Quatro dicas para empreender com reciclagem de óleo de cozinha

Quatro dicas para empreender com reciclagem de óleo de cozinha
3 (60%) 2 votos

reciclagem de óleo de cozinha

Muitas empresas estão descobrindo como empreender com reciclagem de óleo de cozinha. Deixar o óleo de cozinha escorrer pelo ralo, jamais! Esse tipo de resíduo é reciclável, e as empresas tratadoras podem transformá-lo em sabão, tintas e até combustível.

A reciclagem de óleo de cozinha é uma prática fundamental dentro a política de gestão de resíduos adotada no Brasil. Desde a criação da Lei nº 12.305, também chamada Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). A Lei, que incentiva a reciclagem,  também incentiva o reaproveitamento dos resíduos descartados, reintroduzindo-os no ciclo produtivo.

Assim, vamos dar algumas dicas fundamentais para as tratadoras terem muitas vantagens e obter lucro. Acompanhe:

Leia mais: Quais prejuízos pode ter o tratador sem licença ambiental?

Dicas para empreender com reciclagem de óleo de cozinha

A reciclagem reúne um conjunto de técnicas, que variam de acordo com o tipo de resíduo a ser recuperado. Para as tratadoras, pode ser uma fonte de lucro, e uma sinalização de que a empresa é ecologicamente responsável.

Apostar em reciclagem reduz a geração de resíduos, poupa matérias-primas e economiza energia elétrica e água. Vejamos, então, algumas dicas fundamentais para sua empresa empreender com reciclagem de óleo de cozinha:

Dica 1: Reciclagem de óleo tem potencial de negócio

reciclagem de óleo de cozinha

O óleo é um dos itens mais consumidos na refeição do brasileiro.  Além de utilizado em frituras, compõe leguminosas, carnes e frutas e é ingrediente para fabricação de pães e massas.

Apesar de largamente consumido, a reciclagem de óleo de cozinha, uma solução sustentável, ainda é pouco frequente no Brasil. Esta matéria traz uma estimativa de que apenas 1% do óleo de cozinha é reciclado no país. Cada família brasileira descarta, em média, 1 litro de óleo mensalmente, no entanto, 99% o despejam na pia da cozinha.

Se essas estatísticas apontam uma negligência do cidadão com o descarte do óleo, sinalizam, também, uma oportunidade de negócio. Esse resíduo, ao invés de ser descartado erroneamente, entupindo tubulações ou contaminando rios, pode virar empreendimento para as empresas tratadoras.

No munícipio de Santa Rosa, RS, a Biotechnos é uma das empresas que apostou na reciclagem de óleo de cozinha e foi bem sucedida. Ela transforma o resíduo em biodiesel, usando uma tecnologia desenvolvida em parceria com a Leibniz University de Hannover, da Alemanha. Além disso, criou 28 usinas que processam o óleo em todo o Brasil.

Uma das grandes vantagens de utilizar o óleo de cozinha na fabricação de biodiesel é a economia. Este estudo aponta que, para a produção do biodiesel, gastam-se até 95% dos custos com a matéria-prima. Com a utilização de óleos residuais de cozinha como insumo, reduzem-se substancialmente os gastos, melhorando a viabilidade financeira do negócio.

Dica 2: Saiba as etapas de reciclagem do óleo de cozinha

reciclagem de óleo de cozinha

Restaurantes, bares, hotéis e hospitais são alguns dos estabelecimentos que podem fornecer óleos residuais de cozinha. Às empresas tratadoras cabe a responsabilidade de receber esses resíduos e transformá-los em novos produtos, sempre seguindo as leis ambientais.

Os procedimentos adotados por esta empresa, especializada no manejo de óleos de cozinha, ilustra algumas etapas de reciclagem desse resíduo:

  • Fase 1: o óleo coletado das geradoras segue para um depósito, onde é feito um processo de filtragem. Nessa etapa ocorre a retirada de resíduos sólidos como restos de alimentos, farinhas, entre outros;
  • Fase 2: após a filtragem, o óleo passa por um processo de decantação, para retirar a umidade;
  • Fase 3: o óleo tratado é bombeado para tanques de armazenamento, de onde será destinado para fabricação de produtos, como sabão e tinta;
  • Fase 4: toda a água retirada do óleo e do processo de limpeza dos recipientes (coletores), como também de limpeza dos caminhões transportadores, passa pelo tratamento de efluentes antes de retornar ao meio ambiente;
  • Fase 5: os resíduos sólidos retirados do óleo são separados e encaminhados para um processo de reciclagem, por meio da

Saiba mais: Como as empresas estão lucrando com a reutilização de sucata de cobre?

Dica 3: Entenda os prejuízos do descarte incorreto do óleo

reciclagem de óleo de cozinha

Quando não é tratado corretamente, o óleo de cozinha pode ser extremamente prejudicial ao meio ambiente. O resíduo tem um efeito semelhante ao do petróleo quando despejado nos ecossistemas aquáticos, conforme explicado aqui. O óleo de cozinha forma uma camada impermeabilizante na superfície da água, matando as algas que oxigenam o meio. Sendo assim, toda a fauna e flora ficam ameaçados.

Nos solos, o despejo incorreto do óleo também é muito prejudicial. Os óleos residuais de cozinha impermeabilizam a terra, evitando a renovação dos lençóis freáticos.

Quando despejado diretamente nas redes de esgoto, o óleo de cozinha se aloja nas paredes das tubulações entupindo-as. Em um efeito cascata, isso aumenta os custos com a manutenção das estações de tratamento.

Descartado no ambiente, o óleo acaba sendo decomposto por bactérias presentes no solo ou na água, em um processo muito lento. O resultado é a emissão do gás metano, um dos principais causadores do efeito estufa.

Confira: Como lucrar com a logística reversa de embalagens?

Dica 4: Tenha o suporte de uma consultoria

reciclagem de óleo de cozinha

Toda empresa que faz tratamento de resíduos como o óleo de cozinha precisa ter uma licença ambiental de operação. Esse documento garante que a empresa foi avaliada e considerada apta para atuar na gestão de resíduos.

Por isso, é importante o suporte de uma consultoria, capaz de dar às tratadoras as melhores orientações sobre a legislação ambiental. Isso habilita a empresa a atuar segundo os princípios da sustentabilidade, demonstrando que é ecologicamente responsável. O Grupo Verde Ghaia tem expertise no assunto, além de uma plataforma online, que coloca em contato geradores e tratadores.

Como demonstrado, a reciclagem de óleo é uma prática que evita a degradação da natureza e a geração de resíduos. É uma solução que reaproveita os resíduos descartados, reintroduzindo-os no ciclo produtivo. Além disso, para as tratadoras, pode ser um nicho de negócio. Passando por etapas de reciclagem, o óleo de cozinha pode gerar lucro, sendo transformado em biodiesel, sabão, tinta, entre outros produtos.

Por fim, a dedicação à reciclagem de óleo de cozinha demonstra que uma tratadora pode empreender, sendo ecologicamente engajada.  Investir em reciclagem de óleo residual de cozinha pode significar não só rendimentos, mas responsabilidade empresarial com o meio ambiente.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Crie Oportunidades com o Mercado de Resíduos e saia da crise

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© VG Residuos Ltda, 2019