Quais possíveis efeitos do coronavírus sobre o meio ambiente?

Com a pandemia, os efeitos do coronavírus sobre o meio ambiente tem se mostrado positivo em relação à redução dos impactos ambientais provocados pelas indústrias. Um desses efeitos é a redução das emissões de gases que contribuem para as mudanças climáticas e a redução na geração de resíduos, já que muitas empresas pararam temporariamente suas atividades para evitar a disseminação do vírus. Contudo, pode haver uma maior geração de resíduos domiciliares que não receberão um destino adequado, além do aumento na geração de resíduo de saúde contaminado com o vírus.

O fechamento de fábricas e do comércio, além das restrições de viagem para lidar com a disseminação do vírus resultou em redução nas emissões de CO2, no uso de combustíveis fósseis, na geração de resíduos e uso de matéria prima. Confira!

O novo coronavírus

O novo coronavírus é um agente biológico da família dos coronavírus capaz de causar infecção respiratória. Foi descoberto em dezembro de 2019 na China, após o vírus infectar moradores de Wuhan. Acreditam que a contaminação pelo vírus tenha vindo de animais vendidos no mercado central dessa província.

A contaminação pelo novo coronavírus causa a doença COVID-19. O COVID– 19 são leves em 80% dos casos. A maior taxa de mortalidade está entre as pessoas com mais de 80 anos (14,8% dos infectados) e pacientes com outras doenças, principalmente as cardiovasculares.

Segundo alguns cientistas, o novo coronavírus se disseminou pelo mundo em virtude a ação destrutiva e invasora do ser humano contra a natureza.

A família de coronavírus já é conhecida desde meados dos anos 1960. Geralmente, as infecções destes já conhecidos causam doenças respiratórias leves à moderada, semelhantes a um resfriado comum. Esse já causa uma doença respiratória mais grave para alguns acometidos.

Com o aumento da urbanização, o coronavírus quebrou seu ciclo natural, deixou seu hospedeiro natural e alcançou o homem, cujo organismo ainda não está preparado para combatê-lo.

A disseminação do vírus é resultado do consumo desenfreado, da destruição do planeta e das mudanças climáticas. Por isso a importância em buscar meios de consumo e produção mais limpa, protegendo o meio ambiente e seus recursos.

Efeitos do coronavírus sobre o meio ambiente

Um dos efeitos do coronavírus sobre o meio ambiente é o ar mais limpo e a redução das emissões de gases que contribuem para as mudanças climáticas. O que ocasionou essa melhora foi o fechamento temporário de várias empresas, além da restrição no comércio e de viagens.

Menos indústrias e menos circulação de veículos que utilizam combustível fóssil resulta em menos emissão dióxido de carbono (CO₂) e dióxido de nitrogênio (NO2) na atmosfera.

Em uma reportagem da revista EXAME é citado à redução na concentração de dióxido de nitrogênio (NO2) em fevereiro na cidade chinesa de Wuhan, epicentro da pandemia de COVID-19. Em março o mesmo fenômeno foi confirmado no norte da Itália.

Conforme a revista o mesmo estaria acontecendo em Madri e Barcelona, onde também estão sendo tomadas medidas drásticas de confinamento.

Outro efeito do coronavírus sobre o meio ambiente é o aumento na geração de resíduos de saúde e domiciliares. A população por estar em casa em isolamento consumirá mais, consequentemente, gerará mais resíduo. Boa parte dos municípios não possui coleta seletiva de resíduos recicláveis e nem aterros sanitários para receber os resíduos. A coleta, principalmente em cidades menores, é precária. Muitas vezes o resíduo acaba sendo descartado em lixões a céu aberto ou em outros locais ilegais.

Além disso, como muitos infectados estão realizando o tratamento em casa, os resíduos gerados por eles podem esta infectado pelo coronavírus e devem receber tratamento adequado antes do descarte.

Os resíduos gerados em áreas hospitalares que realizam o tratamento contra a COVID-19 também deve receber a destinação final correta. Com o aumento de casos da contaminação a quantidade de resíduos aumentará consideravelmente.

Cuidado com resíduos contaminados com COVID-19

coronavírus sobre o meio ambiente

É importante que os resíduos sejam acondicionados e destinados de maneira segura e ambientalmente correta para evitar os impactos ambientais. Para isso, deve haver uma gestão de resíduos adequada.

Todo resíduo deve ser acondicionado em sacos de cor branco leitosa, impermeáveis, de material resistente à ruptura e vazamento contidos no seu interior. O limite de peso dos sacos também deve ser respeitado, ou seja, devem ser substituídos quando atingirem 2/3 de sua capacidade ou pelo menos 1 vez a cada 48 horas.

Esses sacos devem ser identificados pelo símbolo de substância infectante, com rótulos de fundo branco, desenho e contornos pretos.

Durante toda etapa de gerenciamento os sacos devem permanecer dentro de recipientes de acondicionamento tampados. Os materiais desses contentores devem ser do tipo lavável, resistente à ruptura, vazamento e tombamento.

Além disso, a empresa deve estabelecer um local para armazenamento temporária dos resíduos até o seu recolhimento, conforme especificado na RDC/ANVISA nº 222/2018.

Antes do descarte esses resíduos deverão receber tratamento prévio que assegure a eliminação das características de periculosidade do resíduo, a preservação dos recursos naturais e, o atendimento aos padrões de qualidade ambiental e de saúde pública.

Como a VG Resíduos auxilia a enfrentar a crise do coronavírus?

coronavírus sobre o meio ambiente

Esses efeitos do coronavírus sobre o meio ambiente são momentâneos, pois com o fim da pandemia a produção irá voltar ao normal. Para contribuir com a preservação ambiental as empresas devem realizar uma gestão de resíduos eficiente.

A gestão de resíduos da VG Resíduos controla a geração, a destinação, os documentos comprobatórios e emite os relatórios exigidos pelos órgãos ambientais. O software automatiza todo o processo de gestão de resíduos em uma empresa, assim ela terá mais eficiência, menos custos, melhor aproveitamento do tempo, maior segurança nos dados e menores risco de descumprir leis ambientais.

A automatização na gestão de resíduos surge como grande aliada para as empresas, principalmente com essa crise do coronavírus. Uma vez que o monitoramento dos resíduos pode ser realizado de forma sistematizada e organizada. Com a automatização a empresa consegue aumentar a agilidade dos processos e a segurança das informações.

Como software da VG Resíduos você pode consultar às pastas/documentos digitais referente a geração, transporte e destinação de resíduos no computador ou internet de forma mais rápida.

A VG Resíduos auxilia na gestão de resíduos, gerenciamento, destinação, logística reversa, redução de custos e na coleta e transporte de resíduos de forma sustentável.

Os efeitos do coronavírus sobre o meio ambiente são positivos quando consideramos a redução das emissões de gases que contribuem para as mudanças climáticas e a redução na geração de resíduos, já que muitas empresas pararam temporariamente suas atividades para evitar a disseminação do vírus. Porém são negativos porque pode haver uma maior geração de resíduos domiciliares que não receberão um destino adequado, além do aumento na geração de resíduo de saúde contaminado com o vírus. A VG Resíduos auxilia a sua empresa a implantarem práticas sustentáveis para a preservação ambiental.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

 

Como controlar os tipos de resíduos gerados pela empresa de maneira eficaz?

Uma das ações aconselhadas para controlar os tipos de resíduos gerados pela empresa de maneira eficaz é que haja o gerenciamento adequado dos mesmos. Antes de saber o que fazer com o resíduo, é importante que ele seja separado e organizado da forma como a lei e as boas práticas sugerem. A VG Resíduos auxilia nesse controle, através de sua plataforma de gestão.

Controlar os tipos de resíduos gerados é importantíssimo na gestão, organização e redução de custos no seu processo produtivo. Haja vista, que através do controle é possível avaliar quais as fontes que desperdiçam matéria prima, qual a melhor forma de dispor os resíduos gerados e quais alternativas para a sua redução na geração. Confira!

Mas você conhece os tipos de resíduos gerados?

Você sabe quais os resíduos gerados em seus processos? Bom, para controlar os tipos de resíduos gerados é necessário que você saiba quais são esses tipos.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos, através da lei nº 12.305, classifica os tipos de resíduos da seguinte forma:

I – quanto à origem:

  • resíduos domiciliares: são resíduos de origem das atividades domésticas em residências urbanas (resto de alimento, todo tipo de papel, vidro, embalagens vazias e etc.);
  • resíduos de limpeza urbana: são os resíduos provenientes da varrição, limpeza de logradouros e vias públicas e outros serviços de limpeza urbana;
  • resíduos sólidos urbanos: são os resíduos de origem doméstica e de limpeza urbana;
  • resíduos de estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços: são os originários de comércios diversos;
  • resíduos dos serviços públicos de saneamento básico: são originários da coleta municipal;
  • resíduos industrias: são de origem das industrias de diversos segmentos;
  • resíduos de serviços de saúde: originários de hospitais, clinicas, etc.;
  • resíduos da construção civil;
  • resíduos agrossilvopastoris: são os resíduos gerados na agropecuárias e silviculturas;
  • resíduos de serviços de transporte: são os provenientes de portos, aeroportos, terminais alfandegários, rodoviários e ferroviários e passagens de fronteira;
  • resíduos de mineração.

II – quanto à periculosidade:

  • resíduos perigosos ou seja, aqueles que apresentam características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade, patogenicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e mutagenicidade. Além dos que apresentam significativo risco à saúde pública ou à qualidade ambiental;
  • resíduos não perigosos.

Além da classificação dos tipos de resíduos pela PNRS, há outras normas e leis que complementam a política. A NBR 10004 é uma norma que classifica os resíduos sólidos. A Instrução Normativa IBAMA 13 lista todos os resíduos sólidos brasileiros.

A Resolução CONAMA 313 dispõe sobre o inventário dos resíduos sólidos.

Como controlar os tipos de resíduos gerados na sua empresa?

Para ter controle sobre os tipos de resíduos gerados é preciso identificar quais são os resíduos gerados por fonte geradora, caracteriza-los e classifica-los.

Mapeando a fonte geradora é identificado o resíduo gerado e a quantidade. Com essas informações são identificadas as oportunidades para refletir os princípios de redução, de reuso e de reciclagem. Citarei um exemplo: no setor de compras identificamos que são gerados papel proveniente de contratos e notas fiscais, clipes, grampo de grampeador, etc.. No refeitório, são gerados resíduos orgânicos, copo descartável, embalagens diversas, etc.. Sendo assim, já é possível identificar os tipos de resíduos por área geradora, a quantidade gerada e qual a melhor forma de destinação.

Conjuntamente na etapa de mapeamento por fonte geradora é realizado a caracterização de resíduos. A caracterização determina os principais aspectos físico-químicos, biológicos, qualitativos e/ou quantitativos do resíduo gerado. Estes aspectos analíticos auxiliam para a escolha da melhor forma de acondicionamento, armazenamento, tratamento e destinação final.

No primeiro passo da caracterização é feita uma descrição detalhada da origem do resíduo. No segundo passo é denominado com base em: seu estado físico; em qual processo originou-se; de qual atividade industrial pertence; e qual o seu principal constituinte. No terceiro passo é definida a destinação do resíduo se será em: aterro para resíduo industrial; aterro sanitário; ou se será destinado para tratamento térmico (Compostagem, Incineração, Co-processamento, etc.), entre outros meios de destinação limpa.

Juntamente com o mapeamento e a caracterização classificamos os resíduos conforme suas características, os incluindo em alguma categoria determinada pela PNRS ou demais normas e leis ambientais.

Com essas informações é preciso manter um banco de dados com a quantidade de resíduo gerado, sua característica e classificação. Bem como qual a destinação será dada ela. Esses controles podem ser feito em planilhas eletrônicas.

É de suma importância que as empresas mantenha essas informações atualizadas e de forma segura, pois com elas serão gerados diversos documentos obrigatórios para os órgão ambientais.

Como fazer o controle dos tipos de resíduos de maneira eficaz?

Para controlar os tipos de resíduos gerados de maneira eficaz é preciso eliminar as antigas planilhas manuais da gestão de resíduos, substituindo-as por software de gestão.

O gerenciamento de resíduos através dessas plataformas é uma forma estruturada de garantir que eles sejam identificados, quantificados, monitorados para, assim, propor uma solução de melhoria na destinação.

A VG Resíduos auxilia as organizações a realizarem o controle através da gestão completa dos resíduos pelo seu software. Além disso, monitora históricos (em quais período é gerado um maior volume de um tipo específico; qual a quantidade gerada diariamente, semanalmente, mensalmente e anualmente). Gera a documentação necessária exigida por lei. Também gera gráficos e relatórios que auxiliam na tomada de decisões estratégicas.

Como controlar os tipos de resíduos gerados pela VG Resíduos?

Ao controlar os tipos de resíduos gerados através do software da VG Resíduos a consegue:

  • consultar às pastas/documentos digitais referente a geração, transporte e destinação de resíduos de forma mais rápida;
  • diminuir a geração de resíduos, principalmente de papel, já que vários documentos impressos serão digitalizados;
  • aumentar o controle da documentação que evidencia a destinação ambientalmente correta de resíduos;
  • monitorar a quantidade de resíduos armazenados e transportados, além de monitorar para qual local esse resíduo foi destinado;
  • controlar licenças e demais documentos necessários dos fornecedores, gerando automaticamente documentos como: manifesto de transporte do resíduo; ficha de emergência; ficha de segurança do resíduo químico de acordo com a legislação vigente; relatórios com gráficos; inventários; e indicadores gerenciais;
  • implantar um sistema de logística reversa;
  • efetuar a comparação entre as situações anteriores e posteriores das metas estabelecidas – o objetivo é ter percepção se as ações adotadas na gestão de resíduos busca o desenvolvimento sustentável;
  • avaliar condições do sistema em relação às metas e objetivos – verifica se as metas e os objetivos são alcançados. Se não devem ser desenvolvidos ações para o seu alcance;
  • prover informações de advertência, ou seja, identifica os riscos ou falhas do sistema ineficiente.

Sendo assim, conclui-se que para controlar os tipos de resíduos gerados pela empresa de maneira eficaz é necessário ter implementado o gerenciamento de resíduos. Somente com a gestão é possível identificar as fontes geradoras e quais os tipos de resíduos. A gestão de resíduos feita pela VG Resíduos permite realizar o monitoramento da geração de resíduos de forma sistematizada e organizada. Além disso, aumenta a agilidade dos processos, a segurança das informações e é uma ferramenta muito eficiente para comprovação de evidências para os órgãos ambientais.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

COVID-19: quais cuidados com armazenamento e descarte dos resíduos

Com a pandemia causada pelo COVI-19 é necessário que as empresas tomem algumas precauções com o armazenamento e descarte dos resíduos. Os resíduos contaminados ou com suspeita de contaminação pelo novo coronavírus devem ser colocados em sacos resistentes e descartáveis devidamente fechados. E devem ser depositados em contentores de resíduos. Essas medidas controlam os fatores de risco para prevenir a disseminação da doença e a redução de risco de contaminação e contágio do COVID-19.

O COVID-19 é uma doença que causa infecções respiratórias.  É leve em 80% dos casos. A maior taxa de mortalidade está entre as pessoas com mais de 80 anos (14,8% dos infectados) e pacientes com outras doenças, principalmente as cardiovasculares. Saiba mais quais cuidados com armazenamento e descarte dos resíduos!

COVID-19: o novo coronavírus

O caso de contaminados com o COVID-19 aumenta a cada dia no Brasil. Até o dia 22 de março de 2020 o último balanço oficial do Ministério da Saúde apontava 1.546 casos.

As medidas adotadas para combater a contaminação pelo vírus é o isolamento social, além da higienização das mãos e objetos. Contudo, as empresas devem tomar cuidado com os seus resíduos. Devem ser feito o armazenamento e o descarte seguro.

O novo Coronavírus, ou COVID-19, é um agente biológico da família dos coronavírus capaz de causar infecção respiratória. Foi descoberto em dezembro de 2019 na China, após o vírus infectar moradores de Wuhan. Acreditam que a contaminação pelo vírus tenha vindo de animais vendidos no mercado central dessa província.

Resíduos contaminados com COVID-19

Para combater a proliferação da doença a Organização Mundial de Saúde sugere medidas como higienização das mãos com sabão e álcool gel, o uso de lenço de papel para limpar secreções, além de evitar o contato com as pessoas. Com isso, haverá um aumento significativo de descarte de papel toalha e embalagens, além do consumo exacerbado de água.

Por isso a importância em se realizar a gestão de resíduos adequadamente para evitar a transmissão pelo contato com resíduos contaminados.

O tempo de permanência do coronavírus em resíduos, conforme divulgação da ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, é:

 

Resíduos plásticos5 dias
Resíduos de papel4 a 5 dias
Resíduos de vidro4 dias
Alumínio2 a 8 horas
Aço48 horas
Madeira4 dias
Luvas cirúrgicas8 horas

É importante que os resíduos sejam acondicionados e destinados de maneira segura e ambientalmente correta para evitar os impactos ambientais. Para isso, deve haver uma gestão de resíduos adequada.

Os resíduos contaminados com coronavírus devem ser classificados segundo a RDC 222/2018 e Resolução CONAMA 358 como resíduos de serviços de saúde do Grupo A (sub grupo A1), IN 13 Ibama no 180102, ABNT 12808, risco biológico, resíduos com presença de agentes biológicos que, por suas características, podem apresentar risco de infecção.

Cuidado com armazenamento e descarte

O COVID-19 tem causado vários contágios e mortes em todo mundo. Para evitar que essa doença atinja mais pessoas é necessário adotar medidas de contenção. O Ministério da Saúde adverte que o isolamento social e a higienização são medidas eficientes no controle da doença. Contudo as empresas também devem realizar medidas que contribuam para o controle do vírus.

A gestão adequada dos resíduos é um importante passo de mitigação dos riscos. Para isso é necessário separar corretamente os resíduos contaminados com COVID-19 para evitar riscos à saúde do homem e a contaminação do solo e das águas.

Os resíduos contaminados com COVID-19 devem ser manejados de acordo com as determinações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)

Todo resíduo deve ser acondicionado em sacos de cor branco leitosa, impermeáveis, de material resistente à ruptura e vazamento contidos no seu interior. O limite de peso dos sacos também deve ser respeitado, ou seja, devem ser substituídos quando atingirem 2/3 de sua capacidade ou pelo menos 1 vez a cada 48 horas.

Esses sacos devem ser identificados pelo símbolo de substância infectante, com rótulos de fundo branco, desenho e contornos pretos.

Durante toda etapa de gerenciamento os sacos devem permanecer dentro de recipientes de acondicionamento tampados. O material desses contentores devem ser do tipo lavável, resistente à ruptura, vazamento e tombamento.

Além disso, a empresa deve estabelecer um local para armazenamento temporária dos resíduos até o seu recolhimento, conforme especificado na RDC/ANVISA nº 222/2018.

Antes do descarte esses resíduos deverão receber tratamento prévio que assegure a eliminação das características de periculosidade do resíduo, a preservação dos recursos naturais e, o atendimento aos padrões de qualidade ambiental e de saúde pública.

Cuidado! Para evitar sanções é necessário que o seu tratador seja licenciado pelos órgãos ambientais.

Após tratamento, os resíduos passarão a ser considerados resíduos do grupo D, para fins de disposição final.

O auxilio da VG Resíduos para um gestão de resíduos adequada

Para facilitar a gestão de resíduos contaminados por agente infectocontagiosos a VG Resíduos desenvolveu uma plataforma eficiente de gestão de resíduos.

Essa plataforma auxilia na gestão de resíduos, gerenciamento, destinação, logística reversa e na coleta e transporte de resíduos de forma sustentável. Você consegue ter total controle sobre a quantidade de resíduos gerados e qual a destinação dada eles.

Pelo software da VG Resíduos o gerador tem um histórico de geração, facilitando assim a definição da capacidade do recipiente.

Uma ferramenta que ajuda as empresas geradoras a encontrarem os tratadores adequados é chamada de Mercado de Resíduos.

Através dela, os geradores podem cadastrar seus materiais e os tratadores darão seus lances, de forma que o software pode eleger a melhor condição na menor distância possível.

O sistema possui milhares de tratadores cadastrados em todo o território brasileiro, fornecendo soluções de tratamento e destinação de resíduos para empresas de todos os portes e segmentos.

Sendo assim, a empresa deve tomar vários cuidados para o armazenamento e descarte dos resíduos com a pandemia de COVID-19. Os resíduos durante essa pandemia devem ser coletados, acondicionados, armazenados, transportado e destinado de forma que evite a proliferação da doença. E, somente, com VG Resíduos a sua empresa é capaz de fazer a gestão eficiente desses resíduos.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Crise do coronavírus e resíduos: como reduzir impactos ambientais

Qual a relação entre a crise do coronavírus e resíduos? Essa é uma análise que se deve fazer a fim de se evitar os impactos ambientais durante a pandemia. Medidas simples como o armazenamento correto de resíduos, higienização, e destinação ambientalmente correta contribuem para evitar riscos de contaminação e proliferação da doença.

Com o isolamento para reduzir o avanço da coronavírus muitos podem deixar de fazer a gestão de resíduos. E essa atitude pode gerar impactos ambientais significativos, além dos impactos na saúde humana. Saiba como reduzir esses impactos!

Coronavírus

O novo Coronavírus, ou COVID-19, é um agente biológico da família dos coronavírus capaz de causar infecção respiratória.

O COVID-19 foi descoberto em dezembro de 2019 na China, após o vírus infectar moradores de Wuhan. Acreditam que a contaminação pelo vírus tenha vindo de animais vendidos no mercado central dessa província.

A família de coronavírus já é conhecida desde meados dos anos 1960. Geralmente, as infecções destes já conhecidos causam doenças respiratórias leves à moderada, semelhantes a um resfriado comum.

Em 2002 surgiu outro coronavírus capaz de causar síndromes respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda grave que ficou conhecida pela sigla SARS da síndrome em inglês “Severe Acute Respiratory Syndrome”.

Em 2012, foi isolado outro novo coronavírus, distinto daquele que causou a SARS, o MERS – síndrome respiratória do Oriente Médio. Essa designação foi dada devido à localização que se deu a contaminação, inicialmente na Arábia Saudita e, posteriormente, em outros países do Oriente Médio.

O COVI– 19 é leve em 80% dos casos. A maior taxa de mortalidade está entre as pessoas com mais de 80 anos (14,8% dos infectados) e pacientes com outras doenças, principalmente as cardiovasculares.

Transmissão do coronavírus

A transmissão do coronavírus ocorre pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • gotículas de saliva;
  • espirro;
  • tosse;
  • catarro;
  • contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão.

Também ocorre pelo contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos. Por isso a importância em se realizar a gestão de resíduos adequadamente para evitar a transmissão pelo contato com resíduos contaminados.

Para combater a proliferação da doença a Organização Mundial de Saúde sugere medidas como higienização das mãos com sabão e álcool gel, o uso de lenço de papel para limpar secreções, além de evitar o contato com as pessoas. Com isso, haverá um aumento significativo de descarte de papel toalha e embalagens, além do consumo exacerbado de água.

Esses resíduos devem ser acondicionados adequadamente e enviado a uma destinação limpa e segura.

O tempo de permanência do coronavírus em resíduos, conforme divulgação da ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, é:

Resíduos plásticos5 dias
Resíduos de papel4 a 5 dias
Resíduos de vidro4 dias
Alumínio2 a 8 horas
Aço48 horas
Madeira4 dias
Luvas cirúrgicas8 horas

Gestão adequada de resíduos contra a crise do coronavírus

É importante que os resíduos sejam acondicionados e destinados de maneira segura e ambientalmente correta para evitar os impactos ambientais. Para isso, deve haver uma gestão de resíduos adequada.

A coleta dos resíduos é fundamental neste momento de crise do coronavírus. Isso evitará que esses resíduos fiquem muito tempo exposto, eliminando o risco de contaminação.

Os resíduos contaminados com coronavírus devem ser classificados segundo a RDC 222/2018 e Resolução CONAMA 358 como resíduos de serviços de saúde do Grupo A (sub grupo A1), IN 13 Ibama no 180102, ABNT 12808, risco biológico, resíduos com presença de agentes biológicos que, por suas características, podem apresentar risco de infecção.

Os resíduos devem ser acondicionados, em sacos lacrados para garantir o isolamento do material dentro do saco. Esse saco deve ser identificado com o símbolo de substância infectante.

Esses resíduos devem ser submetidos a processos de tratamento que promova redução de carga microbiana. Posteriormente devem ser encaminhados para aterro sanitário licenciado ou local devidamente licenciado para disposição final de resíduos de serviços de saúde.

A outras formas de tratamento como por autoclave e incineração. Tecnologias limpas e eficientes para tratar o resíduo contaminado.

Já o resíduo reciclável deve ficar em quarentena em um local separado por um bom período de tempo. Importante que esses resíduos estejam protegidos para evitar a contaminação.

O auxilio da VG Resíduos contra a crise do coronavírus e resíduos

O caso de contaminados com o coronavírus aumenta a cada dia no Brasil. Até o dia 22 de março de 2020 o último balanço oficial do Ministério da Saúde aponta 1.546.

As medidas adotadas para combater a contaminação pelo vírus é o isolamento social, além da higienização.

Com o coronavírus muitas empresas tiveram que fechar por tempo indeterminado. Outras operam enfrentando várias dificuldades, principalmente em que fazer com os resíduos gerados em seus processos, já que muitos serviços de coleta e destinação pararam.

Para facilitar a sua gestão e descobrir meios de enfrentar essa crise do coronavírus e resíduos a VG Resíduos desenvolveu uma plataforma eficiente de gestão de resíduos.

Essa plataforma auxilia na gestão de resíduos, gerenciamento, destinação, logística reversa e na coleta e transporte de resíduos de forma sustentável. Você consegue ter total controle sobre a quantidade de resíduos gerados e qual a destinação dada eles.

Outra vantagem da VG Resíduos é que você pode fazer toda a gestão de casa, não precisando ir à empresa, assim evita a exposição ao vírus.

Concluímos que para evitar a crise do coronavírus e resíduos, reduzindo os impactos ambientais que os resíduos sem tratamento adequado podem causar, a gestão de resíduos é a maneira mais eficiente e eficaz. Os resíduos durante essa pandemia devem ser coletados, acondicionados, armazenados, transportado e destinado de forma que evite a proliferação da doença. E, somente, com VG Resíduos a sua empresa é capaz de fazer a gestão eficiente desses resíduos.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

Por que é importante ter controle da documentação de fornecedores?

Ter controle da documentação de fornecedores evita uma série de problemas, principalmente com os órgãos ambientais que fiscalizam o cumprimento das leis que regem a gestão de resíduos.  Além disso, permite fornecer informações padronizadas e concisas, garante a uniformidade do processo de gestão, facilita atividades de monitoramento e evidências para auditoria dos órgãos ambientais e previne contra passivos ambientais e criminais.

Os fornecedores, que participam de qualquer etapa do gerenciamento de resíduos, devem cumprir obrigações legais como o licenciamento ambiental e a emissão de documentos. O não cumprimento dessas obrigações pode levar não só o fornecedor a sofrer sanções e multas, mas também o gerador. Haja vista que este tem responsabilidade compartilhada pela destinação do resíduo.

Saiba por que devemos ter controle sobre os documentos dos fornecedores na gestão de resíduos.

Controle da documentação de fornecedores

O controle da documentação de fornecedores faz parte de uma gestão muito mais complexa que armazenar papéis. Ter um controle da documentação demonstra que a empresa realiza uma gestão eficiente e de qualidade.

Sabemos que fornecedores de coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final de resíduos podem gerar diversos impactos na empresa, sejam negativos ou positivos. Ter controle sobre eles é essencial para uma gestão de resíduos eficiente.

É importante que os fornecedores estejam alinhados com as normas e leis relacionadas à gestão de resíduos, principalmente com a política voltada para preservação ambiental.

O controle da documentação de fornecedores é a melhor forma de manter sobre controle possíveis passivos ambientais que eles podem causar ao não seguir as normas ambientais de segurança.  Além disso, impedem que as suas ações respingue sobre a imagem da sua empresa.

O controle da documentação de fornecedores muito importante por causa da imensa gama de obrigações ambientais e das normas estabelecidas pela legislação ambiental.

A geradora deve ter controle de todos os documentos obrigatórios que a terceirizada contratada deve fornecer como garantia da coleta, transporte e descarte adequado para cada categoria de resíduo.

Quais documentos devem ser controlados?

controle de documentos é muito importante por causa da imensa gama de obrigações ambientais e das normas estabelecidas pela legislação ambiental.

Manter tudo atualizado e acessível permite a organização comprovar o transporte e destinação final dos resíduos.

A melhor maneira de gerir todos os documentos necessários é com o uso de ferramentas que auxiliem no arquivamento de documentos.

Abaixo listamos alguns documentos obrigatórios que devem ser controlados:

1 – MTR – Manifesto de Transporte de Resíduo: documento obrigatório que deve acompanhar a carga com informações sobre resíduos, o transportador, a fonte geradora e a destinação final;

2 – Declaração de Transporte – nota que deve ser emitida para acompanhamento do resíduo até a destinação final.;

3 – Ficha de Emergência: documento que contem informações importantes sobre o tipo de resíduo. A ficha deve mantida junta ao condutor do veículo desde o seu acondicionamento da carga até o destinatário do produto;

4 – CADRI: certificado de movimentação de resíduos de interesse ambiental. É uma ferramenta que demonstra que o resíduo está sendo transportado para um local de reprocessamento, armazenamento, tratamento ou disposição final;

5 – Certificado de destinação final – CDF: documento emitido pela empresa receptora dos resíduos, e que comprova o seu recebimento. Com ele a empresa geradora comprova que tiveram o devido cuidado com a destinação final dos resíduos;

6 – FDSR é a sigla de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos Químicos. É um documento normalizado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), conforme NBR 16725:2014;

7 – Licenças ambientais;

8 – Treinamento específico para condutores de veículos transportadores de produtos perigosos – Curso MOPP;

9 – Certificado de Capacitação para o transporte rodoviário de produtos perigosos a granel;

10 – Licença de transporte (se for o caso do Estado/Município);

11 – Autorização Ambiental para Transporte Interestadual de Cargas Perigosas Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras – CTF-APP;

12 – Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos – CNORP;

13 – Pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental – TFCA.

As vantagens de ter controle de documentos automatizado

O controle da documentação de fornecedores de modo automatizado afasta multas ambientais já que controla os documentos comprobatórios e emite os relatórios exigidos pelos órgãos ambientais tudo dentro do prazo.

A automatização é realizada a partir de dispositivos eletrônicos ou software de gestão. O objetivo é otimizar e agilizar os processos que antes eram realizados de forma manual e passaram a ser automáticos. Como o controle de prazos de licenças e arquivamento dos documentos.

Essa medida não apenas facilita o arquivamento como faz com que o resgate seja prático e rápido, quando necessário. Muito vantajoso para as auditorias documentais.

A digitalização do processo de controle da documentação de fornecedores evita, por exemplo, que seus documentos sejam perdidos. Facilita o acesso durante as auditorias.

Como a VG Resíduos auxilia na documentação de fornecedores?

A plataforma de gestão de resíduos da VG Resíduos surge como grande aliada para as empresas, uma vez que o monitoramento dos resíduos pode ser realizado de forma sistematizada e organizada. Com o software a organização consegue aumentar a agilidade dos processos de controle da documentação e de segurança das informações.

Com a VG Resíduos a empresa consegue:

  • consultar às pastas/documentos digitais referente a geração, transporte e destinação de resíduos no computador de forma mais rápida;
  • aumentar o controle da documentação que evidencia a destinação ambientalmente correta de resíduos;
  • controlar licenças e demais documentos necessários dos fornecedores, gerando automaticamente documentos como: manifesto de transporte do resíduo; ficha de emergência; ficha de segurança do resíduo químico de acordo com a legislação vigente; relatórios com gráficos; inventários; e indicadores gerenciais;
  • prover informações de advertência, ou seja, identifica os riscos ou falhas do sistema ineficiente.

Além disso, através do sistema é possível visualizar e monitorar o andamento da gestão de resíduos, permitindo uma visão estratégica para a tomada de decisões.

Sendo assim, o controle da documentação de fornecedores afasta multas ambientais. Pode ser realizada a partir de dispositivos eletrônicos ou software de gestão. Permite fornecer informações padronizadas e concisas, garante a uniformidade do processo de gestão, facilita atividades de monitoramento e evidências para auditoria dos órgãos ambientais e previne contra passivos ambientais e criminais.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

CNORP IBAMA: o que e como realizar esse cadastro obrigatório?

O CNORP IBAMA é o Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos. As empresas que exerçam atividades em qualquer fase do gerenciamento de resíduos perigosos (segregação, acondicionamento, transporte, armazenamento, coleta e transporte) são obrigadas a se inscreverem. A inscrição ao CNORP IBAMA será realizada exclusivamente no endereço eletrônico do IBAMA na internet.

O CNORP é um instrumento da Política Nacional dos Resíduos Sólidos. É regulamentado através da Instrução Normativa nº 01, de 25 de janeiro de 2013. Saiba mais sobre esse cadastro!

CNORP IBAMA

O CNORP IBAMA é o Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos. Esse cadastro deve ser realizado por empresas que exerçam atividades de geração e operação de resíduos perigosos em qualquer fase do gerenciamento de resíduos. Essas se incluem como empreendimentos que exercem atividades potencialmente poluidoras, conforme Lei nº 6.938.

O CNORP é um instrumento da Política Nacional dos Resíduos Sólidos conforme o art. 38 da Lei nº 12.305, de 2010. É regulamentado através da Instrução Normativa nº 01, de 25 de janeiro de 2013.

O CNORP IBAMA esta integrado com o Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais (CTF-APP) e com o Cadastro Técnico Federal de Atividades e Instrumentos de Defesa Ambiental (CTF-AIDA). Contudo o CNORP não isenta o empreendimento de registrar no CTF-APP as informações acerca das demais atividades potencialmente poluidoras ou utilizadoras de recursos ambientais exercidas.

Para fins do CNORP são considerados geradores aquelas empresas que geram resíduos sólidos perigosos ou que comercializa produtos que possam gerar resíduos perigosos.

Já os operadores de resíduos perigosos são as empresas que prestam serviços de coleta, transporte, transbordo, armazenamento, tratamento, destinação e disposição final de resíduos perigosos ou que prestam serviços que envolvam a operação com produtos que possam gerar resíduos perigosos.

Como realizar o cadastro CNORP IBAMA?

Para realizar a inscrição no Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos (CNORP) é necessário observar as seguintes instruções:

Primeiro o gerador ou operador de resíduos perigosos deve realizar a inscrição prévia no CTF-APP.

Posteriormente deverá indicar um responsável técnico pelo gerenciamento dos resíduos perigosos. Esse técnico pode ser do seu próprio quadro de funcionários ou contratado. Ressalvamos a importância de esse técnico ser devidamente habilitado para exercer tal atividade dentro da organização.

Outra instrução importante é a prestação anual de informações sobre a geração, a coleta, o transporte, o transbordo, armazenamento, tratamento, destinação e disposição final de resíduos ou rejeitos perigosos prestados pelo gerador ou operador.

A inscrição CNORP IBAMA é realizada através do site do IBAMA.

Todas as informações prestadas no ato do cadastro devem ser legítimas, pois IBAMA poderá realizar auditorias e vistorias junto aos geradores ou operadores de resíduos perigosos.

O que declarar no CNORP?

Devem ser declaradas anualmente as seguintes informações no CNORP IBAMA:

Para os geradores de resíduos perigosos:

  1. a) a categoria da atividade que gerou o resíduo perigoso;
  2. b) o detalhamento da atividade que gerou o resíduo perigoso;
  3. c) o tipo e quantidade de resíduo perigoso gerado;
  4. d) informações sobre a transportadora utilizada para transportar o resíduo perigoso;
  5. e) informações sobre o destinador para o qual foi enviado o resíduo perigoso;
  6. f) informações sobre o responsável técnico habilitado.

Para os destinadores:

  1. a) a categoria da atividade de destinação do resíduo perigoso recebido;
  2. b) o detalhamento da atividade de destinação do resíduo perigoso recebido;
  3. c) a Identificação do gerador do resíduo perigoso;
  4. d) a identificação e quantidade do resíduo perigoso recebido por tipo de destinação;
  5. e) informações sobre o responsável técnico habilitado.

Para os armazenadores:

  1. a) a identificação do gerador do resíduo perigoso armazenado;
  2. b) a identificação e quantidade do resíduo perigoso armazenado por tipo de armazenamento;
  3. c) identificação do responsável técnico habilitado.

Para os transportadores dos resíduos perigosos

  1. a) a identificação do gerador e do resíduo perigoso transportado;
  2. b) a identificação do responsável técnico habilitado.

Prazos e consequências por não realizar o cadastro

O cadastro CNORP IBAMA seguirá obrigatoriamente os prazos e periodicidade previstos para o RAPP.

O RAPP (Relatório Anual de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais) é um instrumento de coleta de informações de interesse ambiental. O objetivo do relatório é colaborar com os procedimentos de controle e fiscalização ambiental.

A entrega do RAPP é anual e deve ser realizada entre os dias 1º de fevereiro e 31 de março de cada ano. Logo, o CNORP IBAMA também deverá ser realizado no mesmo período.

O não cadastro ao CNORP configura em infração, cabível a multas de R$50,00 a R$9.000,00 dependendo do porte da empresa. Se as informações prestadas foram falsas a organização pode receber uma multa de R$ 1.500,00 a R$ 1.000.000,00.

Como otimizar o cadastro CNORP IBAMA?

Para otimizar o cadastro CNORP IBAMA a automatização da gestão de resíduos é a opção mais assertiva. A gestão de resíduos automatizada afasta multas ambientais, já que controla a geração, a destinação, os documentos comprobatórios e emite os relatórios exigidos pelos órgãos ambientais tudo dentro do prazo.

Ao automatizar a gestão de resíduos em uma empresa, estamos falando em mais eficiência, menos custos, melhor aproveitamento do tempo, maior segurança nos dados e menores risco de descumprir leis ambientais.

VG Resíduos conta com software que gera todos os documentos e arquivos referentes às exigências legais do IBAMA, principalmente as informações necessárias para o Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos.

A VG Resíduos auxilia as organizações a desenvolverem o gerenciamento de resíduos sólido e a estarem em conformidade legal no que refere-se às questões ambientais.

O software é alimentado ao longo do ano e quando chega a época de enviar os dados ao IBAMA, basta emitir o relatório e enviar pelo sistema.

Sendo assim, o CNORP IBAMA é o Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos. E deve ser cadastrado pelas empresas que exerçam atividades em qualquer fase do gerenciamento de resíduos perigosos. A inscrição ao CNORP IBAMA será realizada exclusivamente no endereço eletrônico do IBAMA na internet. Caso o envio não seja feito, ou as informações prestadas sejam falsas a empresa poderá ser penalizada. Por isso, a VG Resíduos auxilia a empresa a realizar o cadastro de forma automatizada e dentro do prazo.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

 

Sustentabilidade corporativa: o que é e quais suas vantagens?

Sustentabilidade corporativa é um tema estratégico dentro das empresas, pois é uma oportunidade para inovarem, agregarem valor e diferencial aos seus produtos, procedimentos e serviços, tornando-se mais competitivas. Este termo se refere à adoção de práticas ambientais, sociais e econômico-financeiro.

A sustentabilidade corporativa trás vantagens de longo prazo para clientes, funcionários e a sociedade. Através da sustentabilidade a organização reduz impactos ambientais, contribui para o social, atua com ética e transparência. Saiba mais sobre esse termo!

O que é sustentabilidade corporativa?

A conscientização dos países em descobrir formas de promover o crescimento econômico das empresas ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente para as gerações futuras foi primordial para dá origem ao termo sustentabilidade. Esse conceito surgiu durante a década de 1980 e desde então transformou em cenário para causas sociais e ambientais, principalmente no mundo dos negócios.

A partir deste princípio, a sustentabilidade corporativa passou a ser um fator determinante para o sucesso das empresas. A sustentabilidade corporativa reúne, simultaneamente, o econômico-financeiro, o social e o ambiental.

Na prática, significa que as organizações devem priorizar os resultados econômicos ao mesmo tempo em que desenvolve ações para eliminar os impactos socioambientais, mantendo a longevidade do negócio. A sustentabilidade corporativa contribui para uma sociedade cada vez mais justa e igualitária, e atua de forma ética e transparente.

Deve ser pensada como criadora de valor. Haja vista, que o termo é uma ferramenta de redução de riscos, de diminuição de custos, de atração de investimentos, de geração de valor para a marca e de motivação e retenção de pessoal.

Como inserir o conceito de sustentabilidade corporativa?

A sustentabilidade corporativa é uma forma de assegurar o crescimento e desenvolvimento no longo prazo do negócio. Contudo, ao mesmo tempo em que contribui para o desenvolvimento econômico, social e ambiental da organização e todas as partes envolvidas.

Para inserir o conceito é necessário desenvolver a responsabilidade socioambiental e estabelecer a sustentabilidade como valor estratégico da empresa

Veja algumas dicas nos quais é possível colocar em prática ações sustentáveis na empresa, contribuindo para que todos se beneficiem:

Benefícios sociais

As ações sociais desenvolvem entre os colaboradores, acionistas e comunidade uma consciência voltada para o desenvolvimento sustentável.

Abaixo listamos algumas ações que contribuem para a sustentabilidade corporativa:

  • programas educacionais, de formação de funcionários e qualificação de jovens: trata-se de programas que a empresa pode desenvolver para contribuir com o desenvolvimento educacional dos funcionários e da sociedade em torno. Os programas investem na qualificação de jovens, da sociedade, bem como de seus colaboradores. Através destes programas as partes envolvidas ganham à oportunidade de aprimorarem seus conhecimentos e, consequentemente, contribuem para o desenvolvimento sustentável;
  • inclusão de pessoas: através de ações de inclusão a empresa abre vagas para receber pessoas com deficiência, permitindo a eles terem os mesmos direitos que os demais. Além disso, oportuniza o crescimento de corporativas de reciclagem gerando mais oportunidades para os catadores de resíduos;
  • investimento social na comunidade de entorno: a empresa investe em ações sociais que beneficiem a comunidade localizada no entorno como: mutirões de combate a dengue, estabelecimento de bibliotecas comunitárias, pontos de recolhimento de recicláveis, entre outros.

Benefícios Ambientais

As ações ambientais buscam a proteção ambiental, através do consumo consciente dos recursos naturais e da redução dos impactos negativos que suas atividades podem causar.

Abaixo listamos algumas ações que contribuem para a sustentabilidade corporativa:

  • ecoeficiência: a empresa encontrará maneiras de otimizar a sua produção, diminuindo a quantidade de recursos que utiliza e de resíduos que despeja no meio ambiente;
  • reciclagem e destino correto de resíduos: a organização através da consciência para busca do desenvolvimento sustentável busca meios para reduzir a geração de resíduos enviados para aterros através da reciclagem e logística reversa;
  • uso de combustível de fontes renováveis;
  • compensação de emissões de CO2 e crédito de reciclagem.

Benefícios Econômicos

As ações econômicas buscam o crescimento econômico da empresa ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e a sociedade.

Abaixo listamos algumas ações que contribuem para a sustentabilidade corporativa:

  • participação de clientes e comunidade no desenvolvimento de novos produtos: através dessa participação a organização mostra transparência em suas ações e valoriza a todos com parte integrante para o sucesso do negócio. Essa ação gera lucro para a organização;
  • cumprir corretamente com suas obrigações legais: entre as ações econômicas está o pagamento correto de seus tributos, bem como cumprir com seus deveres perante clientes, colaboradores e fornecedores. O cumprimento de leis e obrigações ambientais, tais como: a Política Nacional de Resíduos Sólidos, a emissão de CDF, MTR, CADRI, o transporte seguro de resíduos etc.;
  • postura ética: a empresa deve agir de forma ética, respeitando a todos, principalmente, a concorrência;
  • atendimento às reclamações e sugestões de consumidores.

As vantagens da sustentabilidade corporativa

O desenvolvimento da sustentabilidade corporativa trás algumas vantagens para a empresa. Entre elas a publicidade positiva, o engajamento dos colaboradores e o crescimento econômico.

Os consumidores estão cada vez mais críticos e atentos aos processos produtivos. Buscando sempre aquelas preocupadas empresas com a proteção ambiental e o respeito à sociedade.

Investir em sustentabilidade corporativa reforça a imagem do negócio, traz publicidade positiva e aumenta a sua competitividade no mercado, ou seja, sua marca se destaca de forma positiva entre os seus concorrentes.

Para implantar ações sustentáveis para busca da sustentabilidade corporativa empresas, que se destacam no mercado como uma marca sustentável, incorporam uma gestão de resíduos eficiente.

Através da gestão é possível pontuar melhorias no processo que contribuirá para a proteção ambiental, o desenvolvimento econômico e social.

A VG Resíduos pode auxiliar, uma vez que a plataforma incentiva destinações limpas e melhora a eficiência das empresas na gestão dos seus resíduos.

A plataforma traz funcionalidades específicas para o controle das áreas geradoras, dos processos, dos prestadores de serviços e dos documentos, tudo com metodologia baseada na Política Nacional de Resíduos e demais legislações pertinentes ao assunto.

Sendo assim, uma à sustentabilidade corporativa  influenciar a otimização de recursos, a retenção de colaboradores, a conquista de investimentos, a imagem perante a sociedade e, como consequência, os resultados econômicos da empresa.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

 

MTR obrigatório para resíduos da construção Civil: o que muda?

As mudanças para o registro MTR obrigatório para resíduos da construção civil estão previstas na Deliberação Normativa COPAM n° 232/2019. A partir de 9 de abril de 2020 geradores, transportadores e destinadores de resíduos da construção civil terão a obrigatoriedade de registrar toda a movimentação desses produtos no sistema online de Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR).

O MTR obrigatório para resíduos da construção civil vai permitir maior controle dos resíduos gerados e/ou destinados em Minas Gerais. Saiba mais!

Deliberação Normativa COPAM nº 232

Deliberação Normativa COPAM 232 instituiu o Sistema MTR Online no estado de Minas Gerais em 27 de fevereiro de 2019. Essa deliberação estabelece procedimentos para o controle de movimentação e destinação de resíduos no estado de Minas Gerais.

Entende-se que para o cadastro no Sistema MTR-MG as geradoras, transportadores e destinadores devem estar sediados em Minas Gerais ou estarem sediadas em outros estados, porém recebem resíduo de MG.

A COPAM 232 não se aplica para todos os resíduos. Mas para aqueles que necessitam do MTR as empresas tem a obrigatoriedade do registro desde 9 de outubro de 2019. Já para resíduos da construção civil as obrigações serão exigidas somente a partir de 09 de abril de 2020.

O Sistema MTR Online tem o objetivo de controlar o fluxo de resíduos desde a sua geração até a destinação final ambientalmente correta. Todas as informações contidas no MTR servirão de instrumento de gestão e de fiscalização para os órgãos e entidades integrantes do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos – Sisema.

A emissão do MTR será feito exclusivamente pela internet, através da Plataforma Digital para Manifesto de Transporte de Resíduos, disponível na página eletrônica da Feam.

O que muda com MTR obrigatório para resíduos da construção civil?

Todo gerador de resíduo da construção civil a ser transportado em território mineiro deverá emitir o MTR obrigatório através do sistema online a partir de 9 de abril de 2020. Já o receptor, armazenador temporário ou destinador deverá atestar no sistema o recebimento do resíduo em até 60 dias após da data de geração do MTR.

Não é exigido o MTR obrigatório aos resíduos da construção civil, gerados em obras de implantação de rodovias, ferrovias, dutos e tubulações para fins diversos, desde que as áreas de disposição tenham sido abrangidas pelo processo de licenciamento ambiental.

E aos resíduos da construção civil classe A gerados em obras de implantação de vias, quando destinados diretamente do local de geração para o local de reaproveitamento como base ou sub-base de pavimentação.

A emissão do MTR – MG será realizado por meio digital, através da Plataforma Digital para Manifesto de Transporte de Resíduos disponível na página eletrônica da Feam.

Durante o cadastro é necessário que o usuário indique o seu perfil, de acordo com as atividades que realiza (se gerador, transportador, armazenador temporário ou destinador). Há também a opção de cadastrar o perfil composto caso a empresa realize mais de uma atividade.

As empresas que possuem mais de uma unidade, mesmo que possuam Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ – único deverá cadastrar cada uma delas no Sistema MTR-MG.

A empresa deverá preencher e assinar duas vias do formulário de MTR. Esse formulário é provisório e deverá ser aguardado para posterior regularização no Sistema. Se não regularizado o destinatário não conseguirá atestar o recebimento o MTR. A outra via deve ser enviada junto com a carga a ser transportada, para ser entregue ao receptor.

Confira abaixo os resíduos abrangidos pelo Sistema MTR

Os resíduos abrangidos pelo MTR obrigatório são:

– industriais,

– da mineração,

– de serviços de saúde,

– da construção civil,

– de estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços,

– dos serviços públicos de saneamento básico,

– de serviços de transportes.

Já os resíduos não abrangidos pelo Sistema MTR:

– resíduos sólidos urbanos coletados pela administração pública municipal,

– resíduos sólidos agrossilvipastoris,

– resíduos sólidos que não foram gerados em Minas Gerais nem serão destinados no Estado, estando apenas em trânsito em território mineiro.

– resíduos constituídos por solo proveniente de obras de terraplanagem;

– resíduos e rejeitos provenientes de manutenção in loco de estruturas e equipamentos de sistemas públicos de saneamento ou de rede de distribuição de energia elétrica,

– resíduos submetidos ao sistema de logística reversa formalmente instituída, quando gerados por pessoa física, na etapa compreendida pelo transporte a partir do local de geração até o ponto ou local de entrega oficial do sistema, ou até a central de recebimento desses resíduos.

Como emitir o MTR de forma fácil e automatizada?

Com a VG Resíduos a empresa consegue emitir o MTR obrigatório para resíduos da construção civil de forma fácil através de uma plataforma desenvolvida exclusivamente para emissão do documento.

A plataforma é totalmente integrada com o Sistema MTR-MG online da FEAM.

O software da VG Resíduos coleta automaticamente todas as informações e registros de destinação do resíduo, bem como os dados dos transportadores e tratadores dos resíduos.

O gerador de relatórios do sistema é sincronizado ao banco de dados. Esse banco de dados possui todas as informações referentes à geração de resíduos ao longo do ano. Bem como as informações pertinentes de quem tratou, qual a destinação dada ao resíduos, quanto custou e etc.

A plataforma integra a geração automática obrigatória com os órgãos ambientais, inclusive para afastar as sanções ambientais.

Além da integração com os sistemas dos órgãos ambientais para geração automática dos MTRs, o usuário tem todas as vantagens adicionais que a plataforma da VG Resíduos pode fornecer como: relatórios gerenciais, mercado de resíduos (pesquisa de fornecedores ideais e redução de custos), inventários anuais, entre outros.

Sendo assim, conclui-se que para emitir o MTR obrigatório para resíduos da construção civil de forma fácil você pode aderir o sistema que simplifica o processo, a plataforma da VG Resíduos. Com o software da VG Resíduo é possível elencar as informações exigidas para emissão do MTR com os sites dos órgãos ambientais. Essa obrigatoriedade passa a ser exigida a partir de 9 de abril de 2020.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

ecologia industrial contribui para gestão de resíduos

 

Sete vantagens em ter mais de um comprador para o seu resíduo?

Ter um comprador para o seu resíduo ou ter vários deles? Esse é um dos questionamentos que vários gestores fazem. Ter vários compradores pode trazer benefícios como maior possibilidade de vender os resíduos, de reduzir custos com o armazenamento, de negociar preço, ter maior segurança, entre outros.

A venda dos resíduos gera muito valor para as empresas. Contudo, ter apenas um comprador torna o modelo mais frágil. Neste texto, explicamos porque é melhor ter mais de um comprador de resíduos. Confira!

1º Vantagem: Varias possibilidades de vender os resíduos

Ter mais de um comprador de resíduos permite que a sua empresa tenha mais opções de venda. Com isso seu lucro aumenta e você reduz o armazenamento de resíduos.

Caso um comprador não faça o negócio por algum motivo é possível negociar com outros. Assim não há o risco de ficar com resíduo parado dentro da empresa. O resíduo armazenado gera um custo, além de ser uma preocupação ambiental já que não recebe uma destinação ambientalmente correta imediatamente. Para armazenamento de resíduos, mesmo que por um curto período, é necessário seguir todas as diretrizes de armazenamento de resíduos conforme normas e legislação ambiental. Além disso, os resíduos tem potencial poluidor.

Caso, também, você tenha gerado uma quantidade a mais de resíduo do que seu comprador precisa é possível negocia-lo para outro. O comprador pode ter inúmeros motivos para não fechar o negócio e o resíduo não irá se movimentar. Estoque alto, parada de linha de produção, problemas financeiros, etc. são alguns desses problemas. Com mais de um comprador você consegue reduzir e/ou eliminar o risco de não ter lucro.

2º Vantagem: Maior poder de negociação de preço

Quando se tem mais de um comprador é possível negociar melhor preços de venda. A organização pode seguir uns dos principais dogmas de mercado o “quem dá mais”, principalmente se o resíduo gerado for um recurso limitado. Ou se esse resíduo sofre alterações de quantidade em épocas sazonais.

O comprador para garantir o material e não parar sua linha de produção aceita negociar preços. Se a empresa tiver apenas um comprador há o risco de não conseguir barganhar valores.

3º Vantagem: Diminui o armazenamento dos resíduos

Quando a empresa tem mais de um comprador para o seu resíduo ela reduz a quantidade de resíduos armazenados. Dessa forma, o tempo de armazenamento e acondicionamento dos resíduos é menor, evitando os potenciais riscos dos resíduos.

Além disso, o empreendimento não vai ter dinheiro parado no armazenamento.

4º Vantagem: Elimina o risco de não vender

comprador para o seu resíduo

Ter mais de um comprador permite a empresa ter maior segurança. A organização que tem apenas um comprador tem o risco de perder a venda e ficar com o resíduo encalhado em seu armazém é enorme.

Um único comprador fixo não é garantia para um negócio. Esse comprador pode ter problemas e não efetuar a compra. Além de a empresa ficar com o resíduo parado sem dar destinação correta, ela perde dinheiro e tempo, haja vista que será necessário mais tempo para ofertar esse resíduo a outros compradores.

Com mais de um comprador, mesmo que um deles tenha problemas para efetuar a compra, os outros conseguem manter o fluxo do negócio até que se encontre outro.

5º Vantagem: Encontrar compradores mais versáteis

Ter mais compradores possibilita o fechamento de melhores negócios, já que a base de compradores será mais versátil.

A comercialização de resíduos não necessariamente precisa ser feito por valor monetário, é possível fazê-la através de trocas. O gerador pode através da permuta trocar resíduos de seu interesse com o comprador

6º Vantagem: Maior margem de lucro

Como em qualquer transação comercial manter uma margem de lucro considerável para a manutenção do negócio é fundamental. Com vários compradores é possível aumentar a margem de lucro com o resíduo, já que as chances de melhores negociações são maiores.

É possível gerenciar uma rota de transporte mais econômica, negociar prazos, gerenciar o armazenamento, entre outros.

7º Vantagem: Maior versatilidade dos contratos

comprador para o seu resíduo

Com mais de um comprador você pode ter maior versatilidade dos contratos. Podendo ser semestral, anual, trimestral ou mensal. O contrato dependerá da quantidade de resíduo gerado, do tempo de geração, das condições de pagamento ou do que for mais importante.

Aprenda como negociar resíduos online

Com a instituição da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), os geradores passaram a ser responsáveis pelo destino correto de todos os resíduos que produzem.

Nesse contexto, por meio do mercado de resíduos, surge uma oportunidade de cumprir as novas regras da PNRS e gerar receita a partir dela.

O mercado de resíduos possibilita agregar valor aos resíduos, transformando-os em matéria-prima ou insumo na fabricação de outros produtos.

A negociação online de resíduos tem a função de servir como guia para promoção de oportunidades de negócios, conciliando ganhos econômicos com ganhos ambientais. Tudo isso através do anúncio de resíduos para compra, venda, troca ou doação.

Nessas plataformas de negociação os resíduos são classificados por categorias de procedência e subdivididos em função da sua qualidade, acondicionamento, uso ou negociação pretendida. O principal foco é a reutilização ou reciclagem desses resíduos.

O Mercado de Resíduos, uma plataforma da VG Resíduos, é um desses ambientes onde empresas compradoras encontram geradores de resíduos, ou vice versa. Tudo isso através de um portal unificado de fornecedores e compradores.

Para localizar bons geradores ou tratadores é vantajoso aderir uma plataforma que reúna as empresas dispostas a venderem seus resíduos.

A plataforma de compra e venda aumenta a chances de qualquer empresa aumentarem seu lucro.  É uma excelente alternativa que beneficia a todos, gerador e comprador.

Essas são algumas das vantagens em ter mais de um comprador para o seu resíduo. A venda de resíduos gera uma renda alta para as empresas, desde que essa busque diversificar seus compradores.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

 

Como usar a inovação para ampliar práticas sustentáveis na sua empresa?

A inovação para ampliar práticas sustentáveis nas empresas tem o intuito de alcançar um modelo que alie sustentabilidade e desenvolvimento econômico. Na gestão de resíduos a inovação é usada para reduzir a geração de resíduos, ter maior eficiência no processo para reduzir desperdícios, investir em pesquisa e desenvolvimento para aumentar o ciclo de vida dos produtos e ter controle de poluentes.

A adoção da inovação na gestão de resíduos é convertida em ganhos de competitividade, aumento do lucro e redução dos impactos causados ao meio ambiente. Saiba como usar a inovação para alcançar o desenvolvimento sustentável!

A importância das práticas sustentáveis para a empresa

A adoção de praticas sustentáveis na gestão de resíduos é uma necessidade real das empresas. As práticas são um meio para a redução dos custos de produção, geração de resíduos e do valor final dos produtos. Além disso, fortalecem a marca, pois essa demonstra ser uma empresa que se preocupa com a proteção ambiental e desenvolvimento social.

As práticas sustentáveis prover o equilíbrio no resultado da empresa, buscando o fortalecimento nas dimensões econômica, ambiental e social. Na dimensão social a empresa promove a qualidade de vida, dentro e além dos muros da organização.

Na ambiental as ações adotadas eliminam ou amenizam o impacto negativo causado por suas atividades. Na dimensão econômica a empresa pensa em lucrar ao mesmo tempo em que sustenta os recursos naturais e promove qualidade de vida.

Quando a inovação é usada para ampliar práticas sustentáveis os empreendimentos se reposicionam como uma marca ambientalmente correta, melhorando sua relação com consumidores, clientes, fornecedores, colaboradores e com a sociedade. O negócio é visto como uma marca de confiança e credibilidade.

O estimulo das práticas sustentáveis para a gestão de resíduos

inovação para ampliar práticas sustentáveis

O uso da inovação afeta consideravelmente a gestão de resíduos, pois essa deve buscar meios de reduzir a geração e alternativas de destinação ambientalmente correta. Além de cumprir com diversas obrigações legais, como envio de documentos e relatórios aos órgãos públicos.

A adoção de práticas sustentáveis é estimulada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, haja vista que seus objetivos (capítulo II artigo 7º) buscam:

  • a proteção da saúde pública e da qualidade ambiental – é necessário investir em métodos de proteção que impeçam que os resíduos contaminem o meio ambiente causando sérios danos ambientais e a saúde publica;
  • a não geração, redução, reutilização, reciclagem e tratamento dos resíduos sólidos, bem como disposição final;
  • o estímulo à adoção de padrões sustentáveis de produção e consumo de bens e serviços;
  • a adoção, desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias limpas como forma de minimizar impactos ambientais – por exemplos, equipamentos que eliminam ou reduzem o desperdício;
  • a redução do volume e da periculosidade dos resíduos perigosos;
  • o estímulo à implementação da avaliação do ciclo de vida do produto;
  • o incentivo ao desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental e empresarial voltados para a melhoria dos processos produtivos e ao reaproveitamento dos resíduos sólidos, incluídos a recuperação e o aproveitamento energético.

Instituindo a inovação para ampliar práticas sustentáveis

inovação para ampliar práticas sustentáveis

Para alcançar o desenvolvimento sustentável no meio organizacional é necessário a adoção de um gerenciamento de resíduos ecoeficiente, práticas sustentáveis com a eficiência ecológica e sistemas produtivos voltados para a inovação. Para isso, o uso da inovação estimula as organizações a adotarem métodos mais sustentáveis.

Para obter sucesso na gestão de resíduos é preciso inovar. A inovação reduz os impactos ambientais através da introdução de processos, matéria prima e métodos melhorados que trazem significados resultados econômicos, sociais e ambientais para a empresa.

Adotar práticas sustentáveis consiste no estabelecimento de ações que proteja o meio ambiente e que promova o lucro. Além disso, essas práticas devem proporcionar, de forma ética, o desenvolvimento de toda a comunidade.

Logo, as práticas apresentam resultados positivos tanto para a empresa quanto para a sociedade. E o mais importante, essas ações positivas cooperam para melhorar a imagem da sua empresa.

Uma das ações inovadoras mais importantes para se tornar uma empresa sustentável é estabelecer um gerenciamento de resíduos eficiente e efetivo. Para isso a VG Resíduos pode auxiliar, uma vez que a plataforma incentiva destinações limpas e melhora a eficiência das empresas na gestão dos seus resíduos, o que também contribui para melhorar a imagem de uma empresa.

Através da gestão de resíduos o uso de recursos naturais é reduzido. Além disso, identifica deficiências do processo produtivo, reduzindo desperdícios e custos, aumentando a lucratividade dos negócios e contribuindo para o desenvolvimento sustentável.

Uma organização que não realiza a gestão dos seus resíduos perde muitas oportunidades, principalmente de realizar negócio com novos clientes.

Plataforma inovadora

inovação para ampliar práticas sustentáveis

A plataforma inovadora de gestão de resíduos da VG Resíduos abrange desde a geração até a destinação. Controlando qual o resíduo e quantidade que foi gerada, os períodos e as formas como foi destinado. Além disso, gera automaticamente alguns documentos que são necessários no processo e exigidos pela legislação ambiental.

Com a plataforma a empresa possuirá um sistema online com módulos diferenciados conforme a necessidade do seu segmento: gerador, gerenciador, transportador ou tratador.

Além de ser uma ferramenta 100% on-line e com atendimento à PNRS, ela mantém seus registros, auxilia no controle da validade e input de documentos como: Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR), Certificado de Destinação Final (CDF) e ficha de emergência, é possível também visualizar e monitorar as principais ações e pendências da empresa e permite uma visão estratégica por meio de emissão de gráficos e relatórios para tomada de decisões.

Assim sendo, usar a inovação para ampliar práticas sustentáveis nas empresas permite o alcance de um modelo que alia sustentabilidade e desenvolvimento econômico. A inovação é aplicada para reduzir a geração de resíduos, ter maior eficiência no processo para reduzir desperdícios, investir em pesquisa e desenvolvimento para aumentar o ciclo de vida dos produtos e ter controle de poluentes. A VG Resíduos é uma plataforma inovadora que auxilia na gestão de resíduos, gerenciamento, destinação, logística reversa e na coleta e transporte de resíduos de forma sustentável.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

 

Algumas matérias que podem te interessar

© VG Residuos Ltda, 2020