Economia verde: qual relação e influência na gestão de resíduos?

A economia verde é uma alternativa de modelo econômico mais sustentável que reorienta os padrões de consumo e produção atuais. Esse modelo busca processo de desenvolvimento e instrumento econômico que faça uso sustentável dos recursos naturais e a gestão correta de resíduos.

A economia verde possibilita o desenvolvimento econômico compatibilizando-o com a proteção ambiental, a igualdade social, a erradicação da pobreza e a melhoria do bem-estar dos seres humanos. Através dela são reduzidos os impactos ambientais de uma má gestão de resíduo. Confira!

Economia verde: no que consiste?

Segundo o PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), a economia verde é definida como sendo  “Uma economia que resulta em melhoria do bem-estar da humanidade e igualdade social, ao mesmo tempo em que reduz, significativamente, riscos ambientais e escassez ecológica”.

A economia verde emprega tecnologia sustentável no sistema de produção. Desta forma, as etapas produtivas seguem processos justos, economicamente viáveis e ambientalmente adequados.

O objetivo da economia verde nas empresas é o combate à perda da biodiversidade, através de modelos que buscam ampliar a eficiência energética, a geração de empregos e o máximo aproveitamento e reaproveitamento dos bens naturais e matérias-primas, comumente reduzindo a geração de resíduos.

A economia verde busca aliar desenvolvimento socioeconômico com sustentabilidade. Desta forma, o conceito demonstra que o desenvolvimento sustentável e o desenvolvimento econômico não são perspectivas distintas, mas que podem tornar-se complementares.

O conceito surgiu no contexto da RIO-92, foi elaborado e divulgado mundo afora em um relatório do PNUMA (2011). A economia verde deve estimular a geração de empregos e a produção de renda para toda a população. Contudo, ao mesmo tempo devem ser tomadas medidas para a redução dos gases-estufa, a ampliação da eficiência energética (com o uso de fontes de energia alternativas e limpas) e o uso sustentável dos recursos naturais.

A economia verde é também chamada de ecodesenvolvimento.

Economia verde na gestão de resíduos

Existem bons exemplos de modelos de economia verde que influencia a gestão de resíduos, como:

Logística Reversa

A logística reversa, desde a instituição da Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS se destaca como um dos instrumentos mais determinantes para garantir o descarte correto e a reciclagem de resíduos.

A logística reversa é um processo que planeja, opera e controla o fluxo e as informações logísticas referentes ao retorno dos materiais após o consumo para as empresas fabricantes de tal produto.

Instituir a logística reversa colabora para que o meio ambiente seja poupado, diminuindo a poluição e os problemas causados pelo descarte incorreto dos resíduos. Além de ser uma obrigação legal, conforme a lei 12.305/2010, demonstra ser um importante diferencial competitivo para a empresa.

É um instrumento que auxilia a aplicação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos. Empresas que possuem práticas sustentáveis em seus processos a considera como um instrumento de caráter econômico e social que permite a coleta de determinados resíduos para o setor empresarial.

Reciclagem

A possibilidade de utilização de resíduo como matéria prima tem sido umas das principais fontes economicamente viáveis e ecologicamente corretas para algumas empresas que adotam a reciclagem ou a utilização de material reciclado no seu processo produtivo.

Há inúmeros negócios de sucesso atualmente que tem como principal fonte de matéria prima o resíduo industrial que outras empresas dispõem.

O mercado de resíduo tem se tornado uma oportunidade lucrativa para várias empresas, que encontram no seu resíduo uma fonte extra de lucro.

Os benefícios da reciclagem são muitos, tanto para o meio ambiente, quanto para a área socioeconômica.

Para o meio ambiente: redução da acumulação dos resíduos, evitando a produção de novos materiais, como: papel, que exige o corte de árvores, com emissão de gases como metano e gás carbônico, consumo de energia, agressões ao solo, ar e água.

Na questão socioeconômica, a reciclagem contribui para o uso racional dos recursos naturais e da reposição dos recursos que podem ser reaproveitados.

A reciclagem também proporciona uma melhora na qualidade de vida das pessoas, com a preservação das condições ambientais, e também gera renda para aquelas pessoas que encontra nessa atividade uma oportunidade de negócio.

Como a VG Resíduos pode ajudar sua empresa?

A VG Resíduos auxilia a empresa implantar a economia verde, uma vez que a plataforma incentiva destinações limpas e melhora a eficiência das empresas na gestão dos seus resíduos.

A gestão de resíduos a principio pode parecer ser complicada, burocrática ou cansativa, principalmente na etapa de classificação e caracterização do resíduo. No entanto, é essencial para minimizar impactos ambientais e passivos, evitar prejuízos financeiros e preservar a imagem da empresa.

A VG Resíduos é a solução para o negócio e permite realizar a gestão completa do processo, monitorar históricos e tomar decisões estratégicas baseadas em gráficos e relatórios.

Com muitos anos de atuação, a VG Resíduos conta com profissionais  habilitados e experientes em fornecer orientações para o adequado gerenciamento de resíduos, com o melhor custo benefício.

Com objetivo de gerar resultados positivos para seus clientes e atender a legislação ambiental, prestando serviços de elaboração e implantação de planos de gerenciamento de resíduos, além de desenvolver treinamentos e monitoramentos para acompanhar a eficiência das ações.

Sendo assim, conclui-se que a economia verde é um conceito que busca aliar o crescimento econômico com justiça social e preservação do meio ambiente. Ela busca o crescimento econômico da empresa, desde que a mesma proteja os recursos naturais. É possível alcançar o conceito com aplicação de práticas sustentáveis, tais como a reciclagem e logística reversa.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

 

 

 

 

 

Sete práticas sustentáveis que podem melhorar a imagem da sua empresa

As práticas sustentáveis podem melhorar a imagem da sua empresa, pois buscam diminuir os impactos ambientais das suas atividades, reduzir os custos de produção e do produto final.

As práticas possibilitam a recuperação de matérias primas, o aproveitamento dos resíduos em seu processo de fabricação ou até mesmo a comercialização deles para terceiros.

Adotar práticas sustentáveis não é só uma decisão de proteger o meio ambiente. É uma estratégia dos empreendedores que viram que a cada dia aumenta o número de consumidores conscientes que optam por produtos que garantem a sustentabilidade. Confira sete dicas de práticas sustentáveis para melhorar a imagem da sua empresa!

Práticas sustentáveis para melhorar a imagem da sua empresa

Adotar práticas sustentáveis consiste no estabelecimento de ações que proteja o meio ambiente e que promova o lucro. Além disso, essas práticas devem proporcionar, de forma ética, o desenvolvimento de toda a comunidade.

Logo, as práticas apresentam resultados positivos tanto para a empresa quanto para a sociedade. E o mais importante, essas ações positivas cooperam para melhorar a imagem da sua empresa.

Conheça sete práticas sustentáveis para desenvolver uma política sustentável:

1 – Tenha um sistema de gestão de resíduos

Uma das ações mais importantes para se tornar uma empresa sustentável é estabelecer um gerenciamento de resíduos eficiente e efetivo. Para isso a VG Resíduos pode auxiliar, uma vez que a plataforma incentiva destinações limpas e melhora a eficiência das empresas na gestão dos seus resíduos, o que também contribui para melhorar a imagem de uma empresa.

Fazer gestão de resíduos significa adotar um conjunto de ações adequadas nas etapas de coleta, armazenamento, transporte, tratamento, destinação final e disposição final ambientalmente adequada. Objetivando a minimização da produção de resíduos, visando à preservação da saúde pública e a qualidade do meio ambiente.

Através da gestão de resíduos o uso de recursos naturais é reduzido. Além disso, identifica deficiências do processo produtivo, reduzindo desperdícios e custos, aumentando a lucratividade dos negócios e contribuindo para o desenvolvimento sustentável.

Uma organização que não realiza a gestão dos seus resíduos perde muitas oportunidades, principalmente de realizar negócio com novos clientes.

2- Realize a coleta seletiva dos resíduos

A coleta seletiva é um método de coletar e separar os resíduos de acordo com suas características. Ou seja, se os resíduos possuem características similares são segregados e coletados juntos.

Essa separação facilita a reciclagem tornando-a mais fácil e viável economicamente, pois cada tipo de resíduo tem um processo próprio de reciclagem.

Para implantar a coleta seletiva dentro da empresa a equipe deve se sentir parte atuante na implementação.

Essa é uma oportunidade única de melhorar o relacionamento entre todos e promover educação e engajamento dos colaboradores.

3 – Reduza o consumo de papel

Para o funcionamento de uma organização é exigido pelos órgãos ambientais várias licenças e documentos que comprovam cumprimento das leis de proteção ambiental. Consequentemente, são gerados vários papéis com as informações pertinentes.

O grande empecilho é o que fazer com esses papéis após o fim de sua legalidade. Se a organização quer se tornar uma empresa sustentável o primeiro passo é eliminar essa papelada.

Ao adotar um sistema online de controle de documentos, é possível, reduzir o consumo de papel, economizar espaço de arquivamento, aumentar a segurança de documentos importantes e confidenciais, agilizar a busca economizando tempo.

O software da VG Resíduos permite o controle necessário para uma gestão eficiente.

4 – Recicle e reutilize resíduos em seus processos

A reciclagem é definida como um processo de transformação dos resíduos em insumos ou novos produtos. No gerenciamento e gestão de resíduos é a quarta prioridade, conforme Lei 12.305/2010.

Aplicando um conjunto de técnicas esses resíduos dão origem a um novo produto ou a uma nova matéria-prima com o objetivo de diminuir a produção de rejeitos e o seu acúmulo na natureza, reduzindo o impacto ambiental.

A reciclagem de resíduos contribui muito para a diminuição da quantidade de resíduo e dos impactos causados por eles no meio ambiente, como a poluição do solo, água e ar. Além disso, reduz a retirada de matérias primas da natureza que seriam usadas para a produção de novos produtos, colabora com a limpeza e saúde pública e gera empregos.

5 – Elimine desperdícios de matéria prima e energia

Verifique os desperdícios de matéria prima na empresa. Se há existência de perdas em algum processo produtivo, desenvolva métodos e processos para eliminar esses desperdícios.

Um exemplo são sobras na produção de embalagens plásticas. Essas sobras voltam para o processo em forma de moídos. Além disso, é possível controlar o tamanho das rebarbas para evitar a perda de matéria prima.

Em fabricas de papel os refiles que sobram no acabamento das bobinas voltam para o processo. A quantidade pode ser controlada diminuindo o formato da folha na formação.

Além disso, podem ser empregadas atitudes simples, tais como: pintar as paredes de branco para refletir melhor a luz; trocar as lâmpadas fluorescentes por modelos de LED; instalar sensores de presença em locais com pouca circulação de pessoas; e fazer a manutenção ou a substituição de equipamentos. Substituição de arquivos físicos por planilhas eletrônicas.

6 – Implemente a logística reversa

A logística reversa tem como objetivo principal o recolhimento e a reutilização de produtos e materiais que tiveram o seu ciclo produtivo encerrado. Ela utiliza-se dos canais de distribuição reversos.

O que as organizações buscam ao implantar a logística reversa são os benefícios financeiros e a sustentabilidade, além de atender a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Os benefícios financeiros estão relacionados com o reaproveitamento dos resíduos em seus processos, diminuindo assim o custo com a aquisição de matéria prima virgem. Além disso, esses resíduos podem ser negociados com outras empresas.

7 – Substitua as embalagens descartáveis de seus produtos

Substitua as embalagens descartáveis de seus produtos por refis recicláveis. Dessa forma a quantidade de resíduos gerados será menor. Além disso, a empresa economiza com a aquisição de embalagens.

Um exemplo de empresa que lucra com a substituição das embalagens em seus produtos é a Natura. Que permite que o seu consumidor compre refil do produto desejado.

Sendo assim, as práticas sustentáveis podem melhorar a imagem da sua empresa demonstrando que essas preocupam com a preservação ambiental e o desenvolvimento da sociedade. Com essas sete práticas sustentáveis a organização alcançará resultados positivos e desenvolverá uma imagem positiva perante seus clientes.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

 

 

 

Poluição marinha: como a gestão de resíduos afasta tais impactos?

poluição marinha

Um dos grandes impasses ambientais da atualidade é conter a poluição marinha, formada principalmente por embalagens plásticas. A poluição afeta o ecossistema marinho e espécies como tartarugas e peixes, podendo gerar doenças prejudiciais também ao homem.

A poluição que chega aos mares está diretamente ligada à gestão de resíduos sólidos urbanos. Quanto menos estruturado for o gerenciamento dos resíduos produzidos, maior o risco de impactos ao ecossistema marinho. Um exemplo extremo do que os resíduos dos mares podem causar está no Oceano Pacífico. Entre a Califórnia e o Havaí, um grande depósito de lixo reúne 87 mil toneladas de plástico. Chamada de a Grande Ilha de Lixo do Pacífico, um dos problemas é que os plásticos se desintegram em partículas minúsculas, muitas delas sendo ingeridas por peixes.

A seguir, você entende por que é essencial conter essa poluição marinha e como a gestão de resíduos pode preservar a qualidade das águas. Informa-se sobre a necessidade de poupar o ecossistema marinho, o maior e mais importante da terra. Acompanhe!

poluição marinha

Entenda por que conter a poluição marinha é essencial

poluição marinha

A poluição dos mares e oceanos tem gerado debates, nos quais especialistas discutem alternativas para atenuar o problema. O mar é o maior e mais importante ecossistema do planeta.

Segundo o Instituto Oceonográfico da USP, o ecossistema marinho é fundamental para o equilíbrio da vida na terra. Conter sua poluição é essencial, já que os oceanos:

  • regulam a circulação atmosférica;
  • distribuem umidade;
  • controlam as temperaturas;
  • são maiores produtores de oxigênio da Terra;
  • amenizam o efeito estufa, retirando carbono e metano da atmosfera;
  • reúnem um imenso patrimônio de biodiversidade.

Saiba quais resíduos formam a poluição marinha

poluição marinha

De acordo com este vídeo do Ministério do Meio Ambiente (MMA), o lixo marinho é todo resíduo sólido processado, utilizado e descartado pelo homem no mar. Na parte emersa, 90% dos resíduos são os plásticos. Já para o fundo do mar vão os resíduos compostos principalmente por metais, vidros e materiais mais densos.

Estima-se que 80% do lixo marinho seja de origem terrestre, vindo de indústrias, comércios, residências e hospitais, entre outros estabelecimentos. O restante pode ser formado no próprio ambiente marinho, originário de embarcações, plataformas de extração de óleo e gás, entre outros.

O que agrava a poluição marinha é o excesso de resíduos gerados em função do elevado consumo nos centros urbanos. Em todo o mundo, 1 milhão de garrafas de plástico são compradas a cada minuto. Todos os anos são usadas até 500 bilhões de sacolas plásticas descartáveis.

incineração de resíduos

Conheça os problemas decorrentes da poluição marinha

poluição marinha

Quando não há um gerenciamento correto dos resíduos eles podem chegar até o mar, causando graves consequências. Entre os problemas estão:

  • desequilíbrio no ecossistema;
  • morte de animais por envenenamento;
  • morte de animais por asfixia ou ingestão de material sólido;
  • contaminação de animais que serão consumidos pelo homem;
  • inutilização das águas para banho;
  • degradação de corais e mangues;
  • alteração de habitats naturais;
  • surgimento de espécies marinhas exóticas.

poluição marinha

Veja soluções para conter a poluição marinha

poluição marinha

Um ponto crucial para conter a poluição marinha é evitar que os resíduos gerados sejam despejados no ambiente sem tratamento e acabem alcançando o mar. A Política Nacional de Resíduos Sólidos determina que os grandes geradores de resíduos, como as indústrias, gerenciem corretamente suas sobras. Uma das diretrizes é a adoção de soluções como a logística reversa, o que evita que as sobras cheguem aos mares.

No processo de logística reversa, os materiais, pós-venda ou pós-consumo, voltam para o ciclo de negócios ou ciclo produtivo. Isso acontece quando a mercadoria, pós-uso, vem do consumidor de volta ao fabricante. Com a instalação de pontos de coleta, os consumidores depositam os resíduos, depois de utilizarem os produtos.

Uma dos grandes benefícios da logística reversa é que os materiais coletados podem passar por processos de reciclagem. É um método que diminui custos com a compra de nova matéria-prima. Além disso, reduz o acúmulo de resíduos, que são reinseridos no ciclo produtivo, e a degradação do ambiente marinho que fica imune aos dejetos.

Em junho deste ano, o Ministério do Meio Ambiente lançou uma portaria criando uma comissão de elaboração do 1º Plano de Ação para Combate ao Lixo no Mar. Por meio da Portaria Nº 188, de 4 e junho de 2018,  o Plano será desenvolvido por gestores do MMA e da ONU Meio Ambiente. Participarão, também, representantes de outros órgãos federais, Ministério Público, universidades, organizações não governamentais e associações da sociedade civil.

Ao comentar sobre o Plano, o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, ressaltou a importância do reaproveitamento dos resíduos: “É preciso incentivar a reciclagem e o reuso como forma de minimizar o volume de lixo descartado erradamente, boa parte composta por embalagens não recicláveis que acabam indo parar nos nossos rios e mares”.

poluição marinha

Mercado de Resíduos orienta geradores e tratadores

poluição marinha

Como se vê, a poluição dos mares não é problema de fácil solução, por isso a ajuda de uma consultoria pode ser eficaz tanto para geradores quanto tratadores de resíduos. Os profissionais do Grupo Verde Ghaia podem auxiliar como fazer o gerenciamento correto das sobras, adotando a logística reversa ou a reciclagem. Para as tratadoras, a consultoria pode orientar sobre os tratamentos capazes de evitar a poluição marinha.

Além disso, com a plataforma Mercado de Resíduos, tanto geradoras quanto tratadoras podem ficar imunes aos impactos ambientais causados aos mares. Trata-se de um software onde se pode comercializar todo tipo de resíduo. As geradoras podem disponibilizar os resíduos que produzem e as tratadoras comprar as sobras ou oferecerem tecnologias para recuperá-las. De forma totalmente automatizada, a plataforma seleciona as melhores ofertas, colocando gerador e tratador em contato.

Diminuir a poluição marinha é um dos grandes impasses ambientais de hoje. Porém, há soluções capazes de amenizar esse problema, principalmente quando os geradores manejam corretamente os resíduos. Isso evita que os dejetos cheguem ao mar e impactem negativamente o mais importante ecossistema do planeta

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Quais os riscos dos resíduos sem tratamento para o meio ambiente?

poluição marinha

 

Aterro sanitário: o tratamento do chorume deve ser uma prioridade?

Considerado ultrapassado para alguns e uma solução para outros, o aterros sanitário têm sido a maneira mais utilizada para a destinação de resíduos sólidos urbanos em boa parte dos países.

Os aterros sanitários estão em uma escala intermediária de eficiência material, ou seja, são mais eficientes que os antigos lixões, porém muito menos eficientes que a reciclagem completa dos materiais.

Em matéria econômica, estes espaços têm se mostrado a maneira com melhor custo x benefício para a destinação dos resíduos sólidos urbanos. Enviar todos os resíduos para um lixão é muito mais barato, porém as consequências ambientais são gravíssimas para a comunidade e para o meio ambiente.

Contudo, enviar tudo para a reciclagem envolve custos que, muitas vezes, são maiores que o valor final do produto já reciclado. Por isso, com a tecnologia disponível até o momento, o aterro é a opção que melhor concilia custos e redução de impacto ambiental causado pela destinação de resíduos sólidos urbanos.

Leia mais: cinco ações que afastam o passivo ambiental da sua empresa

1 – O processo de destinação de resíduos sólidos

aterros sanitário

Quase todas as grandes cidades possuem um ou mais aterros sanitários. Existe uma lei que obriga a todos os municípios do país a adotarem a destinação em aterros e substituir de vez os antigos lixões, contudo, em muitas cidades os aterros ainda não são realidade, sendo que a maior parte dos gestores alega não ter condições financeiras para realizar a mudança da destinação dos resíduos.

Nas cidades que contam com aterros, os resíduos são coletados pelo serviço municipal de limpeza urbana e posteriormente, levados aos aterros. Alguns destes estabelecimentos promovem uma triagem inicial para retirar possíveis sólidos valiosos à reciclagem e o restante vai para as valas de depósito, onde são enterrados em bolsões específicos, os quais servirão para a decomposição do lixo por milhares de anos.

2 – Como funciona um aterro sanitário?

aterros sanitário

O aterro sanitário é composto basicamente por um bolsão plástico escavado no terreno. Nele o lixo é depositado e coberto com terra. Durante sua decomposição, o lixo libera dois tipos de compostos, os gases de decomposição (especialmente o metano) e o chorume, que é um líquido de coloração escura e cheiro forte, justamente por conter alta carga orgânica.

Os gases de aterro sanitário podem ser canalizados e queimados no próprio estabelecimento, gerando energia em motores à combustão. Esta prática torna muitos aterros não só autossuficientes energeticamente, mas também fornecedores de energia elétrica para a rede.

Já o chorume, acaba sendo um grande problema, pois ainda não há um processo que o transforme em um bem econômico viável e seu descarte é geralmente problemático, uma vez que o material contém alta carga orgânica e não pode ser despejado no solo.

Em geral, os aterros possuem canaletas de captação do chorume, este deverá ser transportado para um local onde possa ser tratado para ter a carga orgânica reduzida. Só a partir desta etapa, ele pode ser despejado na natureza.

Leia mais: a logística reversa é exigida para se obter a licença ambiental?

3 – Quais riscos o chorume de aterro oferece?

O chorume é um líquido tóxico, afinal de contas, ele é um resíduo produzido a partir da decomposição do lixo. Caso seja despejado diretamente no solo, o chorume irá escorrer até o lençol freático e contaminar a água que será posteriormente extraída para uso humano.

Caso o chorume fique à céu aberto, ele gerará mau cheiro e liberará gases que, além de provocarem o efeito estufa, acabam atraindo aves carniceiras, moscas e outras espécies que transmitem doenças.

O tratamento inadequado do chorume pode trazer consequências para toda uma comunidade que se encontra ao redor do mesmo ecossistema, partilhando dos mesmos recursos naturais, especialmente da água. Por isso, seu tratamento deve ser prioritário nos aterros.

4 – O chorume deve ser prioridade no aterro sanitário?

aterros sanitário

A norma ABNT NBR 8419/1992 serviu de base técnica para a lei de regulamentação de aterros sanitários. Ela estabelece que todo projeto de aterro, deverá conter um sistema para captação, drenagem e disposição de líquidos percolados (chorume).

O chorume deve ter tratamento prioritário no aterro, porque uma vez que este material entra em contato com o lençol freático, não há mais como reparar a contaminação e milhões de litros de água serão perdidos.

Nenhum aterro consegue licença para operar, caso esteja com problemas no projeto de drenagem e captação de chorume.

Saiba mais: como empreender ao transformar lixo ou resíduo em energia?

5 – Por que muitos aterros recorrem à terceirização do tratamento?

O tratamento do chorume não é muito complexo do ponto de vista técnico, mas acaba sendo custoso para a empresa que opera o aterro. Por isso, muitas delas terceirizam esta operação para uma companhia especializada neste tipo de tratamento.

O material deverá ser transportado em caminhões específicos para este tipo de operação e caso a emissão seja muito grande, pode até ser que a empresa tratadora monte uma operação nas dependências da geradora, para reduzir os gastos com transporte.

Para encontrar empresas que tratam chorume e outros materiais orgânicos, o ideal é utilizar uma plataforma específica para isso, como por exemplo, o Mercado de Resíduos, que localiza os tratadores mais próximos ao gerador e com os menores custos possíveis.

Confira: 5 dicas para sua empresa gerar renda com a reciclagem de papelão

6 – Como ocorre o tratamento biológico do chorume?

aterros sanitário

O tratamento biológico é o mais utilizado para reduzir a carga orgânica do chorume. Basicamente, o material é confinado em meio aeróbio ou anaeróbio e exposto à decomposição por meio de bactérias que fazem este processo naturalmente.

É exatamente o mesmo processo que ocorreria na natureza, porém ele é industrialmente acelerado, tornando o material normalizado e apto ao descarte em rios e lagos ou à disposição no solo.

Quando decomposto em biodigestores, o chorume, já com a carga orgânica reduzida, pode ser utilizado como fertilizante natural para lavouras, pois é rico em nutrientes.

Os aterros sanitários devem tratar prioritariamente o chorume, uma vez que o risco que estes materiais oferecem ao meio ambiente e a saúde humana é maior que os oferecidos pelos resíduos sólidos.

Ademais, após o processo de tratamento, pode ser que o chorume tenha utilidade para atividades como agricultura e jardinagem, o que na prática, acaba agregando valor a um material inicialmente tóxico.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Como a Gestão de Resíduos Auxilia Sua Empresa a Afastar Passivos Ambientais?

Impactos causados pelo lançamento de resíduos no oceano

lançamento de resíduos no oceano

O lançamento de resíduos no oceano traz uma reflexão importante: quais consequências e impactos ambientais podem surgir com comportamento?

A área coberta por mares e oceanos é consideravelmente superior a extensão de terra, chegando a ocupar mais de 71% da superfície do planeta. Nesse sentindo, compreende-se a relevância da preservação das águas marítimas, não apenas pela vida que se concentra nos mares, mas por todo o ser vivo que possui alguma ligação com a água salgada.

Nesse artigo vamos apontar os principais impactos causados pelo lançamento de resíduos no oceano, a origem deles e como minimizar esse problema. Confira!

Leia também: Como implementar a produção mais limpa na minha empresa?

Alguns dados sobre o lançamento de resíduos no oceano

No entanto, o que temos visto é o contrário disso. Segundo cientistas, cerca de oito milhões de toneladas de lixo plástico são lançadas nos oceanos anualmente.

Para compreender melhor esse dado, o valor expresso acima é comparado a uma quantidade capaz de cobrir 34 vezes a área da ilha de Manhattan, em Nova York. A camada lixo teria a altura dos joelhos de uma pessoa.

No Brasil os números também são assustadores: em média seis tartarugas marinhas são encontras mortas na praia do Cassino, localizada no Rio Grande do Sul (RS).

Os resíduos descartados no oceano possuem origens distintas, como plásticos, papeis, restos de alimentos, pneus, vidro, entre outros materiais, no entanto a fonte mais expressiva de lixo depositado são os plásticos. Estima-se que cerca de 85% de todo lixo encontrado nos mares e oceanos é composto por plásticos.

Com tanto dejeto sendo lançado nas águas marítimas, precisamos refletir: quais consequências podem ser geradas a partir desse comportamento para o planeta?

Mas o que é poluição marinha?

lançamento de resíduos no oceano

Antes de tudo precisamos ficar familiarizados com os termos a serem usados nesse texto. A poluição marinha possui como característica a presença tanto de lixos sólidos, quanto de poluentes líquidos no mar e oceano. É importante frisar que essas ações são frutos da atividade humana.

Embora haja duas formas de poluição, nesse texto focaremos na questão dos resíduos sólidos dispensados no mar.

Saiba mais: 6 dicas para o tratador de resíduos mostrar seus diferenciais no mercado

Quais são os impactos causados?

A poluição marinha pode levar uma série de resultados negativos, vejamos alguns deles:

lançamento de resíduos no oceano

Morte dos animais marinhos

Citamos acima números preocupantes de mortes de tartarugas devido aos resíduos no oceano. Sabemos que toda vida marinha pode sofrer impacto, como os peixes, plânctons, mamíferos entre outros. Em muitas ocasiões isso ocorre porque o animal confunde o plástico com água viva ou outro tipo de alimento e acaba ingerindo resíduo durante o processo de alimentação. Há ainda outros resíduos que acabam sufocando, aprisionando ou machucando os animais aquáticos.

Problemas gerados para o meio ambiente

Não apenas a vida animal, mas as plantas também podem sofrer danos devido ao lançamento de lixo no oceano. Isso é um grave problema, uma vez que os plânctons e as algas são os responsáveis pela grande produção de oxigênio na terra e também de alimento para outros animais.

Desequilíbrios nos ecossistemas marinhos

Sabemos que quando há crescimento desacelerado de um animal ou a morte desproporcional de outro gera-se um desequilíbrio na cadeia. Portanto, os resíduos jogados no oceano afetam diretamente a cadeia.

Contaminação de peixes e outros animais marinhos

Contaminação de peixes e outros animais marinhos que serão consumidos é uma grande preocupação. Mesmo infectado, os animais podem passar despercebidos durante a pesca, gerando problemas intestinais ou danos mais sérios a saúde humana.

 Águas das praias tornam-se impróprias para o banho

Quem já não viu no jornal ou visitou pessoalmente uma praia que deixou de receber banhistas pela poluição desordenada do mar? Esse é um problema tanto para turistas e visitantes quanto para a comunidade local que usufruía da praia para comercio local e atividades pesqueiras.

Redução das atividades de pesca

Como os peixes e outros animais marinhos foram infectados pelos resíduos, a pesca sofrerá danos diretos, resultando em perdas econômicas para o comercio e a população local.

Multas para empresas causadoras do rejeito de resíduos no mar

Além dos danos à vida marinha e também de pássaros que se alimentam dos peixes do mar, as empresas responsáveis por essas agressões, sofrem multas de valores exorbitantes. Não estamos restringindo a poluição marinha apenas ao fruto das atividades das organizações, mas no que tange as empresas, elas são multadas pelo despejo inadequado de resíduos no oceano.

Uma consequência preocupante que o lançamento de resíduos no oceano gerou é a “Ilha do lixo”, descoberta há poucos anos no oceano pacífico.

Você conhece a Ilha do Lixo?

lançamento de resíduos no oceano

Um dos resultados reais que apontam a agravante questão da poluição marinha no mundo é a Ilha do Lixo. Localizada a meio caminho entre as costas da Califórnia e o Havaí, a porção de lixo do oceano pacífico se estende por cerca de 1.000 Km e é formada por aproximadamente 4 milhões de toneladas de todo tipo de objeto plástico.

Para visualizar melhor a profundidade do problema, basta entender que a ilha do lixo é maior que o estado de São Paulo. É um aglomerado de detritos com o tamanho aproximado do Texas, Estados Unidos.

A Ilha é inabitada, portanto os resíduos que se concentram na região chegam pelas ondas marítimas. Geralmente são lixos despejados nas praias ou descartados nos barcos. Devido à alta concentração de lixo, muitos animais da ilha têm sofrido resultados da poluição com mutações no próprio corpo.

Confira: O que sua empresa precisa saber sobre produção ecoeficiente?

Quais são as principais causas da poluição marinha?

lançamento de resíduos no oceano

Para entender melhor essa questão, é preciso saber que existem quatro grandes causadores da poluição no mar. São eles:

  • depósito inadequado de resíduos urbanos;
  • atividade desregrada de turistas no veraneio;
  • descarte deliberado de resíduos pelo mercado industrial;
  • Descarte de resíduos por países que burlam das regras de controle de resíduos;
  • lançamento de resíduos pela navegação comercial e turística.

Problemas causados pelos resíduos urbanos

Primeiramente iremos citar a questão dos resíduos urbanos. Um dos problemas é que rios, lagos e lagoas carregam milhões de toneladas de efluentes domésticos e industriais, e de resíduos sólidos para os mares e oceanos. Quando este material poluente chega às áreas estuarinas — transição entre um rio e o mar — da costa, acaba se juntando com os resíduos descartados pelos moradores das cidades litorâneas. Isso acaba criando um sério agravante para o oceano.

Outro problema preocupante dentre os quatro causadores trata-se das ações ilegais e incorretas das empresas no descarte de resíduos.  As industrias são as principais produtoras de tudo que é consumido no mercado, e além dos resíduos que geram-se após o uso do produto, durante as atividades da empresa, produz muitos resíduos. Muitas organizações realizam a disposição incorreta dos resíduos, apropriando-se de lugares inadequados como o oceano.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Saiba como a VG Resíduos pode ajudar na gestão de resíduos da sua empresa

Como resolver o problema?

lançamento de resíduos no oceano

A conscientização é, sem sombra de dúvidas, o caminho a ser trilhado para tentar minimizar o problema. Desde um turista que vai à praia e não joga lixo na areia, até uma grande indústria que procura formas adequadas de gerenciamento de resíduos. Essas são ações que demonstram a conscientização de pessoas e empresas na conservação ambiental.

Hoje em dia existem algumas plataformas que tentam resolver o problema dos resíduos gerados pelas empresas. Podemos citar a VG Resíduos, que, por meio de um software online conecta empresas geradoras a empresas compradoras de resíduos. Tornando o problema uma fonte de lucros. A VG Resíduos também mune a empresa com todas as leis ambientais concernentes a sua área de atuação evitando multas e tarifas altíssimas.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Porque aplicar a política dos 5R´s para reduzir a geração de resíduos?

 

Algumas matérias que podem te interessar

© VG Residuos Ltda, 2019