×

Quatro dicas eficientes para localizar geradores de resíduos químicos

Como localizar geradores de resíduos químicos? Os resíduos químicos podem ser uma dor de cabeça para uma empresa que gera esses materiais e não sabe como gerenciá-los. No entanto, é possível solucionar esse impasse, realizando parcerias com organizações tratadoras e transferindo a elas as atribuições do transporte e da destinação correta dos resíduos químicos.

A vantagem das empresas especializadas em resíduos químicos é que elas possuem uma estrutura adequada para transportar e fazer o manejo correto desses materiais considerados perigosos. Isso permite que as geradoras tirem o foco dos resíduos e concentrem em seu negócio principal, aumentando assim sua produtividade e lucratividade.

Mas como buscar esses materiais, quais normais ambientais devem ser seguidas e os diferenciais que as empresas transportadoras e tratadoras podem oferecer? Acompanhe!

Leia também: Como demonstrar seus diferenciais como tratador de resíduos perigosos?

Dica 1: Conheça as geradoras de resíduos químicos

A gestão dos resíduos sólidos é um compromisso que não pode ser ignorado pelas empresas. Uma organização sustentável é aquela que está atenta aos resíduos que são gerados em seus processos de fabricação. Não basta mais amontoar as sobras em uma área da empresa. Desde a criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), toda empresa é obrigada a fazer a gestão correta dos materiais provenientes das atividades corporativas ou entregar o gerenciamento a uma empresa especializada.

A desatenção às normas da política de resíduos traz riscos ao meio ambiente e a saúde humana, podendo resultar em multas, punições severas e até mesmo paralisação das atividades empresariais. Existe, ainda, a possibilidade de denúncias e boicote por parte de comunidades do entorno, especialmente quando se trata dos resíduos químicos, que são altamente poluentes.

A geração desses resíduos com potencial poluidor pode se tornar um transtorno para as empresas, por isso vale apostar na contratação de uma empresa que tem know-how no manejo desse tipo de material.

E com quais geradoras de resíduos químicos as tratadoras podem trabalhar? As indústrias e o setor farmacêutico são os geradores desse tipo de material, que é dividido em nove classes:

  • explosivos;
  • gases;
  • líquidos inflamáveis;
  • sólidos inflamáveis;
  • substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos;
  • substâncias tóxicas e substâncias infectantes;
  • materiais radioativos;
  • substâncias corrosivas;
  • substâncias e artigos perigosos diversos.

Dica 2: Consulte o mercado de resíduos

Para chegar de forma mais eficiente às geradoras de resíduos químicos uma alternativa é consultar o mercado de resíduos. Há plataformas digitais como a da VG Resíduos ou Mercados de Resíduos que aproximam geradoras e tratadoras.

De forma totalmente eletrônica, a plataforma tem um cadastro de geradores de resíduos, com o tipo de material e a quantidade produzida. As empresas tratadoras podem consultar esse banco de dados, ofertando às geradoras seus serviços de gestão ou mesmo a compra dos resíduos. Na sequência, a plataforma seleciona a melhor oferta. A partir daí, gerador e a empresa tratadora passam a manter contato pela plataforma e iniciam a parceria.

A eficiência desse serviço do grupo Verde Ghaia está na praticidade e comodidade. A plataforma integra milhares de empresas brasileiras interessadas em soluções para os resíduos e estrutura uma rede de contatos para que essas organizações se tornem parceiras.

O sistema é totalmente digitalizado e compradores, vendedores, transportadores e tratadores podem acessar a plataforma a qualquer momento, 24 horas por dia, de qualquer lugar do mundo.

Conheça: 6 dicas para o tratador de resíduos mostrar seus diferenciais no mercado

Dica 3: Transporte cuidadosamente os resíduos químicos

Firmada a parceria, é essencial o cuidado com o transporte dos resíduos químicos. A empresa deve ter um cuidado extremo ao buscar os materiais porque eles têm características de alta periculosidade, como:

  • Inflamabilidade: são resíduos que podem entrar em combustão facilmente ou de maneira espontânea;
  • Toxicidade: são materiais que agem sobre organismos vivos, provocando danos a suas estruturas biomoleculares, podem incluir aspectos carcinogênicos, teratogênicos, mutagênicos, entre outros;
  • Corrosividade: são resíduos que devido a sua característica ácida atacam materiais e organismos vivos.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) é o órgão responsável pela regulamentação de normas para o transporte de materiais perigosos no Brasil. A Resolução ANTT nº 5232/2016 é que indica quais os cuidados devem ser seguidos pela transportadora que assume os resíduos químicos.

Um aspecto que merece atenção é que empresa geradora também é corresponsável pelo transporte dos resíduos perigosos. Sendo assim, pode ser punida juntamente à transportadora se foram desrespeitadas as normas da ANTT.

O primeiro requisito para estar em dia com as normas de transporte é obter uma licença ambiental. Essa autorização vale tanto para o transporte quanto para o tratamento. Para obter tal documentação uma consultoria é uma medida que acelera o processo e evita equívocos.

Saiba: Como demonstrar que sua empresa trata corretamente resíduos hospitalares?

Dica 4: Recicle os resíduos químicos

De acordo com a política de gestão de resíduos sólidos, deve haver um esforço para que as sobras sejam reduzidas, visto que há um excesso de materiais gerados, fruto do aumento do consumo e do uso predatório dos recursos naturais nos processos de fabricação de produtos. Na impossibilidade de diminuir os resíduos, eles devem ser reciclados ou reutilizados.

Para as empresas tratadoras de resíduos químicos é importante investir na reciclagem, pois isso demonstra que a organização é ecoficiente. Além disso, transformar os resíduos químicos poupa o meio ambiente e pode gerar lucros.

A reciclagem por meio do coprocessamento é um exemplo. A empresa tratadora pode usar esse método para transformar o resíduo químico em um produto que gere renda com a produção de uma matéria prima secundária.

Outro exemplo da transformação dos resíduos químicos vem do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena), da Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba. O Cena tem conseguido reciclar resíduos químicos como chumbo, prata, mercúrio, zinco e de outros elementos tóxicos gerados em laboratório.

Como se vê, há várias soluções sustentáveis quando se opta por localizar geradores de resíduos químicos. Alternativas de reciclagem e de geração de lucro podem surgir a partir de parcerias com organizações especializadas, desde que essas sigam os requisitos para o transporte e manejo adequado dos resíduos químicos.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Como se destacar sendo um especialista no tratamento de resíduos

Como se destacar sendo um especialista no tratamento de resíduos

especialista no tratamento de resíduos

Como se destacar como especialista no tratamento de resíduos no mercado brasileiro? É sabido, conforme determina a Lei 12.305/2010, Política Nacional dos Resíduos Sólidos, que o reaproveitamento dos resíduos tem sido uma realidade mais presente pelas empresas. Assim, tem-se aumentado cada vez mais o número de empresas especialistas em tratamento de resíduos.

Muito além dos tradicionais metais, papéis, plásticos e borrachas, os tratamentos têm atingido cada vez mais resíduos químicos, orgânicos, efluentes diversos e materiais de alta complexidade. Neste artigo, vamos ajudar você a tornar um especialista como tratador de resíduos. Saiba mais!

O mercado de resíduos no Brasil

especialista no tratamento de resíduos

O mercado de resíduos sólidos já é bastante desenvolvido em alguns países de alta produtividade industrial. Alemanha e Japão, contudo, há ainda um enorme espaço a ser ocupado pelas mais diversas empresas nas nações em desenvolvimento, como é o caso do Brasil.

Estima-se que do total de resíduos produzidos pelas empresas e famílias brasileiras, apenas 8% sejam submetidos ao processo de reciclagem. O restante ainda vai para aterros e lixões. O interessante é que para resíduos mais tradicionais, como alumínio, papel, ferro e plásticos limpos, as taxas de reciclagem podem chegar a 90%. Mas existem milhares de resíduos não explorados pelas empresas, como é o caso dos orgânicos, eletrônicos e materiais contaminados com gordura.

O mercado de reciclagem e destinação de resíduos brasileiro, apesar de pequeno quando comparado ao dos países mais avançados, já movimenta mais de R$10 bilhões de reais todos os anos. Em situação hipotética, se 100% dos resíduos passassem pelo processo de destinação adequada, este valor poderia facilmente passar dos R$100 bilhões.

Leia também: Quais leis influenciam o tratamento de resíduos e o seu negócio?

As oportunidades abertas no mercado de resíduos brasileiro

especialista no tratamento de resíduos

Há muito espaço para ser explorado no mercado de resíduos brasileiro. Uma parte desprezível do lixo doméstico é submetida à coleta seletiva e destinada corretamente.

Há oportunidades também para resíduos complexos, como sucata eletrônica, da qual se pode extrair materiais nobres como ouro e platina. Neste caso, a maior parte deste material é exportada por não haver oferta suficiente de empresas no Brasil que se especialistas em reciclar este tipo de sucata.

Outro resíduo pouco explorado é o químico. Há muitas oportunidades para materiais descartados por operações industriais e de mineração, em geral lubrificantes, ácidos e materiais contaminantes em geral. Ainda há poucas empresas se destacando como especialistas no tratamento destes resíduos.

Exemplos de outros países

especialista no tratamento de resíduos

Há países que hoje se destacam em tecnologias de reciclagem, tendo muitas empresas especialistas no tratamento de resíduos.

Um caso emblemático é o da Alemanha, que hoje trata quase a totalidade de seus resíduos de forma sustentável.  E, ainda, chega a importar sucata para suas usinas de reciclagem eletrônica. Essas agregam valor os produtos, retiram os metais preciosos e transformam lixo em bilhões de euros anualmente.

Outro país que precisou aprender a reciclar é o Japão. Com um território tão pequeno, precisou providenciar formas de acondicionar seus resíduos que não se reduzissem a aterros e lixões. Hoje o Japão processa quase 100% do lixo doméstico e industrial, passando por várias etapas de separação e reciclagem. O material contaminado ou que não pode ser aproveitado por nenhum processo é encaminhado às usinas de incineração. Essas produzem energia elétrica através de caldeiras que utilizam lixo como combustível.

Saiba mais: Cinco vantagens de se realizar o tratamento biológico de resíduos orgânicos

Como se destacar como especialista no tratamento de resíduos?

especialista no tratamento de resíduos

O mercado de resíduos brasileiro ainda carece se especialistas para tratar todos os materiais que geramos por aqui. Mas algumas iniciativas têm possibilitado este avanço e o crescimento desse mercado. Saiba algumas dicas importantes para se destacar como especialista no tratamento de resíduos:

1- Consiga as licenças ambientais obrigatórias

A primeira coisa que uma empresa deve fazer para se destacar como uma especialista é conseguir as licenças ambientais obrigatórias para seu funcionamento. Assim ela poderá ofertar todos os seus serviços com garantia jurídica e isenta de problemas com a fiscalização.

2 – Alcance licenças operacionais para atuar no Brasil

Como especialista no tratamento de resíduos, a empresa precisará obter todas as licenças operacionais obrigatórias. As licenças ambientais são concedidas pelos estados, que possuem regras específicas para a concessão dos documentos. Em geral, as empresas contratam consultorias para ajudá-las no processo de licenciamento ambiental.

No caso das empresas que geram resíduos com algum nível de relevância ambiental, é necessária também a licença federal concedida pelo IBAMA. Semelhantemente ao processo das secretarias estaduais irá requerer alguma consultoria ou experiência da equipe da empresa para a liberação do documento.

3 – Encontre clientes no mercado de resíduos 

Uma boa dica é encontrar clientes — empresas geradoras — para conseguir resíduos de acordo com seu negócio. O ideal é encontrar resíduos pelos melhores valores possíveis e com fonte geradora mais próxima.

Uma solução é utilizar algumas plataformas já existentes no mercado de oferta e busca de resíduos. A exemplo temos a VG Resíduos, ou Mercado de Resíduos, que permite aos tratadores de resíduos a fácil localização de novos clientes. Assim, pode-se ter uma maior geração de lucro e ampliação do negócio para empresas tratadoras.

4 – Manter uma boa prestação de serviços

Como último passo é importante manter uma boa prestação de serviço às empresas geradoras, mantendo em ordem todo o gerenciamento da operação. O VG Resíduos, permite que todas as destinações sejam documentadas e comprovadas tanto para o gerador quanto para o tratador, fazendo que que o processo seja seguro e legalmente válido.

O tratamento de resíduos no Brasil é um setor ainda pouco explorado e repleto de oportunidades lucrativas. Embora alguns setores estejam mais saturados — alumínio, papéis, plásticos — há outros pouco trabalhados por empresas tratadoras de resíduos.

Sendo assim, com a Lei da Política Nacional dos Resíduos Sólidos, o reaproveitamento dos resíduos tem aumentado pelas empresas. Assim, como tem crescido o número de empresas tratadoras de resíduos, torna-se útil saber como se destacar nesse mercado. E esperamos ter ajudado você a tornar um especialista no tratamento de resíduos!

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Precisa se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: É possível tratar e reciclar embalagens de aerossol e spray?

 

Algumas matérias que podem te interessar

© VG Residuos Ltda, 2018