Veja quais são os tipos de tratamento mais indicados para diferentes resíduos

16/11/2020

Veja quais são os tipos de tratamento mais indicados para diferentes resíduos

É importante conhecer muito bem os resíduos da sua empresa para que sejam selecionados os tratamentos mais adequados. Os tratamentos podem ser físicos, químicos ou biológicos e as características de cada resíduo é que determinará qual tipo de tratamento é mais indicado e mais economicamente viável. Veja neste artigo quais são os tipos de tratamento mais indicados para cada tipo de resíduo.

Com a legislação ambiental cada vez mais rigorosa e o aumento da competitividade no mercado, é fundamental que a empresa conte com o tratamento adequado de resíduos, uma vez que esse processo é parte integrante da gestão dos resíduos.

Para descobrir qual o melhor tratamento para o seu material, deve-se primeiramente classificá-lo de acordo com a NBR 10004, para identificar se são: perigosos, resíduos inertes ou não inertes, sendo as classificações: Classe I, II A e II B, respectivamente.

Veja abaixo o que abordaremos neste artigo:

  • classificação dos resíduos
  • legislação ambiental sobre o tratamento dos rejeitos
  • qual o melhor tratamento para cada tipo de resíduo
  • benefícios do tratamento de resíduos
  • VG Resíduos e a gestão dos resíduos

Classificação dos resíduos

Para saber qual o melhor tratamento para seu resíduo primeiramente deve-se classificá-lo conforme NBR 10.004 (classificação dos resíduos sólidos), conforme o anexo G.

E, para classificar os resíduos deve-se fazer uma amostra representativa (NBR 10.007) e realizar os procedimentos para classificação (NBRs: 10.005 e 10.006).

A norma NBR 10.004, divide os resíduos nas classes abaixo:

Resíduos Classe I – Perigosos: são aqueles que apresentam periculosidade e características como inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade. Veja abaixo alguns exemplos destes resíduos:

  • pilhas e baterias;
  • lâmpadas fluorescentes;
  • pneus inservíveis;
  • embalagens de agrotóxicos.

**Resíduos Classe II A – Não Inertes: **São aqueles que não se enquadram nas classificações de resíduos classe I - Perigosos ou de resíduos classe II B – Inertes. Confira a listagem abaixo com alguns exemplos:

  • restos de alimentos;
  • materiais têxteis;
  • fibras de vidro;
  • lodo dos sistemas de tratamento de efluentes;
  • gessos;
  • lixas.

Os resíduos classe II A – Não inertes podem ter propriedades, tais como: biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água.

Resíduos Classe II B – Inertes: São quaisquer resíduos que, quando amostrados de uma forma representativa e submetidos a um contato dinâmico e estático com água destilada ou deionizada, à temperatura ambiente não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água, excetuando-se aspecto, cor, turbidez, dureza e sabor. Veja alguns exemplos abaixo:

  • sucata de ferro;
  • vidros;
  • plásticos;
  • borrachas;
  • isopor;
  • resíduos que não são facilmente decompostos.

Os resíduos perigosos deverão ter tratamento especial, devido às suas características. E os resíduos não inertes, mesmo tendo esse nome sugestivo, não devem ser descartados de qualquer forma, pois podem causar impactos ambientais negativos.

Para tanto a VG Resíduos auxilia a sua empresa a identificar seus resíduos a classifica-los de acordo com a norma, além de equipar as organizações com tudo que elas precisam antes e pós destinação final dos resíduos.

É importante destacar que as empresas devem classificar os resíduos corretamente, para não sofrerem punições legais junto aos órgãos ambientais por destiná-los de forma incorreta. E, também uma forma de cumprir a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), do Ministério do Meio Ambiente.

As instituições que classificam corretamente seus resíduos possuem mais rentabilidade nos seus negócios, pois assim conseguem identificar os resíduos que podem ser vendidos e os que não podem ser vendidos, além de realizarem o tratamento correto.

Para a venda dos resíduos, o empreendedor pode utilizar a plataforma Mercado de Resíduos, que é um software criado para estabelecer o encontro entre as empresas geradoras de resíduos e os compradores de resíduos. Conhecendo melhor os resíduos

Legislação ambiental sobre o tratamento dos rejeitos

Legislação ambiental sobre o tratamento dos rejeitos

A Lei 12.305/2010, da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), diz no seu artigo 9º que o tratamento de resíduos sólidos é a quinta prioridade no gerenciamento dos resíduos sólidos, vejamos na íntegra:

“Lei 12.305/2010 – art 9º na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade:

  1. Não geração;
  2. Redução;
  3. Reutilização;
  4. Reciclagem;
  5. Tratamento dos resíduos sólidos;
  6. Disposição final ambiental adequada dos rejeitos.

1º poderão ser utilizadas tecnologias visando à recuperação energética dos resíduos sólidos urbanos, desde que tenha sido comprovada sua viabilidade técnica e ambiental e com a implantação de programa de monitoramento de emissão de gases tóxicos aprovado pelo órgão ambiental.

2º a Política Nacional de Resíduos Sólidos e as Políticas de Resíduos Sólidos dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios serão compatíveis com o disposto no caput e no §1º deste artigo e com as demais diretrizes estabelecidas nesta Lei.”

Sabendo qual tipo de resíduo a empresa está recolhendo para tratamento, é importante seguir pelo menos três leis:

Lei 12.305/2010 – Política Nacional dos Resíduos Sólidos; Lei 11.445/2007 – Política Nacional de Saneamento Básico; Lei 9.605/1998 – Lei de Crimes Ambientais.

Gestão ambiental

Qual o melhor tratamento para cada tipo de resíduo?

Para tratar os resíduos sólidos, deve-se classifica-los primeiramente para então apontar qual o melhor tratamento.

No tratamento de resíduos são utilizados tecnologias que neutralizam as características negativas que um resíduo tem. Essas tecnologias podem também transformá-las em um produto que gere renda com a produção de uma matéria prima secundária.

As tecnologias para tratamento de resíduos sólidos mais utilizadas pode ser separado em 3 grupos: tratamento mecânico; tratamento bioquímico; e tratamento térmico. Geralmente todos os bens de consumo são resíduos sólidos em potencial. Tudo que é produzido pela atividade humana e consumido em residências, comércios e indústrias, após não ter mais utilidade, pode ser separado, selecionado e processado, resultando em resíduo sólido.

Vejamos alguns exemplos de formas para tratar o rejeito:

  • Tratamento mecânico: é a realização de procedimentos com ocorrência física dos rejeitos. Vejamos quais as formas existentes deste tipo de tratamento:

  • diminuição do tamanho das partículas: trituração, quebra;

  • mistura de substâncias: compactação;

  • separação de fases físicas: sedimentação, filtragem, decantação;

  • mudanças dos estados físicos: condensação, evaporação.

Os resíduos que podem ter este tipo de tratamento são os resíduos inertes e não inertes.

Exemplo de tratamento mecânico é a reciclagem. A reciclagem consiste na reintrodução dos resíduos no processo de produtos. Gera economia de energia nos processos de produção, e diminui a utilização de matéria-prima.

A reciclagem é o processo de reaproveitamento do resíduo que não serve mais para o processo, com mudanças em seus estados físico, físico-químico ou biológico, de modo a atribuir características para que se torne novamente matéria-prima ou produto;

  • Tratamento bioquímico: acontece com a ação de seres vivos (microorganismos) que se alimentam dos restos, quebram as moléculas e as transforma em uma mistura de substâncias.

Os tratamentos bioquímicos são:

biodigestão: decomposição da matéria orgânica sem a presença de oxigênio. Exemplo: biodigestor;

compostagem: realizado através de processo biológico de decomposição da matéria orgânica, o resultado final é um composto orgânico, podendo ser utilizado no solo sem ocasionar riscos ao meio ambiente.. Exemplo: Usina de compostagem.

Os resíduos que podem ter este tipo de tratamento são somente os resíduos não inertes.

  • Tratamento Térmico: aqui os resíduos recebem calor e com isso resultam na mudança das suas características, devido aos processos físico-químicos que acontecem no processo.

Os tratamentos térmicos conhecidos são:

incineração: oxidação total da matéria com temperaturas variando entre 850 a 1300º C;

pirólise: decomposição da matéria a altas temperatura na ausência de oxigênio. Temperaturas variam entre 200 a 900º C;

plasma: desintegração da matéria para a formação de gases.

Os resíduos que podem ter este tipo de tratamento são somente os resíduos perigosos e os inertes.

A VG Resíduos, tem toda expertise no assunto, e pode te auxiliar na escolha do melhor tratamento para seus resíduos.

ebook passo a passo para encontrar fornecedor qualificado

Benefícios do tratamento de resíduos

O reaproveitamento de determinados resíduos produzem diversos benefícios, vejamos alguns deles:

  • economia de energia;
  • economia de matéria prima;
  • redução do impacto ambiental;
  • geração de fonte de renda;
  • valorização do resíduo perante o mercado.

VG Resíduos e a gestão dos resíduos

A VG Resíduos conta com a plataforma de Gestão de Resíduos Sólidos. O software especializado de gestão de resíduos da VG Resíduos permite que as empresas gerenciem e busquem tecnologias para tratamento de resíduos sólidos, garantam conformidade ambiental e aprimorem seu desempenho ambiental.

A solução da VG Resíduos é um software excelente para atender às necessidades da organização relacionadas à gestão dos resíduos gerados, armazenados, transportados, tratados e que recebem a disposição final.

Através do software online a empresa tem acesso a um mecanismo automático, que gerencia o ciclo de vida completo dos resíduos, iniciando na sua geração até chegar em sua disposição final.

A solução VG Resíduos facilita o cumprimento dos regulamentos ambientais através da padronização e organização de toda a documentação.

Também, através do software online, são gerados automaticamente formulários para coleta de registros de todos os dados essenciais de cada tipo de resíduo, como: destinadores, transportadores, unidades geradoras, etc.

Importante destacar a ISO 14001, que é uma norma focada no sistema de gestão ambiental. Ela traz os requisitos referentes aos resíduos sólidos e permite as empresas a ter melhor controle dos efeitos ambientais de todo o processo industrial, e auxilia também na indicação do melhor tratamento e destinação final dos resíduos produzidos pelo seu negócio.

A VG Resíduos pode te dar suporte na implementação desta norma e na melhor escolha para os tratamentos dos seus resíduos.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Gerenciamento de resíduos

Compartilhe!