Seis dicas para acondicionamento de resíduos hospitalares - VG Resíduos

Seis dicas para acondicionamento de resíduos hospitalares

Seis dicas para acondicionamento de resíduos hospitalares
Avalie este post

acondicionamento de resíduos hospitalares

O acondicionamento de resíduos hospitalares deve ser adequado e com manejo correto, a fim de afastar riscos à saúde humana e ao meio ambiente. Os materiais descartados por hospitais, clínicas, postos de saúde, laboratórios de análises clínicas, exigem atenção extrema. Engana-se quem pensa que a preocupação deve ser só a destinação e o tratamento, o cuidado começa com o acondicionamento desses resíduos.

Os resíduos hospitalares exigem manejo acurado porque podem ser perigosos. O risco pode ser proveniente, por exemplo, de material biológico contaminado, objetos perfuro-cortantes, peças anatômicas, substâncias tóxicas, inflamáveis e radioativas. Isso expõe os trabalhadores do setor de saúde, que lidam diretamente com o material. Podem, também, contaminar pacientes que fazem uso dos serviços de saúde e o meio ambiente, quando os materiais são descartados inadvertidamente.

A seguir, você confere dicas de como acertar no acondicionamento de resíduos hospitalares. Informa-se, também, das regras sobre a embalagem dos materiais e como evitar seus riscos. Acompanhe!

Como aplicar a logística reversa da garrafa PET e gerar renda?

Entenda os riscos do acondicionamento incorreto

Para fazer o acondicionamento adequado dos resíduos hospitalares é preciso, antes de mais nada, entender que eles podem oferecer riscos. O perigo é que esses materiais podem conter material biológico, objetos perfurantes, cortantes ou contaminados, produtos químicos perigosos, e também rejeitos radioativos.

Este estudo alerta que o gerenciamento inadequado dos resíduos hospitalares pode gerar epidemias e até endemias. Os problemas podem atingir grandes proporções, desde contaminações até elevados índices de infecção hospitalar. Uma das formas de contaminação seria a partir do descarte dos resíduos hospitalares nos lençóis freáticos.

Siga a legislação do setor de serviços de saúde

acondicionamento de resíduos hospitalares

Por serem potencialmente perigosos, os resíduos hospitalares não podem ser descartados em lixeiras comuns, sem o acondicionamento correto.  As geradoras de resíduos hospitalares precisam seguir a legislação do setor. As diretrizes se baseiam na RDC nº 306/04  da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), e na Resolução nº 358/05 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA).

As empresas que negligenciam a legislação da ANVISA podem sofrem punições. As penalidades estão previstas na lei nº 6.437/77, que trata das infrações à legislação sanitária federal e estabelece as sanções.

As penalidades podem ser autuações e multas até a interdição parcial, total ou permanente da organização. O cumprimento da legislação é feita pelos fiscais da agência reguladora, que visitam periodicamente as organizações enquadradas pela resolução.

Confira o passo a passo da reciclagem do alumínio e gere renda

Separe os resíduos hospitalares

acondicionamento de resíduos hospitalares

Antes do acondicionamento, os resíduos hospitalares devem ser separados. A seleção deve se dar de acordo com as características e a periculosidade dos resíduos. Segundo a resolução nº 358/05 do CONAMA, os resíduos hospitalares podem ser divididos nos seguintes grupos:

  • classe A – resíduos infectantes : vacinas vencidas, materiais com sangue, tecidos humanos e animais, órgãos humanos e animais, animais contaminados, fluidos orgânicos, secreções e matéria orgânica humana em geral;
  • classe B – resíduos químicos: medicamentos vencidos, produtos hormonais, antimicrobianos, reagentes para laboratório e outros;
  • classe C – resíduos radioativos:  todos os materiais radioativos ou contaminados com radionuclideos em quantidades superiores aos limites de eliminação e cuja reutilização seja imprópria;
  • Classe D – resíduos comuns: material de escritório, jardinagem, conservação. Resíduos que não apresentam riscos à saúde ou ao meio ambiente, semelhantes aos resíduos domiciliares, como restos de comida e papel de uso sanitário, fralda e absorventes higiênicos.
  • Classe E –  resíduos perfurocortantes: objetos e instrumentos com bordas, pontas ou protuberâncias, capazes de cortar ou perfurar, tais como agulhas, lâminas, bisturis, frascos e ampolas.

Cinco dicas para transformar lixo em fonte de renda para seu negócio

Proteja os trabalhadores do setor de saúde

acondicionamento de resíduos hospitalares

Os profissionais responsáveis pelo acondicionamento dos resíduos devem usar Equipamentos de Proteção Individual (EPI´s), para evitarem os riscos dos materiais contaminados.  Entre os indicados estão luvas, máscaras, gorros, óculos de proteção, aventais e botas. O uso previne ou minimiza a propagação de microrganismos causadores de infecções.

Além disso, os profissionais devem ser treinados para saber como e quando usar o EPI e quais são suas limitações. Também devem estar cientes de como limpá-los e armazená-los.

Embale corretamente os resíduos hospitalares

acondicionamento de resíduos hospitalares

Os resíduos hospitalares devem ser acondicionados em sacos resistentes à ruptura e vazamento e impermeáveis, segundo a NBR 9191/2000 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Deve ser respeitado o limite de peso de cada saco, além de ser proibido o seu esvaziamento ou reaproveitamento.

Para cada grupo de resíduos hospitalares há um tipo de embalagem indicada:

  • resíduos infectantes: acondicionados em lixeiras revestidas com sacos brancos;
  • resíduos químicos: acondicionados em galões coletores específicos;
  • resíduos radioativos: acondicionados em caixas blindadas;
  • resíduos comuns: acondicionados em lixeiras revestidas com sacos pretos e podem ser destinados à reciclagem;
  • resíduos perfuro-cortantes: acondicionados em recipientes rígidos, preenchidos somente até 2/3 de sua capacidade.

Para não se perder nas diretrizes de acondicionamento, a empresa geradora de resíduos hospitalares pode contar com um suporte externo. O grupo Verde Ghaia tem experiência em consultoria para gestão de resíduos. Pode oferecer treinamento para os funcionários do setor de saúde, orientar sobre a legislação e as práticas corretas de acondicionamento.

Conte com o Mercado de Resíduos

Outra maneira interessante de não errar no acondicionamento das sobras hospitalares é contar com o Mercado de Resíduos. Trata-se de um software de gestão de resíduos que já possui toda legislação acoplada ao seu funcionamento. Por meio dessa ferramenta é possível à geradora ser ambientalmente responsável no manejo dos resíduos hospitalares. É um suporte que permite à organização cumprir as leis concernentes ao setor de serviços de saúde, sem gerar danos ao meio ambiente e aos indivíduos.

Como se pode notar, os materiais hospitalares exigem manejo criterioso, não podendo ser descartados de qualquer maneira. O zelo com esse tipo de resíduo começa pelo seu acondicionamento correto.  Seguindo a legislação ambiental, separando e embalando adequadamente é possível minimizar os riscos de resíduos hospitalares contaminados, tóxicos ou radioativos.

As empresas ligadas ao setor de saúde têm o dever de serem ambientalmente responsáveis. E o primeiro passo é embalar corretamente os resíduos hospitalares,  evitando riscos à saúde humana e ao meio ambiente.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Sete dicas para vender resíduos e lucrar no Mercado de Resíduos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© VG Residuos Ltda, 2019