Principais dúvidas e respostas sobre destinação de resíduos sólidos

Curtiu este post?

Avaliação: 0.0/5

09/11/2020

Principais dúvidas e respostas sobre destinação de resíduos sólidos

A destinação ambientalmente correta dos resíduos sólidos é de extrema importância para as empresas tanto devido às obrigações legais e exigências normativas, quanto para o mercado que exige um comprometimento mais sustentável das organizações. Mas como realizar a destinação certa? O que as empresas precisam fazer? Todos os negócios são obrigados a destinar os resíduos gerados segundo a lei? Dúvidas como essas serão esclarecidas logo abaixo em um artigo criado especialmente sobre a destinação de resíduos sólidos. Confira!

A destinação de resíduos diz respeito à reutilização, a reciclagem, a compostagem, a recuperação e o aproveitamento energético.

A gestão de resíduos possui diversas etapas estabelecidas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, entre elas a redução da geração de resíduos, visando a não geração. Contudo, quando isso não é possível essa redução ou não geração, é necessário realizar as demais etapas: o acondicionamento, à destinação e à disposição final de resíduos.

Veja abaixo o que abordaremos neste artigo:

  • legislação sobre a destinação adequada dos resíduos sólidos
  • outras leis que se referem à destinação dos resíduos sólidos
  • importância das leis referentes aos resíduos sólidos
  • como se adequar as leis e outras normas vigentes para destinação ambientalmente correta dos resíduos?
  • formas de destinação final de resíduos sólidos mais utilizados
  • benefícios da destinação final correta
  • dificuldade na destinação correta dos resíduos
  • tendência mundial para as questões ligadas aos resíduos sólidos
  • situação do Brasil sobre destinação de resíduos
  • o que minha empresa precisa fazer em relação à destinação de resíduos sólidos
  • custo para implantar um PGRS
  • custo para implantar a ISO 14001
  • o que mais se pode fazer para ajudar na melhoria da destinação dos resíduos sólidos
  • como a VG Resíduos pode ajudar na destinação de resíduos

1 – O que diz a legislação sobre a destinação adequada dos resíduos sólidos?

A Lei 12.305/2010, Política Nacional de Resíduos Sólidos, em seu artigo 3° fala sobre a destinação final ambientalmente correta. A definição é a descrita abaixo:

“a destinação de resíduos que inclui a reutilização, a reciclagem, a compostagem, a recuperação e o aproveitamento energético ou outras destinações admitidas pelos órgãos competentes do Sisnama, do SNVS e do Suasa, entre elas a disposição final, observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos ambientais adversos.”

O artigo 9º da Lei da PNRS define prioridades na gestão dos resíduos sólidos, vejamos:

“na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: Não geração; Redução; Reutilização; Reciclagem; Tratamento dos resíduos sólidos; Disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos.”

“Parágrafo 1º - Poderão ser utilizadas tecnologias visando à recuperação energética dos resíduos sólidos urbanos, desde que tenha sido comprovada sua viabilidade técnica e ambiental e com a implantação de programa de monitoramento de emissão de gases tóxicos aprovado pelo órgão ambiental.”

“Parágrafo 2º - A Política Nacional de Resíduos Sólidos e as Políticas de Resíduos Sólidos dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios serão compatíveis com o disposto no caput e no parágrafo 1º deste artigo e com as demais diretrizes.”

2 – Há outras leis que se referem à destinação dos resíduos sólidos?

O Decreto nº 7.404 de 23 de Dezembro de 2010, regulamenta a Lei nº 12.305/ 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística Reversa, e dá outras providências.

O artigo que diz sobre a destinação final é o artigo 13 descrito abaixo:

A logística reversa é o instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado pelo conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.”

3 – Qual a importância das leis referentes aos resíduos sólidos?

leis referentes aos resíduos sólidos

Além de serem referência sobre resíduos sólidos pelas empresas é, também, para órgãos reguladores, prefeituras, dentre outras.

É de acordo com estas leis que os órgãos reguladores atuam na fiscalização da coleta, transporte, armazenamento, descarte e destinação final dos resíduos sólidos.

4 – Como se adequar às leis e outras normas vigentes para destinação ambientalmente correta dos resíduos?

Uma grande vantagem para uma empresa para estar em dia com as obrigações legais, é implantar a ISO 14001, que trata do Sistema de Gestão Ambiental.

Com esta norma implantada, a instituição estabelecerá diretrizes que estarão adaptadas à gestão da sua empresa e também em cumprimento com as leis e normas ambientais, principalmente no que diz respeito à destinação dos resíduos sólidos.

A consultoria da VG Resíduos oferece todo o apoio técnico para a implementação desta norma ambiental e ainda promove o auxílio técnico na gestão dos resíduos sólidos da sua empresa. A VG Resíduos também te ajuda a comprar e vender resíduos a partir do Mercado de Resíduos, software que cria o encontro entre empresas geradoras e tratadoras de resíduos.

Gestão ambiental

5 – Quais são as formas de destinação final de resíduos sólidos mais utilizados?

As formas mais conhecidas de destinação de resíduos sólidos são:

Compostagem

É um tipo de destinação, que ocorre por meio de um processo controlado de decomposição microbiana que transforma matéria orgânica em adubo ou ainda ração animal, reduzindo o envio de resíduos para aterros.

Muito utilizado quando os resíduos são compostos por grande quantidade de matéria orgânica, como por exemplo, restos de alimentos.

Co-processamento em fornos de cimento

É um tipo de destinação por meio da queima de resíduos em fornos de cimento com temperaturas acima de 1.200 °C, para reaproveitamento de energia, em que o material é utilizado como substituto ao combustível. Ou ainda para reaproveitamento como substituto da matéria-prima, em que os resíduos a serem eliminados apresentem características similares às dos componentes normalmente empregados na produção de clínquer.

Esta alta temperatura permite a destruição de quase toda a carga orgânica.

Este método não é permitido para queima de organoclorados, resíduos urbanos, radioativos e hospitalares.

Reciclagem

Uma das formas de destinar corretamente os resíduos é pela reciclagem, que é o processo de transformação dos resíduos sólidos, que envolve a alteração de suas propriedades físicas, físico-químicas ou biológicas, com vistas à transformação em insumos ou novos produtos.

Incineração

É conhecida como uma forma de destinação adequada, sendo basicamente uma decomposição térmica dos resíduos, com o objetivo de reduzir o volume e a sua toxicidade.

Por meio da incineração, é possível obter a redução de resíduos em até 5% do volume e 15% do peso original e ainda é possível recuperar a energia contida nos resíduos.

Por outro lado, o investimento é elevado, já que possui um alto custo de operação e manutenção, além de mão de obra especializada.

Agora veja algumas formas de disposição final:

Aterro comum ou lixão

É uma forma de disposição final inadequada dos resíduos sólidos, visto que se caracteriza pela disposição de resíduos sobre o solo, sem medidas de proteção ao meio ambiente ou à saúde pública.

Apesar de ainda existirem muitos lixões em todo país, esta forma de dispor não é recomendada.

Aterro controlado

É o aterro comum, porém com pequenas adaptações. O solo não é protegido contra a decomposição dos resíduos e não há controle dos gases, faz-se apenas um recobrimento dos resíduos com material inerte diariamente. Esta forma de disposição final também é considerada inadequada.

Aterro Sanitário

É a principal forma de disposição final adequada existente hoje, visto que é uma técnica que não causa danos ou riscos à saúde pública e à segurança.

É uma solução economicamente viável e que causa menos impactos ao meio ambiente, porém possui vida útil de curta duração, exige grandes extensões de terra e controle e manutenção constantes.

Os aterros sanitários recebem resíduos de classe II A e II B, não inertes e inertes, respectivamente. Os resíduos perigosos, classe I, são encaminhados para aterros industriais, que possuem formas de disposição final mais específicas devido as características dessa classe de resíduos.

Novas diretrizes para emisssão do MTR online baseado na portaria 280 do MMA / Sinir

6 – Quais são os benefícios da destinação final correta?

Os benefícios da destinação final são:

  • redução da poluição ambiental: dispondo corretamente os resíduos, evita-se danos à natureza, como a contaminação do solo, poluição dos lagos e rios;

  • diminuição dos gastos com a limpeza urbana: mantendo a cidade limpa e separando e dispondo corretamente, exigindo menos investimento com a limpeza, sobrando mais recursos para investimentos em outros setores do município;

  • aumento da vida útil do aterro: com a destinação correta dos resíduos recicláveis, o aterro receberá menos lixo, ampliando assim sua vida útil;

  • minimização dos riscos de endemias: a disposição correta minimiza as chances de proliferação de vetores e doenças;

  • melhoria da autoestima dos habitantes: o ato de descartar corretamente os resíduos é um ato de cidadania;

  • melhoria da qualidade de vida: todos os itens citados acima contribui para a melhora na qualidade de vida no município.

7 – Qual a maior dificuldade na destinação correta dos resíduos?

A maior dificuldade está na cidadania, conscientização e educação dos habitantes e política das empresas privadas.

Há também a dificuldade na questão política, tendo em vista que algumas prefeituras não têm muita verba para investir e até mesmo implantar um aterro sanitário.

8 – Qual é a tendência mundial para as questões ligadas aos resíduos sólidos?

A tendência mundial são práticas como logística reversa, reciclagem e reutilização dos resíduos recicláveis.

Desse modo há uma redução significativa no número de resíduos. Contribui também para a diversificação da economia, atingindo principalmente pequenos empreendedores de reciclagem e coleta de resíduos.

9 – Qual é a situação do Brasil sobre destinação de resíduos?

Com a Lei 12.305/2010 é obrigatório que sejam realizadas destinações finais corretas dos resíduos.

Os municípios que ainda tem lixão ou aterro controlado estão em descumprindo a lei da PNRS e é considerado crime ambiental.

Após a publicação deste Lei, que foi em 2014, o prazo para dispor corretamente os rejeitos eram de quatro anos. Portanto os lixões deveriam ser extintos em 2014.

Infelizmente, não foi o que aconteceu, e ainda existem aproximadamente 60% dos municípios que dispõem incorretamente. Com isso o prazo para o fim dos lixões foi alterado para agosto de 2021.

10 – O que minha empresa precisa fazer em relação à destinação de resíduos sólidos?

Promover a destinação correta dos resíduos gerados é um modo tanto da empresa cumpri uma exigência legal, quanto reduzir gastos com resíduos.

O que o empresário precisa fazer é implantar o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) e certificar na ISO 14001.

A Consultoria Online Verde Ghaia auxilia seu negócio desde a implementação até certificação da ISO 14001, norma focada no sistema de gestão ambiental, enquanto a VG Resíduos é uma empresa focada no gerenciamento de resíduos sólidos.

11 – Qual é o custo para implantar um PGRS?

O investimento necessário para a elaboração do Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos varia em função do ramo de atividade, do tamanho, do local e das condições gerais apresentadas pela empresa.

Portanto entre em contato com a VG Resíduos para verificar uma média de valores que sua empresa deverá dispor para se manter ambientalmente correta.

12 – Qual o custo para implantar a ISO 14001?

O valor da implantação depende do método de implementação escolhido pelo empreendedor e também do porte da empresa. Entre em contato com a VG Resíduos para ter mais informações.

13 – O que mais se pode fazer para ajudar na melhoria da destinação dos resíduos sólidos?

Cada empresa deverá segregar seus resíduos, conforme as características físicas, químicas, biológicas e radiológicas, bem como de acordo com seu estado físico e forma química.

Cumprir com toda a Lei de PNRS, nas questões de não geração, redução, reutilização, reutilização, reciclagem, tratamento e disposição final dos resíduos.

14 – Como a VG Resíduos pode ajudar na destinação de resíduos?

A VG Resíduos possui uma equipe capacitada para auxiliar na melhor forma de destinação dos seus resíduos e ainda na elaboração do PGRS, minimizando passivos sociais e ambientais.

Através do Software Online de Gerenciamento de Resíduos é possível definir e qualificar o fornecedor para tratamento e transporte, controlar estoques em armazéns, emitir relatórios referente à destinação/disposição final, controlar documentação e monitorar as licenças dos fornecedores.

Além desses benefícios, o software oferece outras funcionalidades como a comunicação direta e alertas de prazos e vencimentos.

Portanto, a destinação de resíduos consiste na sua reutilização, reciclagem, compostagem, recuperação e aproveitamento energético.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Gerenciamento de resíduos

Compartilhe!


Curtiu este post?

Avaliação: 0.0/5