Quatro dicas eficientes para localizar geradores de resíduos químicos

11/06/2018

Como localizar geradores de resíduos químicos? Os resíduos químicos podem ser uma dor de cabeça para uma empresa que gera esses materiais e não sabe como gerenciá-los. No entanto, é possível solucionar esse impasse, realizando parcerias com organizações tratadoras e transferindo a elas as atribuições do transporte e da destinação correta dos resíduos químicos.

A vantagem das empresas especializadas em resíduos químicos é que elas possuem uma estrutura adequada para transportar e fazer o manejo correto desses materiais considerados perigosos. Isso permite que as geradoras tirem o foco dos resíduos e concentrem em seu negócio principal, aumentando assim sua produtividade e lucratividade.

Mas como buscar esses materiais, quais normais ambientais devem ser seguidas e os diferenciais que as empresas transportadoras e tratadoras podem oferecer? Acompanhe!

Leia também: Como demonstrar seus diferenciais como tratador de resíduos perigosos?

Dica 1: Conheça as geradoras de resíduos químicos

A gestão dos resíduos sólidos é um compromisso que não pode ser ignorado pelas empresas. Uma organização sustentável é aquela que está atenta aos resíduos que são gerados em seus processos de fabricação. Não basta mais amontoar as sobras em uma área da empresa. Desde a criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), toda empresa é obrigada a fazer a gestão correta dos materiais provenientes das atividades corporativas ou entregar o gerenciamento a uma empresa especializada.

A desatenção às normas da política de resíduos traz riscos ao meio ambiente e a saúde humana, podendo resultar em multas, punições severas e até mesmo paralisação das atividades empresariais. Existe, ainda, a possibilidade de denúncias e boicote por parte de comunidades do entorno, especialmente quando se trata dos resíduos químicos, que são altamente poluentes.

A geração desses resíduos com potencial poluidor pode se tornar um transtorno para as empresas, por isso vale apostar na contratação de uma empresa que tem know-how no manejo desse tipo de material.

E com quais geradoras de resíduos químicos as tratadoras podem trabalhar? As indústrias e o setor farmacêutico são os geradores desse tipo de material, que é dividido em nove classes:

  • explosivos;
  • gases;
  • líquidos inflamáveis;
  • sólidos inflamáveis;
  • substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos;
  • substâncias tóxicas e substâncias infectantes;
  • materiais radioativos;
  • substâncias corrosivas;
  • substâncias e artigos perigosos diversos.

Dica 2: Consulte o mercado de resíduos

Para chegar de forma mais eficiente às geradoras de resíduos químicos uma alternativa é consultar o mercado de resíduos. Há plataformas digitais como a da VG Resíduos ou Mercados de Resíduos que aproximam geradoras e tratadoras.

De forma totalmente eletrônica, a plataforma tem um cadastro de geradores de resíduos, com o tipo de material e a quantidade produzida. As empresas tratadoras podem consultar esse banco de dados, ofertando às geradoras seus serviços de gestão ou mesmo a compra dos resíduos. Na sequência, a plataforma seleciona a melhor oferta. A partir daí, gerador e a empresa tratadora passam a manter contato pela plataforma e iniciam a parceria.

A eficiência desse serviço do grupo Verde Ghaia está na praticidade e comodidade. A plataforma integra milhares de empresas brasileiras interessadas em soluções para os resíduos e estrutura uma rede de contatos para que essas organizações se tornem parceiras.

O sistema é totalmente digitalizado e compradores, vendedores, transportadores e tratadores podem acessar a plataforma a qualquer momento, 24 horas por dia, de qualquer lugar do mundo.

Conheça: 6 dicas para o tratador de resíduos mostrar seus diferenciais no mercado

Dica 3: Transporte cuidadosamente os resíduos químicos

Firmada a parceria, é essencial o cuidado com o transporte dos resíduos químicos. A empresa deve ter um cuidado extremo ao buscar os materiais porque eles têm características de alta periculosidade, como:

  • Inflamabilidade: são resíduos que podem entrar em combustão facilmente ou de maneira espontânea;
  • Toxicidade: são materiais que agem sobre organismos vivos, provocando danos a suas estruturas biomoleculares, podem incluir aspectos carcinogênicos, teratogênicos, mutagênicos, entre outros;
  • Corrosividade: são resíduos que devido a sua característica ácida atacam materiais e organismos vivos.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) é o órgão responsável pela regulamentação de normas para o transporte de materiais perigosos no Brasil. A Resolução ANTT nº 5232/2016 é que indica quais os cuidados devem ser seguidos pela transportadora que assume os resíduos químicos.

Um aspecto que merece atenção é que empresa geradora também é corresponsável pelo transporte dos resíduos perigosos. Sendo assim, pode ser punida juntamente à transportadora se foram desrespeitadas as normas da ANTT.

O primeiro requisito para estar em dia com as normas de transporte é obter uma licença ambiental. Essa autorização vale tanto para o transporte quanto para o tratamento. Para obter tal documentação uma consultoria é uma medida que acelera o processo e evita equívocos.

Saiba: Como demonstrar que sua empresa trata corretamente resíduos hospitalares?

Dica 4: Recicle os resíduos químicos

De acordo com a política de gestão de resíduos sólidos, deve haver um esforço para que as sobras sejam reduzidas, visto que há um excesso de materiais gerados, fruto do aumento do consumo e do uso predatório dos recursos naturais nos processos de fabricação de produtos. Na impossibilidade de diminuir os resíduos, eles devem ser reciclados ou reutilizados.

Para as empresas tratadoras de resíduos químicos é importante investir na reciclagem, pois isso demonstra que a organização é ecoficiente. Além disso, transformar os resíduos químicos poupa o meio ambiente e pode gerar lucros.

A reciclagem por meio do coprocessamento é um exemplo. A empresa tratadora pode usar esse método para transformar o resíduo químico em um produto que gere renda com a produção de uma matéria prima secundária.

Outro exemplo da transformação dos resíduos químicos vem do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena), da Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba. O Cena tem conseguido reciclar resíduos químicos como chumbo, prata, mercúrio, zinco e de outros elementos tóxicos gerados em laboratório.

Como se vê, há várias soluções sustentáveis quando se opta por localizar geradores de resíduos químicos. Alternativas de reciclagem e de geração de lucro podem surgir a partir de parcerias com organizações especializadas, desde que essas sigam os requisitos para o transporte e manejo adequado dos resíduos químicos.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Como se destacar sendo um especialista no tratamento de resíduos

Compartilhe!