Como comprar resíduos de sucata por uma plataforma online?

Comprar resíduos de sucata

Comprar resíduos de sucata por uma plataforma online é possível e tem se tornado uma tendência para se aumentar os rendimentos do negócio. A compra de sucata é um segmento que tem crescido cada vez mais, já que, devido às características físico-químicas da maioria das sucatas permite a reciclagem. O aproveitamento pode ser muito alto. Com isso, podemos afirmar que é muito fácil ganhar dinheiro dentro desse mercado. Pode-se investir ainda em uma gama de sucatas e revende-las para outros mercados. 

Este mercado traz inúmeros benefícios, tanto no campo financeiro, como social, ambiental e para a saúde. Além disso, contribui para uma gestão de resíduos eficaz, uma vez que evita o seu descarte incorreto o incrementando em certos processos produtivos. Confira!

Comprar resíduos de sucata

Mas antes… o que é sucata?

Comprar resíduos de sucata

São denominados como resíduos de sucatas todo tipo de material descartado que seja passível de reutilização ou reciclagem. Esse material pode ser metálico, como: ferro, aço, cobre, alumínio, zinco, magnésio, etc.. Ou não metálico, como: papel, vidro, plástico, borracha, etc..

Esse tipo de resíduo é utilizado como insumo no processo produtivo de algumas empresas ou é objeto de revenda direta por outras. Apesar do lucro que a compra de resíduos de sucatas proporcionam muitos mantém dúvidas acerca do mercado. Contudo, investir nesta área possibilita várias oportunidades de lucro para a empresa.

Os tipos de sucatas são subdivididos em diferentes categorias. As mais conhecidas são:

  • metais ferrosos: estamparia, cavaco (aço, guza, ferro fundido), sucata mista, sucata pesada, chaparia, etc.;
  • metais não ferrosos: alumínio, cobre, metal, chumbo, zamac, inoxidáveis, ligas especiais, ferro-ligas, etc.;
  • sucata de plástico: PEBD (Polietileno de baixa densidade), PEAD (Polietileno de alta densidade), PVC, PET, Vinil, PP, PS, ABS / SAN, etc.;
  • sucata de papel e papelão: ondulados, branco, Kraft, sucatas mistas, jornais, revistas, etc.;
  • sucata de eletrônicos: computadores, baterias, celulares, pilhas, televisores, monitores, etc..

Os tipos que mais se destacam no mercado são os metais ferrosos e não ferrosos. O mercado de compra e venda de resíduos de sucatas movimenta milhões por ano. Só o segmento de sucatas metálicas movimenta R$ 6,38 bilhões e é responsável pela geração de emprego e renda para mais de 1,5 milhão de pessoas no país. Atualmente no Brasil são reutilizados ou reciclados 90% de alumínio, seguido do aço (49%), papel (47%) e vidro (45%).

As sucatas mais compradas e revendidas são:

  • sucata de ferro;
  • sucata de cobre;
  • sucata de alumínio;
  • sucata de aço inox;
  • sucata de latão;
  • sucata de ferro cavaco.

Como comprar resíduos de sucatas online?

Comprar resíduos de sucata

As plataformas para comprar resíduos de sucata online são uma excelente ferramenta que auxilia na valorização e comercialização de resíduos sólidos gerados por indústrias, empresas e comércio.

Para localizar bons geradores é vantajoso aderir uma plataforma que reúna as empresas dispostas a negociar seus resíduos de sucata.

A plataforma de compra e venda aumenta a chances de qualquer empresa lucrar com os resíduos.  É uma excelente alternativa que beneficia a todos, principalmente o comprador.

Atualmente, a popularização da internet para compra e venda de qualquer produto se tornou a melhor opção para a empresa localizar bons geradores de resíduos. Antes da internet, era necessário deslocamento até o gerador, horas e horas em reuniões para realizar grande parte das relações comerciais.

As vantagens em utilizar a internet são o ganho de tempo e o poder maior de negociação, pois é possível realizar uma pesquisa rápida e identificar bons geradores.

A internet trouxe um processo de compra rápido acabando com a perda de tempo. Hoje é possível negociar resíduos a partir de plataformas de compra de resíduos que reúnem várias empresas que precisam de alguma forma destinar seus resíduos de forma ambientalmente correta.

Em uma busca rápida pela internet é possível comprar preços para comprar resíduos de sucatas. E identificar quais os mais comprados e vendidos.

Abaixo uma tabela com essas informações.

MaterialPreço
Cobre MelR$ 20,00 / kg
Cobre MistoR$ 18,00 / kg
Alumínio LatinhaR$ 4,70 / kg
Alumínio PanelaR$ 4,70 / kg
Alumínio Perfil (Limpo)R$ 5,00 / kg
Alumínio Bloco (Limpo)R$ 2,50 / kg
Antimônio (Zamak)R$ 3,00 / kg
Aço InoxR$ 2,50 / kg
Alumínio ChapariaR$ 4,00 / kg
MetalR$ 12,00 / kg
BronzeR$ 12,00 / kg
FerroR$ 0,35 / kg
ChumboR$ 3,50 / kg
Motor de Geladeira (Grande)R$ 10,50 / unidade
Motor de Geladeira (Pequeno)R$ 8,00 / unidade
Radiador de Alumínio e Cobre s/ FerroR$ 5,50 / kg
Bateria (Moto)R$ 1,50 / kg
Bateria (Caminhão)R$ 70,00 / unidade
Bateria (Carro)R$ 25,00 / unidade
Papel BrancoR$ 0,20
JornalR$ 0,30
PapelãoR$ 0,15
Garrafa PET vaziaR$ 1,00

 

Comprar resíduos de sucata

Mercado de Resíduos gerando renda

Comprar resíduos de sucata

Mercado de Resíduos, uma plataforma da VG Resíduos, é um desses ambientes onde empresas compradoras encontram geradores de resíduos, ou vice versa. Tudo isso através de um portal unificado de fornecedores e compradores.

Com a instituição da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), através da Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, os geradores passaram a ser responsáveis pelo destino correto de todos os resíduos que produzem. Dessa forma, as empresas precisam atentar para a correta destinação dos resíduos.

Nesse contexto, por meio do mercado de resíduos, surge uma oportunidade de cumprir as novas regras da PNRS e gerar receita a partir dela.

O mercado de resíduos possibilita agregar valor aos resíduos, transformando-os em matéria-prima ou insumo na fabricação de outros produtos.

Ao negociar resíduos online terá a oportunidade de promover seu negócio, conciliando ganhos econômicos com ganhos ambientais. Tudo isso através do anúncio de resíduos para compra, venda, troca ou doação.

Como funciona o Mercado de Resíduos?

Comprar resíduos de sucata

Utilizar o Mercado de Resíduos da VG Resíduos é fácil e rápido:

  • 1º o gerador cria uma oferta do resíduo que deseja vender, sem custo;
  • 2º a plataforma dispara a oferta para os tratadores cadastrados e regulares;
  • 3º os tratadores de resíduos dão lances nas ofertas;
  • 4º é selecionado o melhor comprador para o seu resíduo com base em alguns critérios: como preço, localização, rating do comprador etc.

O sistema é 100% online, com acesso 24 horas por dia. A plataforma é bem simples e didática.

Diante disso, percebemos o grande potencial para quem vislumbra comprar resíduos de sucatas. Investir nesse segmento, transformando esse resíduo por meio da reciclagem em matéria prima para outras empresas, pode ser lucrativo. Além do ganho financeiro é um negócio que pode se tornar sustentável, poupando o planeta e a extração desmedida de recursos naturais.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Sucata: 7 dicas para empreender e lucrar reciclando esse resíduo

Comprar resíduos de sucata

 

 

Quatro dicas para empreender com reciclagem de óleo de cozinha

reciclagem de óleo de cozinha

Muitas empresas estão descobrindo como empreender com reciclagem de óleo de cozinha. Deixar o óleo de cozinha escorrer pelo ralo, jamais! Esse tipo de resíduo é reciclável, e as empresas tratadoras podem transformá-lo em sabão, tintas e até combustível.

A reciclagem de óleo de cozinha é uma prática fundamental dentro a política de gestão de resíduos adotada no Brasil. Desde a criação da Lei nº 12.305, também chamada Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). A Lei, que incentiva a reciclagem,  também incentiva o reaproveitamento dos resíduos descartados, reintroduzindo-os no ciclo produtivo.

Assim, vamos dar algumas dicas fundamentais para as tratadoras terem muitas vantagens e obter lucro. Acompanhe:

Leia mais: Quais prejuízos pode ter o tratador sem licença ambiental?

Dicas para empreender com reciclagem de óleo de cozinha

A reciclagem reúne um conjunto de técnicas, que variam de acordo com o tipo de resíduo a ser recuperado. Para as tratadoras, pode ser uma fonte de lucro, e uma sinalização de que a empresa é ecologicamente responsável.

Apostar em reciclagem reduz a geração de resíduos, poupa matérias-primas e economiza energia elétrica e água. Vejamos, então, algumas dicas fundamentais para sua empresa empreender com reciclagem de óleo de cozinha:

Dica 1: Reciclagem de óleo tem potencial de negócio

reciclagem de óleo de cozinha

O óleo é um dos itens mais consumidos na refeição do brasileiro.  Além de utilizado em frituras, compõe leguminosas, carnes e frutas e é ingrediente para fabricação de pães e massas.

Apesar de largamente consumido, a reciclagem de óleo de cozinha, uma solução sustentável, ainda é pouco frequente no Brasil. Esta matéria traz uma estimativa de que apenas 1% do óleo de cozinha é reciclado no país. Cada família brasileira descarta, em média, 1 litro de óleo mensalmente, no entanto, 99% o despejam na pia da cozinha.

Se essas estatísticas apontam uma negligência do cidadão com o descarte do óleo, sinalizam, também, uma oportunidade de negócio. Esse resíduo, ao invés de ser descartado erroneamente, entupindo tubulações ou contaminando rios, pode virar empreendimento para as empresas tratadoras.

No munícipio de Santa Rosa, RS, a Biotechnos é uma das empresas que apostou na reciclagem de óleo de cozinha e foi bem sucedida. Ela transforma o resíduo em biodiesel, usando uma tecnologia desenvolvida em parceria com a Leibniz University de Hannover, da Alemanha. Além disso, criou 28 usinas que processam o óleo em todo o Brasil.

Uma das grandes vantagens de utilizar o óleo de cozinha na fabricação de biodiesel é a economia. Este estudo aponta que, para a produção do biodiesel, gastam-se até 95% dos custos com a matéria-prima. Com a utilização de óleos residuais de cozinha como insumo, reduzem-se substancialmente os gastos, melhorando a viabilidade financeira do negócio.

Dica 2: Saiba as etapas de reciclagem do óleo de cozinha

reciclagem de óleo de cozinha

Restaurantes, bares, hotéis e hospitais são alguns dos estabelecimentos que podem fornecer óleos residuais de cozinha. Às empresas tratadoras cabe a responsabilidade de receber esses resíduos e transformá-los em novos produtos, sempre seguindo as leis ambientais.

Os procedimentos adotados por esta empresa, especializada no manejo de óleos de cozinha, ilustra algumas etapas de reciclagem desse resíduo:

  • Fase 1: o óleo coletado das geradoras segue para um depósito, onde é feito um processo de filtragem. Nessa etapa ocorre a retirada de resíduos sólidos como restos de alimentos, farinhas, entre outros;
  • Fase 2: após a filtragem, o óleo passa por um processo de decantação, para retirar a umidade;
  • Fase 3: o óleo tratado é bombeado para tanques de armazenamento, de onde será destinado para fabricação de produtos, como sabão e tinta;
  • Fase 4: toda a água retirada do óleo e do processo de limpeza dos recipientes (coletores), como também de limpeza dos caminhões transportadores, passa pelo tratamento de efluentes antes de retornar ao meio ambiente;
  • Fase 5: os resíduos sólidos retirados do óleo são separados e encaminhados para um processo de reciclagem, por meio da

Saiba mais: Como as empresas estão lucrando com a reutilização de sucata de cobre?

Dica 3: Entenda os prejuízos do descarte incorreto do óleo

reciclagem de óleo de cozinha

Quando não é tratado corretamente, o óleo de cozinha pode ser extremamente prejudicial ao meio ambiente. O resíduo tem um efeito semelhante ao do petróleo quando despejado nos ecossistemas aquáticos, conforme explicado aqui. O óleo de cozinha forma uma camada impermeabilizante na superfície da água, matando as algas que oxigenam o meio. Sendo assim, toda a fauna e flora ficam ameaçados.

Nos solos, o despejo incorreto do óleo também é muito prejudicial. Os óleos residuais de cozinha impermeabilizam a terra, evitando a renovação dos lençóis freáticos.

Quando despejado diretamente nas redes de esgoto, o óleo de cozinha se aloja nas paredes das tubulações entupindo-as. Em um efeito cascata, isso aumenta os custos com a manutenção das estações de tratamento.

Descartado no ambiente, o óleo acaba sendo decomposto por bactérias presentes no solo ou na água, em um processo muito lento. O resultado é a emissão do gás metano, um dos principais causadores do efeito estufa.

Confira: Como lucrar com a logística reversa de embalagens?

Dica 4: Tenha o suporte de uma consultoria

reciclagem de óleo de cozinha

Toda empresa que faz tratamento de resíduos como o óleo de cozinha precisa ter uma licença ambiental de operação. Esse documento garante que a empresa foi avaliada e considerada apta para atuar na gestão de resíduos.

Por isso, é importante o suporte de uma consultoria, capaz de dar às tratadoras as melhores orientações sobre a legislação ambiental. Isso habilita a empresa a atuar segundo os princípios da sustentabilidade, demonstrando que é ecologicamente responsável. O Grupo Verde Ghaia tem expertise no assunto, além de uma plataforma online, que coloca em contato geradores e tratadores.

Como demonstrado, a reciclagem de óleo é uma prática que evita a degradação da natureza e a geração de resíduos. É uma solução que reaproveita os resíduos descartados, reintroduzindo-os no ciclo produtivo. Além disso, para as tratadoras, pode ser um nicho de negócio. Passando por etapas de reciclagem, o óleo de cozinha pode gerar lucro, sendo transformado em biodiesel, sabão, tinta, entre outros produtos.

Por fim, a dedicação à reciclagem de óleo de cozinha demonstra que uma tratadora pode empreender, sendo ecologicamente engajada.  Investir em reciclagem de óleo residual de cozinha pode significar não só rendimentos, mas responsabilidade empresarial com o meio ambiente.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Crie Oportunidades com o Mercado de Resíduos e saia da crise

 

 

6 dicas para sua empresa lucrar com a compostagem de resíduos

compostagem

A compostagem do resíduo orgânico é um processo natural de decomposição que transformar as sobras de material orgânico em adubo de primeira qualidade. Esse adubo é utilizado em plantações e na jardinagem.

A destinação adequada do resíduo orgânico já é realizada por várias empresas. A principal destinação dada é transformando os restos de alimentos em um material cobiçado pela agricultura, através da compostagem.

A compostagem fez do resíduo orgânico um negócio lucrativo para as empresas, e muito positivo para o meio ambiente. Então veja algumas dicas de como lucrar utilizando-a.

Confira: Quais prejuízos pode ter o tratador sem licença ambiental?

Entenda o que é compostagem

Existem várias possibilidades de reaproveitamento dos resíduos orgânicos, e a forma mais comum é através da compostagem. Muitas organizações perceberam que destinar seus resíduos orgânicos para ser tratado ao invés de destina-los aos aterros sanitários é uma alternativa de realizar o gerenciamento dos seus resíduos.

Já as empresas que realizam o tratamento, empregando a compostagem, devem entender o funcionamento para lucrar.

Compostagem é descrito como um processo de decomposição biológica da matéria orgânica contida em resíduos orgânicos. Os microorganismos e animais invertebrados que em presença de umidade e oxigênio, se alimentam dessa matéria e propiciam que seus elementos químicos e nutrientes voltem a terra.

A decomposição do resíduo envolve processos físicos e químicos. Os processos físicos são realizados por invertebrados como ácaros, centopéias, besouros, minhocas, lesmas e caracóis.  Esses animais transformam os resíduos em pequenas partículas. O processo químico é realizado por bactérias, fungos e alguns protozoários que degradam os resíduos orgânicos em partículas menores, dióxido de carbono e água.

Leia mais: Como lucrar com a logística reversa de embalagens?

Saiba o passo a passo

compostagem

Para que o produto resultante da compostagem tenha qualidade é necessário seguir o passo a passo corretamente. A qualidade do produto é o que garante o retorno financeiro.

O primeiro passo é a escolha de um lugar sombreado, de fácil acesso e preferencialmente sobre a terra.

Depois é necessário preparar os resíduos para o processo: reduza o tamanho dos restos orgânicos. Após preparado coloque primeiro o material graúdo (exemplos são poda de árvores e cercas vivas) até uma altura de 20 cm. Acrescente sobre eles outros resíduos orgânicos, evitando sempre a formação de camadas nitidamente diferenciadas de um único tipo de material. Mantenha o material solto e fofo.

Para conservar a umidade e o calor recubra o material com uma camada de grama, palha, folhas de bananeira, de palmeira ou folhagem.

Tome sempre o cuidado de molhar sempre que necessário para manter a umidade, mas nunca em excesso.

Sempre avalie a temperatura: se estiver muito quente é preciso resfriar o material.

1. Saiba quando o composto esta pronto para lucrar

compostagem

O composto orgânico formado na compostagem estará pronto para ser comercializado quando apresentar as seguintes características:

  • coloração preta ou marrom café;
  • consistência granulada, homogênea e sem distinção de restos;
  • cheiro agradável de terra;
  • temperatura ambiente;
  • volume de orgânicos reduzido à metade ou a um terço do original.

Saiba mais: Como as empresas estão lucrando com a reutilização de sucata de cobre?

2. Descubra os resíduos orgânicos recomendados

compostagem

São recomendados:

  • restos de alimentosrestos, talos e casca de verduras e frutas (menos as cítricas), cascas de ovo, borra de café podem se converter em excelentes fontes de nitrogênio;
  • resíduos frescospodas de grama e folhas possuem alta concentração de nitrogênio. Uma boa solução é separar um espaço em que os resíduos frescos possam secar antes de serem usados, gerando uma boa economia;
  • serragem e folhas secas:a serragem não tratada, ou seja, sem verniz e as folhas secas ajudam no equilíbrio, são ricos em carbono e evitam o aparecimento de animais indesejados e do mau cheiro;
  • alimentos cozidos ou assados:podem ser usados desde que em pequenas quantidades. É preciso evitar o excesso de sal e conservantes dos alimentos processados. Esse tipo de material não pode estar úmido, por isso se deve adicionar bastante pó de serra em cima dos restos;
  • estercos:podem ser de boi, de porco e de galinha, mas somente utilizar se tiverem sido curtidos;
  • borra de café: inibe o aparecimento das formigas e é um excelente complemento nutricional para as minhocas. O filtro de papel usado para o preparo do café também pode ser adicionado na compostagem.

Saiba mais: Qual tipo de resíduo orgânico pode ser reaproveitado na compostagem?

3. Descubra os resíduos orgânicos não recomendados

compostagem

Não são recomendados:

  • frutas cítricas: a polpa e as cascas podem alterar o PH da terra, é o caso da laranja, abacaxi, limão, entre outros;
  • fezes de cães e gatos: esses resíduos podem conter parasitas e vírus, que trazem riscos potenciais às minhocas e às plantas.
  • laticínios:qualquer derivado de leite não pode ser compostado, pois a decomposição é muito lenta, causa um mau cheiro e atrai organismos indesejáveis;
  • carne:a decomposição de restos de frango, peixe e carne bovina são muito demorada, causa mau cheiro e atrai animais;
  • nozes pretas:as nozes contêm um composto orgânico que é tóxico para alguns tipos de plantas;
  • derivados de trigo:como massa, bolo. Esses itens têm decomposição lenta em comparação com os demais e ainda atraem pragas;
  • arroz:depois de cozido é um ótimo local para bactérias, mas péssimo para a saúde humana e das plantas;
  • serragem de madeira tratada: se a serragem for oriunda de algum tipo de madeira envernizada ou quimicamente tratada, os componentes químicos irão prejudicar as minhocas;
  • carvão vegetal: possui grandes quantidades de enxofre e ferro, que fazem mal para as plantas;
  • plantas doentes: plantas com fungos ou outra doença podem passar para as plantas saudáveis;
  • gorduras: alimentos gordurosos podem liberar substância que retardam a compostagem e prejudicam o composto;
  • alho e cebola: têm decomposição muito lenta e trazem mau cheiro. Acabam desacelerando todo o processo de compostagem.

Saiba as principais leis referentes à compostagem

As principais leis aplicáveis compostagem de resíduos orgânicos são:

  • Lei nº 6894, de 16 de dezembro de 1980, que determina a inspeção e a fiscalização da produção e comercialização de fertilizantes;
  • Resolução CONAMA 375, de 29 de agosto de 2006, que define critérios e procedimentos, para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário;
  • Resolução CONAMA Nº 481, de 3 de outubro de 2017, que define critérios e procedimentos para garantir controle e qualidade ambiental do processo de compostagem de resíduos orgânicos.

Seguindo todas essas dicas é possível lucrar com a compostagem até R$300 mil reais por mês com pouco investimento. A compostagem é um processo simples que não necessita de grandes investimentos.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Como obter lucro utilizando restos de alimentos para fazer adubo?

 

Quais tipos de papel são mais lucrativos para sua empresa tratar?

tipos de papel são mais lucrativos

Diversos tipos de papéis podem ser reciclados, mas alguns tipos de papel são mais lucrativos. Transformar papéis usados em novas matérias-primas gera não só lucros para as tratadoras, mas contribui para a sustentabilidade, reduz o acúmulo de resíduos e poupa a natureza.

A recuperação de papéis provenientes dos resíduos sólidos urbanos tem sido uma prática cada vez mais comum e se transformado em fonte de renda para empresas tratadoras. A reciclagem de aparas de papéis usados ou velhos, reaproveitando fibras de celulose, geram papel novo ou diferentes matérias-primas.

Mas para gerar renda com o tratamento de papéis é preciso conhecer bem o assunto.  Acompanhe!

Entenda o mercado de tratamento de papéis

tipos de papel são mais lucrativos

A matéria-prima do papel comum são as fibras de celulose, substância (polissacarídeo), existente dentro das células da maioria das plantas. No Brasil, essa matéria-prima vem de árvores como o pinheiro e o eucalipto, que possuem alta concentração de celulose.

As tratadoras que manejam as sobras de papel, conhecidas como aparas, contam com vantagens e devem aproveitar esses diferenciais. O Brasil se destaca na produção de celulose, tendo atingido volume recorde em 2017, segundo esta matéria da Reuters.  A produção brasileira de celulose subiu 3,8 por cento no ano passado e atingiu o volume recorde anual de 19,5 milhões de toneladas, de acordo com a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá).

O mercado de reciclagem de papel no Brasil também é aquecido. Segundo levantamento da Associação Nacional dos Aparistas de Papel (ANAP), no ano passado o país atingiu o recorde de recuperação do papel, evoluindo de 64,5% para 66,2%.

Cerca de 50% do papel consumido no Brasil é reciclado, o que também é interessante para as tratadoras.   Há uma demanda grande pelo papel reciclado que pode originar diferentes produtos e materiais, entre eles:

  • produtos de papel sanitários (papel higiênico, toalhas de papel e toalhas de chá, dentre outros);
  • papel não revestido;
  • papel de cópia;
  • papel de jornal;
  • revistas;
  • livros;
  • cadernos;

Que compromissos determinam a obtenção da licença ambiental?

Conheça os papéis mais lucrativos para reciclar

O papel está entre os resíduos mais vantajosos para reciclar. No entanto, nem todos os tipos de papel são lucrativos para a reciclagem. Dão menos renda aqueles papéis que, quando fabricados, recebem grande carga mineral para terem acabamento nobre, como o papel couchê. Esse tipo de papel, para ser produzido, sofre grande desgaste em suas fibras, o que o desvaloriza para a reciclagem.

Papéis muito impregnados de tintas e vernizes, como os de capas de revista e cartões de visita, também são desvantajosos. Isso porque esses tipos de papéis possuem impurezas que impedem a formação de uma matéria-prima de qualidade.

Também não são ideais para reciclagem:

  • papéis sulfurizados;
  • papéis encerados;
  • papéis parafinados;
  • papel higiênico usado, por conter gordura e contaminantes.

As empresas tratadoras devem, portanto, ficarem atentas à composição das aparas de papel ao adquirir os resíduos para reciclagem. O conjunto de aparas que pode ser lucrativo para a reciclagem é formado pelos seguintes tipos, segundo a ANAP:

  • aparas marrons (como os do papelão ondulado e do kraft);
  • aparas brancas (como os de jornais e revistas);
  • aparas de papel cartão (como as caixas e cartuchos não ondulados produzidos para embalagens de remédios, pastas de dentes e outros).

Confira: Quais prejuízos pode ter o tratador sem licença ambiental?

Saiba por que reciclar papelão é vantajoso

Entre os tipos de aparas que podem ser mais lucrativas para a reciclagem está o papelão. Em primeiro lugar, há grande oferta de caixas de papelão pelo país, que acondicionam mercadorias de indústrias, supermercados e estabelecimentos comerciais. Esse material pode ser reciclado pós-uso para evitar a poluição ambiental, transformando-se em lucro para as tratadoras.

Um segundo motivo é que o papelão é um tipo de apara que tem um tratamento mais econômico. Diferentemente de outros materiais, para a reciclagem do papelão não é preciso aplicar técnicas de limpeza fina. Esse tipo de apara não demanda retirada de tintas, branqueamento do material e lavagens especiais.

Leia também: Seis dicas para sua empresa lucrar reciclando canudos plásticos

Recicle papéis e seja ecologicamente responsável

Os benefícios trazidos pela reciclagem de papel são impressionantes. Cada tonelada do material reciclado economiza-se:

  • 2,5 barris de petróleo
  • 98 mil litros de água
  • 500 kw/h de energia elétrica

A responsabilidade com o meio ambiente é amplamente reforçada quando as organizações optam pela reciclagem das sobras de papel. Neste estudo, os pesquisadores demonstraram que a prática poupa enormemente o uso de recursos naturais. Entre os anos de 2009 e 2013, calculou-se o quanto o meio ambiente foi preservado com a reciclagem de papel:

  • Em 2009, foram 139.286 hectares de florestas preservadas, já em 2013, o número saltou para 164.286;
  • Em 2009, foram 117.000.000 árvores preservadas, saltando para 138.000.00 em 2013;
  • Em 2009, a energia economizada foi de 9.750.000 kW/h, em 2013, 11.500.000.000;
  • Em 2009, foram economizados 382.200.000.000 litros de água, em 2013, 450.800.000.000.

Amplie o seu negócio e saia na frente

Para alcançar ainda mais retorno com a reciclagem de papéis, é interessante que as tratadoras tenham o suporte de uma consultoria.  A recuperação das sobras de papéis é um negócio de grande potencial no Brasil, mas é preciso calcular os passos. Empresas com expertise no tratamento de resíduos, como a Verde Ghaia, podem indicar as melhores estratégias para as tratadoras. Podem, também, orientar como fazer o tratamento correto das aparas, seguindo as leis ambientais.

Além disso, para lucrar com a reciclagem, o ideal é que sua empresa tenha acesso a milhares de tratadores espalhados pelo Brasil. Assim certamente o melhor preço pago pelo resíduo aparecerá e você poderá fazer a destinação com uma empresa próxima à sua localidade.

Uma plataforma que vem ganhando espaço no Brasil é o Mercado de Resíduos. Ela permite que as empresas tenham acesso a uma rede de milhares de tratadores, todos com suas licenças validadas e disponíveis para dar lances nos resíduos das empresas cadastradas na plataforma.

Sendo assim, como vimos, é preciso mapear que tipos de papéis são mais lucrativos para a reciclagem. Cientes disso, as tratadoras podem descobrir uma fonte de renda com o manejo dos papéis usados. Somado a isso, as empresas podem ser modelo de sustentabilidade no ramo de reciclagem, preservando pessoas e o meio ambiente.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: 6 dicas para o tratador de resíduos mostrar seus diferenciais no mercado

Seis dicas para sua empresa lucrar reciclando canudos plásticos

lucrar reciclando canudos plásticos

Muitas empresas tratadoras têm procurado lucrar reciclando canudos plásticos. Por isso, daremos a seguir seis dicas fundamentais para sua empresa.

O canudo plástico se tornou tema de notícias recentes. Este produto tem sido acusado de causar danos profundos à vida marinha, especialmente aos animais que acabam confundindo-o com comida e morrem após tê-lo preso ao seu sistema digestório.

Por isso, muitas cidades ao redor do mundo têm adotado medidas contra o uso de canudos plásticos, desde o incentivo ao abandono do material até a proibição por lei de sua utilização nos estabelecimentos comerciais.

O artigo de hoje falará especificamente sobre como lucrar reciclando canudos plásticos. Vamos lá?

Leia também: Como obter lucro utilizando restos de alimentos para fazer adubo?

1 – Faça parcerias com grandes eventos

lucrar reciclando canudos plásticos

Como dissemos na introdução, coletar manualmente os canudos plásticos não é uma boa ideia. São necessárias muitas horas de trabalho para recolher apenas um único quilo do material, uma vez que ele é muito leve. Por isso, o ideal é partir para locais de grande concentração do uso de canudos, um bom exemplo são as festas e grandes shows.

O ideal é que sua empresa, ao fazer a parceria com a organização do evento, disponibilize recipientes específicos para receber os canudos. De preferência, faça uma sinalização bem chamativa e, em conjunto com a organização do evento, procure informar que naquele local existe preocupação com o dano ambiental causado pelo descarte dos canudos na natureza.

Assim, as pessoas irão voluntariamente depositar os canudos usados no recipiente, o que eliminará boa parte do trabalho de coleta manual. Mas nada impede que ela seja feita, pois em geral no fim dos eventos a equipe de limpeza vem recolhendo os materiais recicláveis deixados no chão.

Portanto peça a sua equipe que colete também os canudos que sobraram e deixe-os no recipiente adequado, porque certamente os frequentadores do evento não deixarão 100% do resíduo nos recipientes adequados.

2 – Faça parcerias com grandes estabelecimentos

lucrar reciclando canudos plásticos

Grandes estabelecimentos alimentícios são uma ótima fonte de canudos, lembre-se que coletar em grandes quantidades é ideal para que sua empresa possa lucrar reciclando canudos plásticos. Locais com grande concentração de pessoas consumindo bebidas que, em geral utilizam canudos são uma excelente oportunidade de conseguir o material.

Um bom exemplo são os shoppings centers, estes locais recebem milhares de pessoas diariamente, boa parte delas concentram-se em praças de alimentação e cinemas, isso faz com que haja um grande consumo de canudos, pois uma parte significativa desta utilização é feita em fast-foods e nas lanchonetes que atendem ao cinema. Boa parte destes estabelecimentos fornecem canudos em suas bebidas.

Confira: Quais prejuízos pode ter o tratador sem licença ambiental?

3 – Realize compactação e trituração

Uma dica fundamental para que sua empresa possa lucrar com a reciclagem de canudos plásticos é a compactação do material. Uma vez recolhido ele pode ser compactado em fardos mais densos, o que eleva a capacidade de armazenamento do seu galpão e do caminhão e possibilita que o material seja vendido aos centros de reciclagem química de plástico.

Sem a compactação, dificilmente os canudos plásticos poderão ser vendidos, pois seu baixo peso unitário dificulta o armazenamento, transporte e condicionamento final do produto.

Já as empresas que vão fornecer os canudos para centros de reciclagem química, os quais transformarão os canudinhos em matéria prima nova e pronta para uso nas indústrias, poderão também triturar o resíduo antes da compactação, assim o rendimento do enfardamento é maior ainda e o aproveitamento final do material é mais aproveitado, pois os detritos são mais fáceis de serem absorvidos pelo processo químico do que materiais inteiros.

Saiba mais: 4 passos para localizar geradores de resíduos inertes

4 – Destine o material para fazer artesanato

lucrar reciclando canudos plásticos

Uma dica para sua empresa lucrar mais com a reciclagem de canudos plásticos é a destinação do resíduo para centros de artesanato. Estes locais são excelentes para a destinação porque podem agregar muito valor aos canudos em poucas horas de trabalho.

Por exemplo, cada canudo será vendido por uma fração de centavos à indústria recicladora, contudo, para os centros de artesanato, menos de 1 kg de canudos equivalerá, em poucas horas de trabalho, dezenas de reais.

Os centros de artesanato também têm a vantagem de poder receber os canudos de estabelecimentos menores, uma vez que seu consumo é grande, mas nem chega perto dos números necessários à viabilização do processo em uma indústria. Pois nestas, só é viável reciclar os canudos plásticos na casa das toneladas.

5 – Destine o material para confecção de bijuterias

Uma opção bastante similar aos centros de artesanato são os centros de bijuterias, estes adornos ficaram famosos após a divulgação na internet do trabalho de artistas que usam, dentre suas matérias primas, os canudos plásticos.

O caso dos centros de bijuterias é bastante similar ao dos centros de artesanato, em poucas horas eles podem transformar materiais que valem uma fração de centavos em produtos que podem ser vendidos por um valor significativamente maior.

6 – Saiba como lucrar reciclando canudos plásticos

lucrar reciclando canudos plásticos

Para lucrar com a reciclagem de canudos plásticos, o ideal é que sua empresa tenha acesso a milhares de tratadores espalhados pelo Brasil. Assim certamente o melhor preço pago pelo resíduo aparecerá e você poderá fazer a destinação com uma empresa próxima à sua localidade.

Uma plataforma que vem ganhando espaço no Brasil é o Mercado de Resíduos. Ela permite que as empresas tenham acesso a uma rede de milhares de tratadores, todos com suas licenças validadas e disponíveis para dar lances nos resíduos das empresas cadastradas na plataforma.

Certamente ganhar dinheiro com a reciclagem de canudos plásticos é um desafio enorme, dadas as dificuldades impostas pela própria natureza do resíduo. Contudo, é também uma excelente oportunidade, visto que muitas organizações ignoram este material e simplesmente não se dão conta de que é possível lucrar com ele. Quem souber aproveitar esta oportunidade agora, sairá na frente em sua região.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Qual a influência da ISO 14001 no tratamento de resíduos?

Como sua empresa pode gerar renda reciclando lâmpadas?

gerar renda reciclando lâmpadas

As tratadoras de resíduos estão descobrindo como gerar renda reciclando lâmpadas, ampliando assim o seu negócio. Muito se deve pela reciclagem de lâmpadas ser o meio mais seguro para tratar e eliminar os elementos químicos perigosos. Por meio desse processo é possível separar os materiais que podem ser reutilizados como matéria prima para outros produtos.

Reciclagem de lâmpadas fluorescentes — as maios consumidas — se comparada com as lâmpadas incandescentes pode ser uma opção eficiente e econômica. Contudo, pela presença de mercúrio e chumbo em sua composição, metais extremamente prejudiciais ao meio ambiente e a saúde, elas precisam ser descartadas corretamente.

Anualmente, mais de 40 milhões de lâmpadas são descartas no Brasil e desse total menos da metade tiveram o destino adequado. Diante disso, empregar tecnologia no adequado tratamento das lâmpadas é mais que necessário para eliminar os seus riscos. Vamos saber como gerar renda reciclando lâmpadas, bem também das vantagens desse processo para o meio ambiente.

Leia também: Como demonstrar seus diferenciais como tratador de resíduos perigosos?

Logística Reversa aliada à reciclagem das lâmpadas

 

gerar renda reciclando lâmpadas

A Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS, obriga os fabricantes a implantarem um sistema de logística reversa para as lâmpadas. Além disso, determina que após recolhida às lâmpadas inutilizáveis deve-se dá a destinação final ambientalmente adequada.

Com essa determinação surgiu uma problemática a serem solucionadas pelas fabricantes: o que fazer com as lâmpadas recolhidas? A solução seria destinar esses resíduos para as tratadoras realizarem a reciclagem.

A logística reversar trouxe as empresas especializadas em tratamento de resíduos à alternativa de gerar renda reciclando resíduos. Contudo, considerando o âmbito ambiental, elimina o risco do descarte incorreto desses resíduos.

Saiba mais: 6 dicas para o tratador de resíduos mostrar seus diferenciais no mercado

Como gerar renda reciclando lâmpadas?

Existem diversos tipos de tecnologias de reciclagem de lâmpadas. A escolha da melhor opção deve ser baseada na preservação ambiental e na mais econômica. A maioria das tecnologias hoje funciona em um sistema de pressão negativa para garantir que não ocorram emissões de gases tóxicos durante o processo.

Vejamos alguns das principais tecnologias

O processo de separação centrífuga

gerar renda reciclando lâmpadas

Este método pode ser usado para a reciclagem de lâmpadas que não possuem forma de bastonete.

Em uma centrifuga, as lâmpadas são inicialmente separadas em vidro ou metal ou plástico.

A recuperação do mercúrio presente acontece através do aquecimento do vidro e do soquete.

O vidro é submetido a um tratamento térmico para eliminar poluente e em seguida, é devolvido ao ciclo de produção. Os componentes de metal e plástico são triturados em um triturador Shredder. Já as partes que contenham metais são retiradas por um separador magnético.

Confira: Como obter lucro utilizando restos de alimentos para fazer adubo?

O processo de separação Kapp

Este método pode ser usado para a reciclagem de lâmpadas que possuem forma de bastonete.

O processo se inicia separando primeiramente as lâmpadas a mão.

Depois as lâmpadas vão para um equipamento que faz um reconhecimento das substâncias utilizadas para a iluminação. Essas substâncias são selecionadas para tratamento e posterior reutilização na fabricação de novas lâmpadas.

Já as extremidades das lâmpadas são removidas, e os componentes de metal e de vidro que contenham chumbo são recuperados.

O material contendo mercúrio é succionado restando somente o metal e o vidro que são triturados e separados através do uso de um selecionador de metais.

O processo de lavagem de vidros quebrados

gerar renda reciclando lâmpadas

Esse processo permite reciclar qualquer tipo de lâmpada e tamanho.

Os metais ferrosos são extraídos com o uso de um separador magnético. O material restante cai em uma esteira vibratória onde os materiais contendo fósforo e mercúrio são separados dos cacos de vidro.

O mercúrio é separado do fósforo após um processo de sedimentação e destilação O mercúrio recuperado possui um grau de pureza de até 99,9% e pode ser utilizado, por exemplo, na indústria química.

Já o restante dos materiais podem ser utilizados como matéria prima para a fabricação de novas lâmpadas.

O processo Shredder

Este método também é pode ser empregado para todos os tipos de lâmpadas. E acontece em três etapas.

Na primeira etapa as lâmpadas são trituradas e separadas em função do tamanho das frações. A fração maior contem as extremidades ou bases das lâmpadas, a média contem vidros e plásticos com frações de cerca de 5 mm. Na fração menor encontra-se o pó de fósforo e vidro.

Extração do mercúrio

O mercúrio é um dos componentes mais perigosos que as lâmpadas contem. A sua separação pode ser através de processos de sedimentação seguidos de destilação ou mesmo através do processo de aquecimento.

O vaporizado a partir desse processo é condensado e coletado em decantadores. O mercúrio obtido passa por nova destilação para se removerem impurezas.

Leia também: Que compromissos determinam a obtenção da licença ambiental?

Como gerar renda reciclando lâmpadas

gerar renda reciclando lâmpadas

Uma empresa pode gerar renda reciclando lâmpadas. Há empresas especializadas neste tipo de serviço que lucra até R$60 mil por mês processando em média 80 mil lâmpadas por mês.

Além disso, a empresa pode lucrar com a venda dos materiais que sobra, como vidro e metais.

A reciclagem é uma excelente oportunidade das micro e pequenas empresas gerar renda reciclando lâmpadas.

A reciclagem de lâmpadas ainda é um processo pouco explorado e gera renda para as empresas especializadas neste tipo de serviço.  É importante para a preservação ambiental dá uma nova finalidade para cada um dos seus componentes, evitando assim o descarte em aterros. As inovações na reciclagem e gestão ambiental dão vantagem às pequenas empresas, que são mais flexíveis para esses tipos de processos. A cadeia geradora é ampla, o que tem permitido as tratadoras gerar renda reciclando lâmpadas.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Qual a influência da ISO 14001 no tratamento de resíduos?

 

Como obter lucro utilizando restos de alimentos para fazer adubo?

restos de alimentos para fazer adubo

As empresas que manejam resíduos orgânicos da indústria alimentícia, como as cascas de frutas, podem fazer renda utilizando restos de alimentos para fazer adubo. Obtém-se o fertilizante natural pela compostagem, tratamento biológico no qual os micro-organismos fazem a decomposição dos resíduos orgânicos.

O resultado da compostagem é o adubo orgânico, que pode ser comercializado como fertilizante para plantas e solos. As tratadoras que investem na reciclagem de restos alimentícios podem vender o adubo, ideal para agricultura, jardins, pomares e hortas.

Além do ganho financeiro, a produção de adubo a partir da compostagem demonstra que a tratadora é ecologicamente correta. O tratamento biológico dos resíduos orgânicos evita que as sobras sejam abandonadas irregularmente no meio ambiente ou depositadas em aterros. A compostagem que gera o adubo é um método simples, podendo ser implantado pelas tratadoras sem grandes investimentos financeiros.

A seguir, vamos tratar em detalhes das vantagens de reciclar os restos de alimentos para fazer adubo. Acompanhe!

lucre comprando ou vendendo resíduos

Produza adubo e seja ecologicamente correto

As sobras da indústria alimentícia estão entre os chamados resíduos orgânicos. No conjunto de resíduos do setor alimentício que podem passar pela compostagem, virando adubo, estão:

  • cascas de batata
  • legumes
  • hortaliças
  • restos e cascas de frutas
  • borras de café
  • restos de pão
  • arroz
  • massa
  • cereais
  • restos de comida cozida

Quando as tratadoras de resíduos optam por reciclar essas sobras transformando-as em adubo orgânico, demonstram que são ecologicamente corretas. Com a implantação da Política Nacional de Resíduos, as empresas precisam fazer a gestão adequada das sobras. Tratar os resíduos com responsabilidade diminui os riscos para o meio ambiente e os indivíduos.

Durante a compostagem, ocorre somente a formação de CO2, H2O e biomassa (húmus). O sistema de compostagem que gera o adubo é um processo de fermentação que ocorre na presença de oxigênio (aeróbico). Sendo assim, com a compostagem não há formação de CH4 (gás metano), que é altamente nocivo ao meio ambiente. Sua agressividade é 23 vezes maior que o gás carbônico, impactando enormemente os efeitos do aquecimento global.

As leis ambientais recomendam que os resíduos sejam reduzidos e uma das soluções é retorná-los à cadeia de produção. Isso pode ser obtido quando se implanta a Política dos 3R´s: Redução, Reutilização e Reciclagem. A produção de adubo via compostagem é uma aplicação dessa política, pelo método da reciclagem.

Leia: 6 dicas para o tratador de resíduos mostrar seus diferenciais no mercado

Saiba como a compostagem resulta em adubo

restos de alimentos para fazer adubo

As sobras de alimentos transformam-se em adubo por meio da compostagem. É um tratamento biológico que se inicia quando as sobras alimentícias são acumuladas em pilhas de orgânicos. A partir daí, microrganismos, como bactérias, fungos e actinomicetos, na presença de oxigênio, decompõem a matéria orgânica dos resíduos, transformando-os. O resultado é o composto orgânico chamado húmus, um adubo repleto de nutrientes que fortalecem as raízes das plantas.

O adubo orgânico torna o solo poroso, facilitando a aeração das raízes, a retenção de água e nutrientes. Os minerais compõem 6% do composto e são formados de nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e ferro. Por essa riqueza de nutrientes, o adubo orgânico tem excelente resultado na agricultura, na jardinagem, em pomares e hortas.

As tratadoras podem comercializar esse adubo e com um diferencial importante. Por serem gerados por método natural, o húmus não é nocivo aos solos e às plantas, como o adubo químico. Os fertilizantes químicos são poluentes, pois podem deteriorar o solo e contaminar os lençóis freáticos. Podem, ainda, oferecer riscos à pessoa que o aplica, especialmente na ausência de Equipamentos de Proteção Individual (EPI´s).

Entenda as regras para a produção do adubo

restos de alimentos para fazer adubo

A transformação dos restos de alimentos em adubo, por meio da compostagem,  precisa ser feita com critérios. Em outubro de 2017, o Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA),  estabeleceu a Resolução Nº 481, tratando desse assunto. Segundo o Artigo 10 da resolução, é preciso seguir diretrizes durante a compostagem, para evitar impactos ambientais:

Art. 10. As unidades de compostagem devem atender aos seguintes requisitos mínimos de prevenção e controle ambiental:

I – adoção das medidas de controle ambiental necessárias para minimizar lixiviados e emissão de odores e evitar a geração de chorume;

II – proteção do solo por meio da impermeabilização de base e instalação de sistemas de coleta, manejo e tratamento dos líquidos lixiviados gerados, bem como o manejo das águas pluviais;

III – implantação de sistema de recepção e armazenamento de resíduos orgânicos in natura garantindo o controle de odores, de geração de líquidos, de vetores e de incômodos à comunidade;

IV – adoção de medidas de isolamento e sinalização da área, sendo proibido o acesso de pessoas não autorizadas e animais;

V – controle dos tipos e das características dos resíduos a serem tratados;

VI – controle da destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e líquidos gerados pela unidade de compostagem.

Confira: Quais leis influenciam o tratamento de resíduos e o seu negócio?

Tenha rendimentos produzindo o adubo orgânico

restos de alimentos para fazer adubo

Além de lucrar com a comercialização do adubo orgânico, as tratadoras que seguem as diretrizes do CONAMA podem ter rendimentos por outros fatores. A compostagem que gera o adubo é um método simples e econômico, que não demanda alto investimento para ser implantado. As tratadoras podem reservar um local de sua estrutura física para a compostagem e produzir o adubo com relativa facilidade.

Produzir adubo orgânico tem uma vantagem econômica adicional. A reciclagem das sobras alimentícias não passa por nenhum tratamento industrial, o que significa mais economia.

Para formar uma clientela, pode-se contratar uma consultoria capaz de indicar empresas alimentícias que possam destinar seus resíduos às tratadoras.  Por meio de uma plataforma tecnológica é possível colocar em contato geradores e tratadores de resíduos alimentícios, formando uma parceria.

Ao usar os restos de alimentos para fazer adubo, além do ganho financeiro, a tratadora mostra que é ambientalmente responsável. O tratamento biológico dos resíduos orgânicos evita que as sobras sejam descartadas incorretamente, diminuindo o impacto ambiental. O adubo gerado pela compostagem é um método simples de ser implantado e que não demanda grandes investimentos financeiros.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Como se destacar sendo um especialista no tratamento de resíduos

Mercado de Resíduos: lucre comprando ou vendendo resíduos

 

Como sua empresa pode lucrar com a reciclagem de sucata de joias?

reciclagem de sucata de joias

Levando em consideração estes altos teores de metais preciosos, a reciclagem de sucata de joias é uma boa alternativa para que a empresa lucre com a aquisição de matéria prima in natura.

Na fabricação de joias são desperdiçados muitos metais preciosos e valiosos, como o ouro (Au), a prata (Ag) e outros. No entanto, a falta de conhecimento técnico para a reciclagem de sucata de joias dificulta a recuperação desses metais preciosos.

Na fabricação são gerados resíduos na forma de recortes e limalhas, resíduos de casting, joias defeituosas, sedimentos dos procedimentos de eletrorrecuperação ou eletrorrefino. Uma grande parte destes resíduos contêm altos teores de metais preciosos, especialmente de ouro. Essas sucatas de joias são fáceis de reciclar, já que são formados praticamente só por metais.

Então, vamos saber mais sobre a reciclagem de sucata de joias.

Saiba o que são sucatas de joias

reciclagem de sucata de joias

A sucata de joias são sobras da fabricação de brincos, colares, anéis, pulseiras e etc. A sucata mais reciclada são as que apresentam teor de ouro maior ou igual a 20%, justamente pelo alto valor econômico.

A sucata é gerada na fabricação das joias e são:

  • recortes;
  • limalhas;
  • joias defeituosas – que podem ser as com defeitos da elaboração ou joias velhas que ficaram defeituosas pelo uso;
  • ouro aluvionar – em pó ou pepitas.

A sucata provenientes do recorte, a limalha e as joias defeituosas podem estar perfeitamente limpas ou contaminadas. O ouro aluvionar tem que ser refinado antes de ser comercializado para eliminar as impurezas.

A reciclagem de sucata de joias é possível devido à facilidade do tratamento, já que é praticamente formada somente por metais. Alguns metais são desejáveis, como os que formam parte da liga inicial. Já outros são considerados impuros e são provenientes da manipulação.

Leia também: 6 dicas para o tratador de resíduos mostrar seus diferenciais no mercado 

Lucro com a reciclagem de sucata de joia

reciclagem de sucata de joias

A sucata de joias possuem vários metais que comercializado geram uma boa receita para empresa. O teor de ouro são os seus maiores atrativos para o comércio de sucatas.

Abaixo listamos o teor de ouro que os resíduos da fabricação de joias possuem:

ResíduosTeor
Joias defeituosas39 – 73%
Resíduos dos bancos dos joalheiros19 – 52%
Sedimentado no lavabo dos joalheirosAproximadamente 6 – 8%
Tapetes e chão de madeira0,1 – 9%
Cadinhos velhos de fundição0,8 – 5%
Pó que fica nas máquinas polidoras e depois de varrer0,5 – 5%
Pulseiras de relógio e outros0,25 – 5%
Estrutura de óculos (selecionados)2 – 4%
Papel esmerilado, sujeira do chão, escovas e outros0,1 – 4%
Metal eletrônico selecionado, pinos conectores, etc.1%
Dispositivos eletrônicos e similares0,007 – 0,03 %

A reciclagem de sucata de joias é uma ótima oportunidade para uma empresa lucrar, uma vez que são recuperados os metais preciosos presente neles. Na reciclagem não é só recuperado o ouro, mas também prata e platina.

Por serem metais escassos na natureza possuem um alto valor econômico. Contudo, muitas organizações sentem dificuldade em comprar ou vender seus resíduos. Para isso existem plataformas que conectam o gerador, o tratador, o comprador e vendedor dessas sucatas.

Confira: Qual a influência da ISO 14001 no tratamento de resíduos?

Como realizar a reciclagem de sucata de joias

reciclagem de sucata de joias

Para reciclagem de sucata de joias são empregados alguns métodos para recuperar os metais preciosos presente neles. No entanto, nem todas são apropriadas, pois geram residuais que agridem o meio ambiente.

Ao escolher a melhor técnica de recuperação é importante considerar quais os métodos que contribuem para preservação ambiental. A Política Nacional de Resíduos Sólidos determina que tanto o gerador, quanto o tratador são responsáveis pela destinação ambientalmente correta dos resíduos. A lei trás um conjunto de instrumentos para propiciar o aumento da reciclagem e da reutilização dos resíduos e a destinação ambientalmente adequada dos rejeitos.

As técnicas de reciclagem de sucata de joias para recuperação do ouro, por exemplo, são:

  • cupelação;
  • quarteamento e divisão;
  • método de cloração de Miller;
  • método eletrolítico de Wohlwill;
  • célula de Fizzer;
  • extração por Solventes;
  • método com Água Régia;
  • processo Pirometalúrgico.

Os materiais recuperados na reciclagem podem ser usados pelos próprios joalheiros na confecção de outras joias. Também, podem ser utilizados como matéria prima por outras empresas utilizam componentes metálicos em suas fabricações: exemplos, indústria de eletrônicos.

Saiba mais: diferença entre reciclagem primária, secundária e terciária.

Escolha do melhor método de reciclagem

reciclagem de sucata de joias

Para a reciclagem de sucata de joias em pequena e média escala é indicado à reciclagem através da cupelação, quarteamento, célula de Fizzer, método com Água Régia e processo Pirometalúrgico.

O método pirometalúrgico é uma boa opção para quantidades significativas de sucata, principalmente, em termos de velocidade de processo e rentabilidade.

A célula de Fizzer é a única recomendada para reciclagem em escalas muito pequenas.

A cupelação não é muito recomendado devido a emissão de gases tóxicos de óxido de chumbo.

A reciclagem de sucata de joias é uma alquimia, uma transformação grandiosa, possibilitando que o resíduo vire matéria-prima para diversos setores da economia gerando lucro para as empresas.

Concluímos que o setor de fabricação de joias gera em diversas etapas do processo uma quantidade expressiva de sucatas. Essas sucatas, recebendo o tratamento correto, fornecem vários outros subprodutos valiosos, como o ouro. As empresas especializadas no tratamento desses resíduos devem sempre buscar alternativas seguras de atender seus clientes.

Gostou desse conteúdo ou achou o artigo relevante? Comente abaixo ou compartilhe nas redes sociais.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Como se destacar sendo um especialista no tratamento de resíduos

Mercado de resíduos une inteligência e logística

Mercado de resíduos
Brasil joga fora toneladas de resíduos que poderiam ser comercializados por bolsas de resíduos, com ganhos para as empresas e o meio ambiente

Desde a criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em 2010, o setor produtivo teve que se adequar para atender à obrigatoriedade da destinação ambientalmente adequada dos resíduos que produz. Diante da demanda por novos mecanismos para cumprir a lei sem ônus na produção e no lucro, o mercado de resíduos se apresenta como sendo um poderoso aliado da PNRS e uma saída economicamente viável, já que resíduos têm valor monetário e podem ser transformados em matéria-prima.

Voltado para a comercialização de resíduos industriais gerados na produção ou recolhidos por meio da logística reversa, o mercado de resíduos configura uma oportunidade de economia, que se dá por meio da negociação entre produtores, transportadores e processadores.

Esse mercado, que abre novos caminhos para a aplicação da logística reversa, é considerado por especialistas no setor uma boa alternativa, por duas razões. A primeira é a possibilidade de vender um resíduo que demandaria custos para ser descartado, mas que pode interessar a outras empresas. A segunda razão é a possibilidade de se reciclar os resíduos e aproveitá-los como matéria-prima no ciclo produtivo.

Mercado de resíduos
Mercado de resíduos configura uma oportunidade de economia, que se dá por meio da negociação entre produtores, transportadores e processadores

Determinação política

A fim de ilustrar o grande potencial econômico desse mercado, estimativas divulgadas pelo relatório do Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA), apontam que o mercado global de resíduos, considerando desde a coleta até a reciclagem, gira cerca de 410 bilhões de dólares por ano. Todo esse sistema de comercialização está focado, principalmente, em iniciativas governamentais, cujo maior sucesso tem sido obtido por nações europeias.

O continente que mais movimenta o mercado de resíduos é a Europa, que chega a comercializar, anualmente, 150 bilhões de Euros em resíduos, em diferentes etapas. O destaque é para países como Alemanha e Áustria, que agregaram um novo valor ao lixo por meio de investimento na reciclagem, fortalecimento do mercado de resíduos e associação da determinação política com a conscientização social.

Nesse contexto, também sob demanda e pressão dos governos nacionais, um dos segmentos que mais tem crescido é o de lixo eletroeletrônico. Chama a atenção não apenas pela necessidade de destinar adequadamente os rejeitos eletrônicos, mas pelo grande potencial econômico do segmento, que chega a comercializar por até 500 dólares a tonelada de alguns tipos de detritos.

Mercado de resíduos
Na Europa, um dos segmentos que mais tem crescido é o de lixo eletrônico, cujos materiais agregam valor econômico e voltam à linha de produção

Brasil: um mercado incipiente

No país, o comércio de resíduos ainda é pequeno diante do potencial que apresenta. Algumas iniciativas têm sido desenvolvidas, mas nem todas têm obtido êxito em sua implementação. Um dos exemplos é a rede criada para facilitar as negociações, chamada Bolsas de Resíduos, que chegou a ser instituída por algumas entidades do Sistema Indústria.

As bolsas, que são espaços que reúnem informações das ofertas e procuras de resíduos por empresas cadastradas, prosperaram em poucos estados e em muitos outros acabaram sendo extintas. É o caso de Goiás, onde a Federação das Indústrias (Fieg) despendeu esforços para viabilizar a rede no Estado, mas a falta de mobilização dos envolvidos no mercado acabou resultando no encerramento do projeto localmente.

Gestora do Conselho Temático de Meio Ambiente da Fieg, Elaine Lopes lembra que após grandes investimentos na divulgação, parcerias com instituições públicas e realização de incentivos, o programa acabou sendo desativado pela falta de interesse das indústrias. “Mesmo não havendo custos para adesão, as Bolsas não tiveram procura. O que percebemos é que diversas empresas acabam fazendo sua parte apenas para não serem multadas e não aproveitam as outras possibilidades que esse mercado oferece”, lamenta.

A Confederação Nacional das Indústrias (CNI), por sua vez, tentou fortalecer o mercado de resíduos por meio da criação do Sistema Integrado de Bolsas de Resíduos Nacional (SIBR). Ativo desde 2009, o SIBR reúne bolsas de vários estados em um só ambiente. No entanto, diante de obstáculos com tributações e desinteresse de adesão, também não obteve o retorno esperado – que não ocorreu nem mesmo após a aprovação da PNRS.

Na contramão de resultados pouco promissores, ainda é possível encontrar Bolsas de Resíduos ativas e empresas legalizadas do setor privado que desenvolvem um papel semelhante de promover a oferta, procura e até leilões de resíduos provenientes de diversos segmentos. Para participar, basta procurar se informar sobre a existência de bolsa em seu estado ou pesquisar por empresas da área na internet e se cadastrar em uma delas.

Logística reversa

Por força da legislação, alguns setores avançaram mais do que outros no processo da destinação ambientalmente adequada dos resíduos da produção, sobretudo aqueles obrigados a proceder na logística reversa, como o de pneus; pilhas e baterias; embalagens e resíduos de agrotóxicos; lâmpadas fluorescentes, de mercúrio e vapor de sódio; óleos lubrificantes automotivos; peças e equipamentos eletrônicos e de informática; e eletrodomésticos.

Como se destacar sendo um especialista no tratamento de resíduos

especialista no tratamento de resíduos

Como se destacar como especialista no tratamento de resíduos no mercado brasileiro? É sabido, conforme determina a Lei 12.305/2010, Política Nacional dos Resíduos Sólidos, que o reaproveitamento dos resíduos tem sido uma realidade mais presente pelas empresas. Assim, tem-se aumentado cada vez mais o número de empresas especialistas em tratamento de resíduos.

Muito além dos tradicionais metais, papéis, plásticos e borrachas, os tratamentos têm atingido cada vez mais resíduos químicos, orgânicos, efluentes diversos e materiais de alta complexidade. Neste artigo, vamos ajudar você a tornar um especialista como tratador de resíduos. Saiba mais!

O mercado de resíduos no Brasil

especialista no tratamento de resíduos

O mercado de resíduos sólidos já é bastante desenvolvido em alguns países de alta produtividade industrial. Alemanha e Japão, contudo, há ainda um enorme espaço a ser ocupado pelas mais diversas empresas nas nações em desenvolvimento, como é o caso do Brasil.

Estima-se que do total de resíduos produzidos pelas empresas e famílias brasileiras, apenas 8% sejam submetidos ao processo de reciclagem. O restante ainda vai para aterros e lixões. O interessante é que para resíduos mais tradicionais, como alumínio, papel, ferro e plásticos limpos, as taxas de reciclagem podem chegar a 90%. Mas existem milhares de resíduos não explorados pelas empresas, como é o caso dos orgânicos, eletrônicos e materiais contaminados com gordura.

O mercado de reciclagem e destinação de resíduos brasileiro, apesar de pequeno quando comparado ao dos países mais avançados, já movimenta mais de R$10 bilhões de reais todos os anos. Em situação hipotética, se 100% dos resíduos passassem pelo processo de destinação adequada, este valor poderia facilmente passar dos R$100 bilhões.

Leia também: Quais leis influenciam o tratamento de resíduos e o seu negócio?

As oportunidades abertas no mercado de resíduos brasileiro

especialista no tratamento de resíduos

Há muito espaço para ser explorado no mercado de resíduos brasileiro. Uma parte desprezível do lixo doméstico é submetida à coleta seletiva e destinada corretamente.

Há oportunidades também para resíduos complexos, como sucata eletrônica, da qual se pode extrair materiais nobres como ouro e platina. Neste caso, a maior parte deste material é exportada por não haver oferta suficiente de empresas no Brasil que se especialistas em reciclar este tipo de sucata.

Outro resíduo pouco explorado é o químico. Há muitas oportunidades para materiais descartados por operações industriais e de mineração, em geral lubrificantes, ácidos e materiais contaminantes em geral. Ainda há poucas empresas se destacando como especialistas no tratamento destes resíduos.

Exemplos de outros países

especialista no tratamento de resíduos

Há países que hoje se destacam em tecnologias de reciclagem, tendo muitas empresas especialistas no tratamento de resíduos.

Um caso emblemático é o da Alemanha, que hoje trata quase a totalidade de seus resíduos de forma sustentável.  E, ainda, chega a importar sucata para suas usinas de reciclagem eletrônica. Essas agregam valor os produtos, retiram os metais preciosos e transformam lixo em bilhões de euros anualmente.

Outro país que precisou aprender a reciclar é o Japão. Com um território tão pequeno, precisou providenciar formas de acondicionar seus resíduos que não se reduzissem a aterros e lixões. Hoje o Japão processa quase 100% do lixo doméstico e industrial, passando por várias etapas de separação e reciclagem. O material contaminado ou que não pode ser aproveitado por nenhum processo é encaminhado às usinas de incineração. Essas produzem energia elétrica através de caldeiras que utilizam lixo como combustível.

Saiba mais: Cinco vantagens de se realizar o tratamento biológico de resíduos orgânicos

Como se destacar como especialista no tratamento de resíduos?

especialista no tratamento de resíduos

O mercado de resíduos brasileiro ainda carece se especialistas para tratar todos os materiais que geramos por aqui. Mas algumas iniciativas têm possibilitado este avanço e o crescimento desse mercado. Saiba algumas dicas importantes para se destacar como especialista no tratamento de resíduos:

1- Consiga as licenças ambientais obrigatórias

A primeira coisa que uma empresa deve fazer para se destacar como uma especialista é conseguir as licenças ambientais obrigatórias para seu funcionamento. Assim ela poderá ofertar todos os seus serviços com garantia jurídica e isenta de problemas com a fiscalização.

2 – Alcance licenças operacionais para atuar no Brasil

Como especialista no tratamento de resíduos, a empresa precisará obter todas as licenças operacionais obrigatórias. As licenças ambientais são concedidas pelos estados, que possuem regras específicas para a concessão dos documentos. Em geral, as empresas contratam consultorias para ajudá-las no processo de licenciamento ambiental.

No caso das empresas que geram resíduos com algum nível de relevância ambiental, é necessária também a licença federal concedida pelo IBAMA. Semelhantemente ao processo das secretarias estaduais irá requerer alguma consultoria ou experiência da equipe da empresa para a liberação do documento.

3 – Encontre clientes no mercado de resíduos 

Uma boa dica é encontrar clientes — empresas geradoras — para conseguir resíduos de acordo com seu negócio. O ideal é encontrar resíduos pelos melhores valores possíveis e com fonte geradora mais próxima.

Uma solução é utilizar algumas plataformas já existentes no mercado de oferta e busca de resíduos. A exemplo temos a VG Resíduos, ou Mercado de Resíduos, que permite aos tratadores de resíduos a fácil localização de novos clientes. Assim, pode-se ter uma maior geração de lucro e ampliação do negócio para empresas tratadoras.

4 – Manter uma boa prestação de serviços

Como último passo é importante manter uma boa prestação de serviço às empresas geradoras, mantendo em ordem todo o gerenciamento da operação. O VG Resíduos, permite que todas as destinações sejam documentadas e comprovadas tanto para o gerador quanto para o tratador, fazendo que que o processo seja seguro e legalmente válido.

O tratamento de resíduos no Brasil é um setor ainda pouco explorado e repleto de oportunidades lucrativas. Embora alguns setores estejam mais saturados — alumínio, papéis, plásticos — há outros pouco trabalhados por empresas tratadoras de resíduos.

Sendo assim, com a Lei da Política Nacional dos Resíduos Sólidos, o reaproveitamento dos resíduos tem aumentado pelas empresas. Assim, como tem crescido o número de empresas tratadoras de resíduos, torna-se útil saber como se destacar nesse mercado. E esperamos ter ajudado você a tornar um especialista no tratamento de resíduos!

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Precisa se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: É possível tratar e reciclar embalagens de aerossol e spray?

 

Algumas matérias que podem te interessar

© VG Residuos Ltda, 2019