicas, estúdios de tatuagem, clínicas veterinárias, necrotérios e funerárias, drogarias, farmácias e clínicas de acupuntura Se um estabelecimento não elaborar o PGRSS estará sujeito a multas e atuações, já que o plano integra o licenciamento ambiental e pode ser exigido e fiscalizado pelos órgãos de saúde.

Leia mais: como controlar toda documentação da sua empresa?

Normas importantes para a elaboração do PGRSS

Além das resoluções citadas acima, dos requisitos estaduais e municipais o PGRSS deve se basear nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.

 

NormasDescrição
NBR 7.500Símbolo de risco e manuseio para o transporte e armazenamento de material
NBR 7.501Terminologia de transporte de resíduos perigosos
NBR 7.503Ficha de emergência para transporte de produtos perigosos
NBR 7.504Envelope para o transporte de produtos perigosos
NBR 8.285Preenchimento da ficha de emergência para transporte de resíduos perigosos
NBR 9.190Classificação dos sacos plásticos para o acondicionamento
NBR 9.191Especificação de sacos plásticos para acondicionamento
NBR 12.807Terminologia dos resíduos de serviço de saúde
NBR 12.808Resíduos de serviço de saúde
NBR 12.809Resíduos de serviço de saúde
NBR 12.810Coleta dos resíduos de serviço de saúde
NBR 13.853Coletores para os resíduos de serviço de saúde perfurocortantes e cortantes

Os passos para elaborar o PGRSS

PGRSS

Abaixo citamos os principais passos para elaborar corretamente o PGRSS.

1. Diagnóstico dos resíduos gerados

O primeiro passo para a elaboração do PGRSS é conhecer os tipos e quantidades de resíduos de saúde que a organização gera.

Os resíduos de saúde são divididos em cinco grupos, de acordo com as suas características físico-químicas. Na ANVISA RDC 306/04 estão definidos todos esses grupos. São eles:

  • Grupo A: são aqueles com presença de agentes biológicos e que podem apresentar risco de infecção.
  • Grupo  B: são aqueles que contêm substâncias químicas que apresentam risco à saúde pública ou ao meio ambiente. Possui características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxidade.
  • Grupo C: são os rejeitos radioativos.
  • Grupo D: são aqueles classificados como resíduos comuns, exemplos, material de escritórios, resíduo orgânico e etc.
  • Grupo E: são os materiais perfurocortantes e todos os utensílios de vidros quebrados.

Somente, após a classificação dos resíduos de saúde em seus respectivos grupos, será possível definir as próximas etapas do gerenciamento de resíduos de saúde.

Além disso, o estabelecimento deve analisar quais os requisitos legais aplicáveis na segregação, no armazenamento ou no transporte interno.

Leia também: como o ODS ONU influencia na gestão de resíduos da minha empresa?

2. Ações relativas ao manejo

O empreendimento deve informar no PGRSS os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final.

Além disso, deve descrever as ações de proteção à saúde pública e ao meio ambiente.

Nessa fase de elaboração do PGRSS são definidos quais resíduos serão reciclados e as práticas adotadas. Importante lembrar que somente os resíduos do grupo B e D podem ser reciclados.

Saiba mais: qual a importância da auditoria de fornecedor para geradores de resíduos?

3. Descrever as rotinas e processos de higienização e limpeza 

PGRSS

Outro passo de elaboração do PGRSS é descrever ações referentes aos processos de prevenção de saúde do trabalhador, como: uso de EPIs, treinamentos obrigatórios, imunizações necessárias, etc…

3. Descrever ações preventivas e corretivas

No PGRSS devem ser descritos as ações preventivas e corretivas a serem executadas em situações de gerenciamento incorreto ou acidentes.

4. Monitoramento e avaliação do PGRSS

O estabelecimento de saúde deve monitorar e avaliar o PGRSS, de acordo com a periodicidade definida no licenciamento ambiental.

Devem-se constar os seguintes indicadores mínimos, com frequência anual:

  • taxa de acidentes com resíduo perfurocortante;
  • variação da geração de resíduos;
  • variação da proporção de resíduos dos Grupos A, B, D e E;
  • variação do percentual de reciclagem.

Saiba mais: gestão de Resíduos: como controlar toda documentação da sua empresa?

5. Desenvolvimento e implantação de programas de capacitação

PGRSS

A unidade de saúde deve descrever no PGRSS quais serão os programas de capitação para manuseio e gerenciamento correto dos resíduos de saúde.

O desenvolvimento deve abranger todos os setores envolvidos.

O conteúdo dos programas de capacitação devem fornecer:

  • noções gerais sobre o ciclo da vida dos materiais;
  • conhecimento da legislação ambiental, de limpeza pública e de vigilância sanitária;
  • definições, tipo e classificação dos resíduos e potencial de risco;
  • sistema de gerenciamento adotado internamente no estabelecimento (incluindo as formas de segregação, acondicionamento e transporte dos resíduos);
  • formas de reduzir a geração de resíduos e reutilização de materiais;
  • conhecimento das responsabilidades e de tarefas;
  • reconhecimento dos símbolos de identificação das classes de resíduos;
  • conhecimento sobre a utilização dos veículos de coleta;
  • orientações quanto ao uso de Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva;
  • orientações sobre biossegurança;
  • orientações quanto à higiene pessoal e dos ambientes;
  • orientações especiais e treinamento em proteção radiológica;
  • providências a serem tomadas em caso de acidentes e de situações emergenciais;
  • visão básica do gerenciamento dos resíduos sólidos no município;
  • noções básicas de controle de infecção e de contaminação química.

Assim sendo, a elaboração do PGRSS deve ser integrada e continuada na empresa. A unidade de saúde deve entender que o documento não é apenas de regularização, mas sim, um passo a passo que descreve a maneira como se deve executar as tarefas ligadas ao manejo de resíduos.

Dessa forma, tentar elaborar sozinho o PGRSS para um empreendimento encontra com um empecilho que é a falta de conhecimento técnico, pois há tantas informações técnicas, normas e legislações necessárias. Contudo, a organização pode contar com a VG Resíduos, que é uma empresa especializada em gerenciamento de resíduos. Na plataforma é possível encontrar tudo que a empresa precisa para elaborar o PGRSS.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Como a Gestão de Resíduos Auxilia Sua Empresa a Afastar Passivos Ambientais?

lei ambiental sobre logística reversa de medicamentos

 

Como a decisão do STF impacta na gestão de resíduos da sua empresa?

gestão de resíduos

Em fevereiro deste ano o Supremo Tribunal Federal (STF) votou uma pauta que pode prejudicar a gestão de resíduos no Brasil. O STF tornou ilegal a construção de aterros sanitários em Áreas de Proteção Permanente (APPs). A decisão ainda depende do acórdão do ministro Luiz Fux para definir a funcionalidade dos aterros já existentes. Porém, se a resolução do STF valer também para os aterros já ativos será criado um grande impasse. Dezesseis capitais brasileiras terão que encontrar novos locais ou formas de destinação dos resíduos. Há o risco de um encaminhamento inadequado e o reaparecimento dos lixões.

Até então, os terrenos que abrigavam aterros sanitários eram considerados de interesse público e, assim, podiam ocupar as reservas naturais. Esta matéria aponta que, com essa concessão, 80% dos aterros estão pelo menos parcialmente em áreas de proteção ambiental. No entanto, com a decisão do STF, os aterros perdem a utilidade pública e tornam-se ilegais quando construídos em reservas naturais.

Mas qual a repercussão sobre essa decisão do STF? O que levou o Tribunal a considerar os aterros sanitários ilegais? Como a resolução pode afetar empresas especializadas em gestão de resíduos? A seguir, você confere essas respostas. Acompanhe!

Saiba mais: O ODS ONU influencia na gestão de resíduos da minha empresa?

Entenda as repercussões da decisão do STF

gestão de resíduos

A decisão do Tribunal de tornar ilegal a construção de aterros em reservas ambientais não foi bem recebida pela especialista Nina Orlow. Integrante do movimento Aliança Resíduo Zero Brasil, Nina acredita que os juízes se equivocaram sobre a função do aterro sanitário. Nesta reportagem, a ambientalista defende que os aterros funcionam como um mal necessário.

Segundo a ambientalista, o Brasil já tem regras claras para o funcionamento dos aterros sanitários, incluídas na Política Nacional de Resíduos Sólidos. A lei recomenda que os aterros sanitários sejam o último recurso para a destinação dos resíduos, destaca a especialista. Antes de enviar as sobras para esses terrenos é necessário apostar em alternativas como a reciclagem e a logística reversa. No entanto, quando essas soluções são inviáveis, o aterro sanitário é a destinação possível e, sendo assim, os locais devem ser considerados de utilidade pública.

A decisão do STF também não foi aprovada pelo o especialista em sustentabilidade e resíduos sólidos, Carlos Rossin. Nesta entrevista ao programa de rádio Revista Brasil, da EBC, o especialista considera que há o risco de reaparecimento dos lixões. O perigo seria porque a resolução restringe os locais onde podem ser instalados os aterros, que precisam de terrenos de grande porte. Impedidos de serem destinados a terrenos com essas características, os resíduos teriam que ser encaminhados a locais pequenos. A consequência, segundo o especialista, é que as sobras ficariam em áreas sem a devida infraestrutura, colocando em risco o meio ambiente.

Saiba o que motivou a decisão do STF

gestão de resíduos

A resolução do STF em relação aos aterros sanitários foi um veto a um dos dispositivos do Código Florestal brasileiro. Instituído pela Lei federal 12.651, de 25 de maio de 2012, o Código Florestal trata das atividades realizadas em APPs. Em seu artigo 8º determina que as reservas naturais podem sofrer intervenções ou supressões para o desenvolvimento de atividades de interesse público:

“A intervenção ou a supressão de vegetação nativa em Área de Preservação Permanente somente ocorrerá nas hipóteses de utilidade pública, de interesse social ou de baixo impacto ambiental previstas nesta Lei”.

Entre as atividades listadas pelo Código Florestal como de interesse público está a gestão de resíduos e a licença para os aterros sanitários. No entendimento do STF, porém, não deve haver concessão para o funcionamento de aterros em APPs, pois isso coloca em risco o meio ambiente.

Leia também: qual a importância da auditoria de fornecedor para geradores de resíduos?

Compreenda a diferença entre aterro e lixão

gestão de resíduos

Na opinião do advogado Fabrício Soller, houve um equívoco na decisão do STF que interpretou gestão de resíduos como lixão. Resíduos dispostos a céu aberto, sem o devido tratamento, caracterizam os lixões.

Já o aterro sanitário, segundo o advogado, é “uma estrutura ambientalmente licenciada — corresponde à técnica de disposição ordenada de resíduos, sem causar impacto negativo ao ambiente, à saúde e à segurança das pessoas, método que utiliza princípios de engenharia para confinar os resíduos à menor área possível e reduzi-los ao menor volume permissível. É, irrefutavelmente, de utilidade pública”.

Os aterros sanitários, na forma como funcionam hoje, precisam seguir à risca as diretrizes ambientais. A decomposição final dos resíduos deve ser feita da maneira mais ambientalmente correta possível. Para não causar danos ao meio ambiente e à saúde pública, os resíduos sólidos devem ser reduzidos ao máximo. Entre outras providências, uma camada de terra deve ser jogada sobre os resíduos na conclusão de cada trabalho.

Veja os impactos para as geradoras e tratadoras de resíduos

gestão de resíduos

Se for mantido o texto final do STF, as geradoras ou tratadoras de resíduos terão que encontrar alternativas aos aterros sanitários. No momento, as licenças para a abertura de novos aterros estão paralisadas.

É importante considerar alternativas que não só reduzam a geração de resíduos, como também as reciclem, evitando que as sobras se acumulem. Essas práticas são a base da política de gestão de resíduos sólidos, que fica ameaçada com a decisão do STF.

Soluções ambientalmente adequadas terão que ser implantadas e um caminho é contar com uma consultoria que aponte as melhores decisões. Os profissionais do grupo Verde Ghaia podem instruir as empresas quanto os encaminhamentos do STF e as práticas que evitem os lixões.

No entanto, na hipótese de uma revisão da resolução do STF, a gestão de resíduos no Brasil poderia continuar avançando. Reconsiderando o manejo de resíduos como um serviço de utilidade pública se evitaria a destinação das sobras para terrenos irregulares como os lixões.  Todo o esforço para uma política adequada de destinação dos resíduos não sofreria um retrocesso e a natureza e os indivíduos seriam poupados.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Como a Gestão de Resíduos Auxilia Sua Empresa a Afastar Passivos Ambientais?

 

 

Como a Gestão de Resíduos Auxilia Sua Empresa a Afastar Passivos Ambientais?

passivos ambientais

Uma gestão de resíduos regular e bem feita é muito importante para evitar ao seu negócio geração de passivos ambientais e problemas com órgãos de fiscalização

Empresas com processos organizados praticam a gestão adequada de todos os seus passivos, os financeiros, jurídicos, trabalhistas, operacionais e também os passivos ambientais. Estes últimos devem receber atenção especial, uma vez que a legislação a seu respeito vem sendo incrementada a cada ano.

A fiscalização das empresas quanto ao cumprimento das leis ambientais vem crescendo muito no Brasil, governos municipais, estaduais e a união estão agindo no sentido de fechar o cerco às empresas que, de alguma forma, descumprem a legislação aplicável.

O problema é que as leis são complexas e seu atendimento é burocrático. Além do mais, não existe um padrão legal para todo o país, pode ser que as regras a serem seguidas variem até de município para município, torando a vida do empreendedor muito difícil, uma vez que ele já precisa se preocupar com seus negócios, ainda tem que gastar tempo entendendo as diversas leis de meio ambiente se policiando para não gerar passivos ambientais.

Leia também: Como empresas estão lucrando com a logística reversa do isopor

O que são passivos ambientais?

passivos ambientais

Os passivos ambientais são todas as ações executadas pela empresa, que podem gerar algum tipo de sanção no futuro, ou seja, ações que deixam aberto um possível “passivo financeiro” para a companhia, uma vez que, em caso de aplicação da sanção, haverá um custo de reparação.

Os passivos ambientais são exatamente iguais ao operacionais (causados por execuções incorretas ou imprecisas), trabalhistas (causados por descumprimento às leis do trabalho) e financeiros (causados pela geração de obrigações futuras). A diferença básica, é que os passivos ambientais são causados unicamente pelo relacionamento da empresa com o meio ambiente, o que amplia muito a sua possibilidade de ocorrência.

Desde caminhões desregulados que poluem excessivamente, até a contaminação de rios e mananciais, há uma infinidade de possibilidades de descumprimento da legislação ambiental vigente, contudo, há uma categoria especial de passivos ambientais que deve ser considerada, a que trata da gestão inadequada de resíduos, uma vez que todas as organizações geram estes materiais, em maior ou menor grau.

Passivos ambientais causados por má gestão de resíduos

passivos ambientais

A principal lei ambiental brasileira é a de nº 12.305/2010 que estabelece a política nacional de resíduos sólidos. Ela conserva a Lei nº 9.605/1998, que determina as sanções penais e administrativas às condutas ilegais em relação ao meio ambiente.

Pessoas físicas podem ter que arcar com multas que variam de R$50,00 a R$500,00, dependendo da gravidade da infração. Tais multas são aplicáveis a casos como não separação do lixo, descarte de resíduos em vias, rios, lagos e etc.

Já as pessoas jurídicas, podem sofrer com multas que variam de R$500,00 a R$2 milhões, além do mais, pode haver responsabilização penal dos responsáveis pela ação criminosa, sendo que a lei considera a reclusão de seis meses a um ano para crimes não intencionais e de um a seis anos para crimes intencionais.

A política nacional de resíduos sólidos considera que o passivo ambiental se distribui à toda cadeia logística, por exemplo, se a empresa envia para um centro de reciclagem, um material que deveria ser incinerado e este centro não retorna o material ao gerador para a destinação correta, ele passa a sofrer responsabilização solidária pelo feito, ou seja, acumula para si um passivo ambiental.

Saiba mais: 100 Open Startups: qual importância para uma startup como a VG Resíduos?

Otimizando a gestão de resíduos 

passivos ambientais

A acumulação de passivos ambientais é inevitável para empresas que desconhecem a legislação, muitas vezes as companhias acabam descumprindo as leis sem intenção alguma de cometer infrações ou negligenciar as normas.

A solução mais usada no mercado vem sendo a contratação de consultorias ambientais que possam auxiliar a empresa na interpretação da lei e na adequação de seus processos à conformidade legal.

Contudo, nos últimos anos, com o avanço das tecnologias, alternativas mais baratas e produtivas têm surgido, especialmente no caso dos passivos ambientais causados por gestão inadequada de resíduos.

Softwares que ajudam a empresa a gerenciar e destinar corretamente seus materiais tem ganhado espaço e reduzindo os custos deste tipo de atividade para as organizações.

Saiba também: Mercado de Resíduos: obtenha mais clientes e amplie o seu negócio agora!

Um exemplo destes softwares é o VG Resíduos, um sistema online que realiza de forma automática toda a gestão de resíduos da empresa, desde o cadastro da geração de rotina até a emissão de todos os documentos e registros obrigatórios. O sistema faz tudo sozinho.

Há também a rastreabilidade dos registros, o que permite que todos os resíduos gerados ao longo dos anos sejam cadastrados e documentados, gerando provas de destinação adequada e evitando que a empresa seja alvo de multas aplicadas por fiscalização repentina.

Destinando corretamente os resíduos para evitar sanções

passivos ambientais

Grande parte das infrações relacionadas à gestão inadequada de resíduos se dá na fase do descarte, assim, o ponto crítico para as empresas é a realização da destinação adequada.

Softwares como o VG Resíduos permitem que o descarte seja realizado de maneira adequada. A plataforma trabalha em conjunto com o Mercado de Resíduos, que é um outro sistema encarregado de encontrar tratadores com licenças regulares e preços baixos.

O Mercado de Resíduos realiza leilões com os materiais a serem descartados pela empresa. Desta forma, todas as vezes que em há um novo resíduo cadastrado, os tratadores mais próximos à organização recebem alertas para darem seus lances, ou seja, quanto cobrariam ou pagariam pelo material ofertado.

Após o término do leilão, a empresa recebe o contato do tratador vencedor e este recebe os dados da organização geradora. O mais importante é que apenas tratadores licenciados para o resíduo cadastrado podem participar do leilão, eliminando qualquer possibilidade de geração de passivo ambiental.

Todas as organizações precisam realizar corretamente a gestão de seus passivos, uma vez que estes representam todas as saídas de caixa possíveis.

Dentre eles, um dos mais importantes é o passivo ambiental, uma vez que o descumprimento da legislação pode gerar multas de valores muito expressivos.

Por isso, uma gestão de resíduos regular, apoiada em ferramentas de última geração é fundamental para evitar surpresas indesejadas junto aos órgãos de fiscalização.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Gestão de Resíduos: como controlar toda documentação da sua empresa?

Algumas matérias que podem te interessar

© VG Residuos Ltda, 2019