×

Quais os principais tipos de logística reversa no Brasil?

Quais os principais tipos de logística reversa no Brasil?
5 (100%) 1 voto

Existem diversos tipos de logística reversa no Brasil que reciclam os resíduos, dando vida nova a detritos que poderiam estar contaminando a natureza. Porém, o sistema só funciona com o envolvimento de vários setores, incluindo consumidores, fabricantes e comerciantes.

A logística reversa tem sido considerada um mecanismo ecologicamente correto, que evita a degradação ambiental e o excesso de resíduos na natureza. Por meio dela, os materiais, pós-venda ou pós-consumo, voltam para o ciclo de negócios ou ciclo produtivo. Difere-se do meio tradicional, no qual o produto sai do fabricante e termina seu ciclo no consumidor. No processo reverso, a mercadoria, pós-uso, volta ao produtor. Isso se dá por meio de pontos de coleta, nos quais os consumidores depositam os resíduos, depois de utilizarem os produtos.

A seguir, você conhece os principais métodos de logística reversa no Brasil e como esse sistema colabora para que geradoras destinem de maneira correta os resíduos que geram. Acompanhe!

descartar resíduos de cosméticos

Entenda a importância da logística reversa

Estudos como este apontam que a logística reversa é uma solução eficiente para os problemas de acúmulo de resíduos no Brasil. Embora ainda tenha muitos desafios a serem superados, para as empresas que geram resíduos, os fluxos reversos não só significam ganhos econômicos. As organizações que adotam a logística reversa também evitam os passivos ambientais.

Uma das grandes vantagens da logística reversa é que ela possibilita a reciclagem dos materiais, diminuindo os custos com a compra de nova matéria-prima. Além disso, diminui o acúmulo de resíduos e a degradação ambiental, dando vida nova às sobras, que podem ser reinseridas no ciclo produtivo.

Para a imagem da empresa também é muito benéfico aderir à logística reversa. Sinaliza que é um compromisso da organização fabricar produtos com responsabilidade ambiental. Isso faz com que consumidores deem preferência a essa empresa, pois o público está cada vez mais vigilante quanto às organizações que atuam de forma consciente em relação ao meio ambiente.

Veja como realizar a logística reversa

O objetivo principal da logística reversa é que os fabricantes de produtos que geram resíduos criem condições de receber essas sobras após a mercadoria ser usada pelo consumidor final.

Para o sucesso do fluxo reverso deve haver o envolvimento de vários agentes. O governo deve investir em educação ambiental, estimulando a devolução dos resíduos dos produtos. O consumidor deve se empenhar em depositar os resíduos dos produtos que são inutilizáveis. Os fabricantes ou comerciantes devem instalar postos de coleta para a devolução dessas sobras e as empresas precisam recolher esses materiais, dando a eles um destino correto.

Ao receber essas sobras, um ponto importante é o gerenciamento responsável delas pelo fabricante. É fundamental investir em soluções de reciclagem, pois o resíduo que chega de volta pode se tornar matéria-prima da fábrica, sendo reinserido em seu processo produtivo.

Ao adotar a reciclagem depois de receber os resíduos, a organização evita desperdícios, diminui a poluição e problemas como a geração de gases tóxicos. Além disso, poupa a exploração de matérias-primas naturais e o descarte negligente das sobras no meio ambiente, o que pode contaminar solos e rios.

descartar resíduos de cosméticos

Conheça os principais tipos de logística reversa no Brasil

O fluxo reverso pode ser aplicado a todos os tipos de resíduos, mas é essencial para os produtos ou embalagens que representam algum tipo de risco ao meio ambiente ou a saúde pública.

Sendo assim, os produtos cujos resíduos estão sujeitos à logística reversa estão incluídos em sete grupos:

  • pilhas e baterias;
  • pneus;
  • lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio, mercúrio e de luz mista;
  • óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens;
  • produtos eletrônicos e seus componentes;
  • eletrodomésticos;
  • resíduos de embalagens de agrotóxicos

Os pneus, por exemplo, que estão na lista acima, a partir do fluxo reverso são capazes de produzir energia pelo método de co-processamento. Outro exemplo positivo da logística reversa vem dos óleos automotivos. Uma vez recolhidos, eles podem ser reciclados especialmente pelo sistema de rerrefino. Através do processo físico-químico composto de várias etapas, o óleo lubrificante usado é transformado em óleo novo.

O óleo automotivo usado ou contaminado tem cerca de 80% a 85% de óleo lubrificante básico.  Com o rerrefino é possível gerar matéria-prima com a mesma qualidade do produto de primeiro refino.  Além de novo óleo, o rerrefino também gera subprodutos como:

  • fração asfáltica do óleo (maior parte degradada do óleo lubrificante usado): empregada como plastificante em derivados do petróleo;
  • MPC-LW: usado nas indústrias cerâmicas;
  • gesso: empregado na agricultura e na correção do pH do solo;
  • combustível pesado: empregado em fornos de alta temperatura

descartar resíduos de cosméticos

Facilite a Logística Reversa com a VG Resíduos

A aplicação da logística reversa ainda exige alguns desafios das empresas geradoras de resíduos. Por isso, contar com uma consultoria pode ser um passo acertado. A equipe da Verde Ghaia pode orientar as geradoras sobre as fases a serem implantadas, sistemas de coleta e de reciclagem dos resíduos, tudo de acordo com a legislação ambiental.

Além disso, a geradora pode contar com o Mercado de Resíduos, uma plataforma na qual produtores e tratadores de resíduos podem negociar suas sobras. Por meio de um software, geradores anunciam seus resíduos ou produtos reciclados e tratadores procuram materiais para manejo. A plataforma coloca ambos em contato, favorecendo a realização dos melhores negócios.

Como se vê, investir no fluxo reverso pode ser uma solução ecologicamente correta para empresas que geram resíduos. Há vários tipos de logística reversa no Brasil, reinserindo as sobras no processo produtivo da empresa. Rompe-se com a lógica convencional, na qual o produto sai do fabricante e termina seu ciclo no consumidor. No processo reverso, os resíduos dos produtos voltam às fábricas e podem ganhar vida nova.

Com o envolvimento de consumidores, fabricantes e comerciantes é possível tirar de circulação sobras que podem contaminar o meio ambiente, dando vida nova a elas. Ganha o planeta, as pessoas e as empresas geradoras.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Logística Reversa: gerando valor para o seu resíduo.

descartar resíduos de cosméticos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© VG Residuos Ltda, 2018