×

O que diz a lei ambiental sobre a obrigação da logística reversa?

A lei ambiental sobre a obrigação da logística reversa, principalmente regida pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), diz sobre a obrigação da logística reversa para uma gama de produtos. Desde embalagens de bebidas até óleos lubrificantes usados e contaminados, passando por pneus inservíveis e outros produtos.

Apesar de ser uma exigência legal muitas empresas não possuem um sistema de logística reversa estruturada. Esta negligência tem gerado significativas situações de ameaça ao meio ambiente. Para que a lei seja cumprida alguns estados passaram a exigir a estruturação do sistema de logística reversa como condicionante para o licenciamento ambiental.

A logística reversa é realizada através de ações que viabilizam a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial. Esses resíduos são reaproveitados no seu próprio ciclo ou em outros ciclos produtivos. Ou podem ser destinados de forma ambientalmente correta. Confira mais nesse artigo!

Lei ambiental sobre a obrigação da logística reversa

A lei ambiental sobre a obrigação da logística reversa vigora desde 2010, porém somente em 2017 foi regulamentada através do decreto nº 9177.

A lei 12.305/2010 regulamenta o manejo adequado dos resíduos e estipula outros dois instrumentos para viabilizar a logística reversa: o termo de compromisso e o acordo setorial.

O intuito da lei ambiental é instituir instrumentos para a gestão de resíduos, permitindo que o país enfrente os principais problemas ambientais, sociais e econômicos causados pelo manejo incorreto dos resíduos.

A PNRS determina que para a implantação do sistema de logística reversa tanto os fabricantes, quanto os importadores, distribuidores, comerciantes, cidadãos e prefeitura tenham a responsabilidade compartilhada no manejo dos resíduos e embalagens pós-consumo.

Descubra qual as melhores soluções de logística reversa para a sua empresa.

Lei ambiental sobre a obrigação da logística reversa

A implantação da logística reversa já é lei para fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes de certos produtos. Para cumprir a lei, são feitos acordos setoriais entre eles e o poder público para implantar um sistema de logística reversa.

Em 2012, foi assinado um acordo de logística reversa com o setor de embalagens plásticas de óleos lubrificantes. Para implantar o sistema nos setores de lâmpadas e embalagens em geral, o governo assinou acordos em 2015.

Outros acordos setoriais para implantação da logística reversa nos setores das cadeias produtivas de embalagens e resíduos de medicamentos, produtos e componentes eletrônicos estão sendo estudados.

novas resoluções do CONAMA de NOV/18

Em São Paulo, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) regulamentou que a partir de outubro de 2018 para as organizações obterem a licença ambiental terão a obrigatoriedade de implantaram o sistema de logística reversa. Com essa decisão fica determinada a responsabilidade da empresa apresentar um plano de coleta dos resíduos resultante de seus produtos ou embalagens e qual foi à destinação dada a esse resíduo.

Saiba como funciona a logística reversa de lâmpadas fluorescentes.

Setores prioritários na logística reversa

Devem possuir um sistema de logística reversa os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de:

Descubra os sete bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos.

Condições para firmar um Termo de Compromisso

O termo de compromisso tem como objetivo acompanhar a estruturação, implementação e operacionalização da logística reversa.

A empresa pode aderir o termo de compromisso ou implementar o sistema. No entanto, a forma mais simples e eficiente é firmar o termo de compromisso.

Fazem parte do termo de compromisso as entidades signatárias e as empresas.

O conteúdo mínimo do termo de compromisso da logística reversa deve conter o seguinte conteúdo:

  • identificação dos participantes: da empresa e do órgão signatário;
  • considerações pertinentes ao sistema de logística reversa;
  • identificação do resíduo (ou grupo de resíduos) sujeito a logística reversa;
  • definições específicas ao sistema de logística reversa;
  • descrição das etapas e demais detalhes operacionais do sistema;
  • responsabilidades;
  • metas do sistema de logística reversa;
  • condições de acompanhamento e do controle da implementação do sistema;
  • disposições finais.

Saiba como afastar sanções implantando um sistema de logística reversa.

Cumprimento da lei sobre logística reversa

O cumprimento da lei ambiental sobre a obrigação da logística reversa pode ser realizada por meio de um software de gestão de resíduo ou mesmo por uma empresa especializada neste tipo de serviço.

No software de gestão de resíduos da VG Resíduos a empresa pode implementar o sistema de forma individual. A plataforma traz funcionalidades específicas para o controle das áreas geradoras, dos processos, dos prestadores de serviços e dos documentos, tudo com metodologia baseada na Política Nacional de Resíduos e demais legislações pertinentes ao assunto.

Já na plataforma Mercado de Resíduos o gerador encontrar empresas especializadas neste tipo de serviço. A plataforma serve para integrar interessados em resíduos e, sobretudo, estruturar uma rede de contatos que garanta o oferecimento de soluções para compra, venda, tratamento e transporte de resíduos em escala nacional.

A lei ambiental sobre a obrigação da logística reversa é importantíssima para a conservação ambiental. Trata-se de uma lei que estimula a reflexão de distribuidores, importadores e fabricantes da importância do descarte correto de certos produtos. A logística reversa tem a finalidade de reduzir o consumo de recursos naturais, diminuir a geração de resíduos e incentivar o consumo sustentável.  Além disso, tem impacto positivo aos negócios da empresa, tornando a marca conhecida como uma organização ambientalmente responsável.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Quais os principais tipos de logística reversa no Brasil?

novas resoluções do CONAMA de NOV/18

 

 

 

 

Que resíduos de impacto ambiental são atingidos pela lei de Logística reversa?

lei de Logística reversa

A lei de Logística reversa determina uma gama de resíduos que causam significativo impacto ambiental. Estão entre eles embalagens de bebidas até óleos lubrificantes usados e contaminados, passando por pneus inservíveis e outros produtos. Mediante isso, as empresas devem seguir uma serie de medidas para aplicar o sistema no gerenciamento de resíduos.

A lei de logística reversa já é exigida pela Política Nacional de Resíduos SólidosNa maioria dos casos o cumprimento da lei de logística reversa tem sido realizado por meio de acordos setoriais. Esses acordos são firmados entre o poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes. Gradativamente o sistema de logística reversa está sendo implantado no país. Confira quais resíduos de impactos ambientais são atingidos pela lei de logística reversa!

Saiba qual a diferença entre coleta seletiva e logística reversa.

A lei de logística reversa

lei de Logística reversa

A logística reversa é definida pelo Ministério do Meio Ambiente como um instrumento que tem o objetivo de restituir os resíduos ao setor empresarial para reaproveitamento em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos. Ou em outros casos a destinação final ambientalmente correta.  

Popularmente, definimos a logística reversa como o caminho inverso ao da logística convencional. Na logística convencional o produto é destinado ao consumidor. Na logística reversa o produto pós-consumo retorna à empresa produtora. Ou seja, após o consumo do produto o resíduo gerado é entregue pelo consumidor ao produtor para o reaproveitamento em mesmo tipo de produto, para reciclagem e transformação em outro. Ou até mesmo para a destinação final, com o descarte em lugar e de forma ambientalmente adequados.

Saiba como a PEVs Ajudam a instituir a logística reversa.

Para aplicar a lei é usado um conjunto de ações e procedimentos que viabiliza a coleta dos resíduos. Essas ações podem ser através da coleta seletiva e pontos de entrega voluntários – PEVs.

Quem deve implementar o sistema de logística reversa?

lei de Logística reversa

A lei de logística reversa deve ser cumprida para fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes de certos produtos. Para cumprir a lei, são feitos acordos setoriais entre eles e o poder público para implantar um sistema de logística reversa.

Em 2012, foi assinado um acordo de logística reversa com o setor de embalagens plásticas de óleos lubrificantes. Para implantar o sistema nos setores de lâmpadas e embalagens em geral, o governo assinou acordos em 2015. 

Outros acordos setoriais para implantação da logística reversa nos setores das cadeias produtivas de embalagens e resíduos de medicamentos, produtos e componentes eletrônicos estão sendo estudados.

Em São Paulo, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) regulamentou que a partir de outubro de 2018 para as organizações obterem a licença ambiental terão a obrigatoriedade de implantaram o sistema de logística reversa. Com essa decisão fica determinada a responsabilidade da empresa apresentar um plano de coleta dos resíduos resultante de seus produtos ou embalagens e qual foi à destinação dada a esse resíduo.

Confira: sete bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos

Resíduos atingidos pela lei

lei de Logística reversa

Alguns resíduos de impacto ambiental necessitam de um sistema de logística reversa. É de total responsabilidade da empresa recolher esses resíduos que são perigosos para a população e o meio ambiente.

Devem possuir um sistema de logística reversa os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de:

Saiba quais os principais tipos de logística reversa no Brasil.

Implantação da lei de logística reversa

lei de Logística reversa

O sistema de logística reversa é implementado por meio dos seguintes instrumentos: 

  • regulamento expedido pelo Poder Público: a logística reversa é implementada através de decretos pelo poder executivo;
  • acordos setoriais: o sistema é implementado através de acordos entre o Poder Público e os fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes;
  • termos de compromisso: esses termos podem ser firmados para implantação da logística reversa em locais onde não há acordos setoriais e regulamento.

Como sua empresa pode lucrar com logística reversa de resíduos de vidros?

Operação do sistema de logística reversa

lei de Logística reversa

A operação do sistema de logística reversa pode ser realizada por meio de um software de gestão de resíduo ou mesmo por uma empresa especializada neste tipo de serviço.

No software de gestão de resíduos da VG Resíduos a empresa pode implementar o sistema de forma individual. A plataforma traz funcionalidades específicas para o controle das áreas geradoras, dos processos, dos prestadores de serviços e dos documentos, tudo com metodologia baseada na Política Nacional de Resíduos e demais legislações pertinentes ao assunto.

novas resoluções do CONAMA de NOV/18

Já na plataforma Mercado de Resíduos o gerador encontrar empresas especializadas neste tipo de serviço. A plataforma serve para integrar interessados em resíduos e, sobretudo, estruturar uma rede de contatos que garanta o oferecimento de soluções para compra, venda, tratamento e transporte de resíduos em escala nacional.

A lei de logística reversa é importantíssima para a conservação ambiental. Trata-se de um instrumento que estimula a reflexão de distribuidores, importadores e fabricantes da importância do descarte correto de certos produtos. O sistema tem a finalidade de reduzir o consumo de recursos naturais, diminuir a geração de resíduos e incentivar o consumo sustentável.  Além disso, tem impacto positivo aos negócios da empresa, tornando a marca conhecida como uma organização ambientalmente responsável. Portanto, a empresa deve buscar informações para implantação do sistema e não deixar de cumprir a lei.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Como a logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa?

novas resoluções do CONAMA de NOV/18

Como a logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa?

logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa

A logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa, uma vez que um bom planejamento ambiental, além de diminuir custos, fortalece a sua posição no mercado e amplia a possibilidade de novos negócios. Ao adota-la, a organização esta colaborando para que o meio ambiente seja poupado, diminuindo a poluição e os problemas causados pelo descarte incorreto dos resíduos,  além de evitar a exploração desmedida de recursos naturais.

Mesmo sendo uma obrigação de muitas empresas a adotar a logística reversa em função das atividades que desenvolvem e dos produtos com os quais trabalham, o sistema pode contribuir para o desenvolvimento da empresa. Principalmente em níveis competitivos e econômicos, além de melhorar a imagem da organização. Confira!

logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa

O que é logística reversa?

logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa

O conceito de logística reversa tem sido muito difundido e recomendado desde a instituição da Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS. Além do mais, é um tema ambientalmente correto e usado como ferramenta para desenvolver uma economia sustentável dentro de uma organização.

A logística reversa consiste no gerenciamento dos produtos após o fim do seu ciclo de vida retornando-os para o fabricante, importadores, distribuidores e comerciantes. O objetivo da logística reversa dos produtos pós-consumo é neutralizar o seu impacto ambiental. Simplificando: logística reversa consiste no retorno dos resíduos (produtos pós-consumo) para que seus devidos fabricantes deem a destinação ambientalmente correta deles.

Geralmente todo o processo de retorno dos produtos inutilizáveis é feito a partir da coleta por parte da empresa que os produziu. Essa coleta pode ser porta-a-porta ou através de PEVs – Pontos de Entrega Voluntárias

Como funciona a logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes?

Ação sustentável ou obrigatoriedade?

logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa

No Brasil, conforme a lei 12.305/2010 a prática da logística reversa é obrigatória para todas as empresas que trabalham com:

Contudo, no estado de São Paulo esta obrigatoriedade se estende para demais empresas.  No estado toda empresa que deseja renovar ou obter a licença deve ter um sistema de logística reversa estruturado dentro da organização.

Apesar de apenas alguns setores possuírem obrigatoriedade, é preciso que os empresários entendam que a logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa por ser uma ferramenta sustentável. Hoje os consumidores procuram empresas que preocupam com a preservação ambiental. E, como essas empresas preocupam com o descarte dos produtos inutilizáveis.

Saiba quais os principais tipos de logística reversa do Brasil.

A logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa 

logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa

A marca é a identidade de qualquer organização. Quando a empresa possui uma marca forte o seu lucro é maior, já que a procura por seus produtos também é maior.

Uma empresa com um bom planejamento ambiental e com ações efetivas neste sentido, certamente terá uma imagem respeitável diante da sociedade e do mercado. Assim ela fortalece a sua posição no mercado e amplia a possibilidade de novos negócios.

logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa

Pois bem, com um sistema de logística reversa estruturado dentro de uma empresa é possível conseguir uma significativa melhora na imagem da marca.

A logística reversa é um processo que se representa como um grande diferencial competitivo, fazendo com que a empresa se torne destaque entre seus concorrentes. Principalmente em uma época em que muito se fala no descarte correto de resíduos.

O desenvolvimento de um sistema de logística reversa e de uma política de troca e devolução dos produtos pós-consumo contribui para o marketing verde da empresa. Há várias empresas que implantaram a logística reversa e são referencia de organizações sustentáveis.

Essas empresas se posicionam de forma ambientalmente correta diante da sociedade e dos consumidores. O retorno é a valorização da imagem e o crescimento econômico. Já que muitos clientes procuram somente os serviços e produtos das empresas sustentáveis.

Qual a diferença entre coleta seletiva e logística reversa?

Implantado a logística reversa em sua empresa

logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa

O processo de logística reversa inclui o gerenciamento das seguintes etapas: coleta, armazenagem, manuseio e movimentação ainda no gerador de resíduos. Além da coleta e transporte, movimentação e armazenagem na indústria de reciclagem.

Para implantar o sistema a empresa deve planejar minuciosamente. É preciso definir políticas de troca e devolução. Quais serão os meios de coleta, se porta-a-porta ou através de PEVs.

É possível desenvolver uma rede de distribuição de logística reversa integrada com as demais operações logísticas desenvolvidas na organização. Por exemplo, ao enviar um produto para seu cliente o material inutilizável já é recolhido. Algumas empresas permitem que a devolução seja realizada em qualquer ponto de venda dos seus produtos otimizando assim os processos logísticos.

A organização precisara de uma estrutura capaz de guardar e tratar os resíduos colhidos, ou possuir uma empresa para esse tipo de serviço já definida. O Mercado de Resíduos, da VG Resíduos, é uma plataforma onde a empresa encontra as melhores empresas que realizam tratamento de diversos serviços.

Através da plataforma, a organização tem acesso a diversos tipos de serviços de tratamento espalhados por todo o país. No Mercado de Resíduos é possível negociar o serviço desejado com total segurança. Além de poder negociar com outras empresas a venda dos produtos inutilizáveis.

Outros pontos a serem considerados que garantiram a eficiência do sistema de logística reversa são a necessidade de rastreamento e inventário de todos os materiais recolhidos. É possível realizar o diagnóstico completo dos resíduos através do software de gestão da VG Resíduos.

Através dele a gestão se torna mais fácil e ágil. A empresa consegue identificar os tipos de resíduos gerados e quantidade, possibilitando a tomada de decisões correta sobre o quer fazer com o resíduo coletado através da logística reversa.

Diante disso concluímos que a logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa por ser uma ferramenta de desenvolvimento sustentável. Além de ser considerada como parte integrante do fluxo logístico de um negócio. Através da logística reversa é possível gerenciar não só os recursos materiais, mas também os financeiros. Com a logística reversa a empresa tende aumentar seus rendimentos, já que os números de clientes aumentam por ser uma empresa de marca sustentável.  

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Sete bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos

logística reversa pode melhorar a imagem da sua empresa

 

Como funciona a logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes?

logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

A logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes é um tema de importância crescente que vem alterando a dinâmica do mercado.  Diversos motivos impulsionam este tema, como o fato das lâmpadas serem consideradas resíduos perigosos que necessitam de destinação ambientalmente correta após o consumo. No entanto, a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, foi um dos motivos que mais incentivam as empresas a lidar com esse resíduo.

Quando as lâmpadas fluorescentes são descartadas em locais inadequados podem contaminar o meio ambiente, intoxicar os seres humanos causando problemas físicos e neurológicos.

logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

A logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes é um processo que planeja, opera e controla o fluxo e as informações logísticas referentes ao retorno das lâmpadas após o consumo. Confira mais sobre o tema neste artigo!

Leia: Qual a diferença entre coleta seletiva e logística reversa?

Logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

Os resíduos de lâmpadas fluorescentes se caracterizam por lâmpadas adquiridas, utilizadas e descartadas pelo consumidor. Normalmente, essas lâmpadas fluorescentes podem retornar ao seu ciclo produtivo, através canais reversos de pós-consumo como de reciclagem e de reuso.

Com a logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescente é possível retornar o resíduo descartado ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo.

A logística reversa já é um instrumento utilizado por diversos países como uma alternativa eficiente para o adequado gerenciamento de resíduos. No Brasil foi a PNRS que implantou este sistema. O objetivo é fazer retornar todos os produtos pós-consumo ao setor empresarial. Este retorno garante a recuperação dos materiais recicláveis que farão parte de um novo ciclo produtivo.

A PNRS obrigou inicialmente a implantação da logística reversa às cadeias de:

Saiba mais: quais os principais tipos de logística reversa no Brasil.

Como realizar a logística reversa das lâmpadas?

logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

O processo de logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes inclui o gerenciamento das seguintes etapas: coleta, armazenagem, manuseio e movimentação ainda no gerador de resíduos. Além da coleta e transporte, movimentação e armazenagem na indústria de reciclagem.

As lâmpadas fluorescentes pós-consumo devem ser colocadas, na posição vertical e dentro das embalagens originais quando possível. Caso não seja possível, deverá ser acondicionada utilizando materiais como: papelão, papel ou jornal e fitas autocolantes. Os materiais utilizados para embalar as lâmpadas usadas devem garantir a proteção contra choques mecânicos.

Após estarem embaladas as lâmpadas devem ser colocadas em recipiente portátil ou caixa para o transporte até as empresas de reciclagem licenciadas pelos órgãos ambientais.

Já as lâmpadas quebradas devem ser acondicionadas separadamente das demais lâmpadas. E, em herméticos, como tambores de aço devidamente vedados para evitar a contaminação pelas substâncias perigosas das lâmpadas.

Os consumidores domésticos podem procurar por postos de coleta para entregar as lâmpadas usadas. Esses pontos de coleta podem ser das prefeituras ou de algumas empresas particulares, como shoppings e lojas de materiais de construção. Normalmente esses postos de coleta não cobram para receber esses resíduos. Após coletado certa quantidade esses postos encaminham para os fabricantes ou para as recicladoras.

logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

Já empresas privadas devem procurar por outras empresas especializadas para realizar o descarte das lâmpadas. Essas tratadoras realizam o tratamento das lâmpadas através da reciclagem e neutralização dos seus riscos. Porém este serviço envolve um custo para a geradora.

Ainda no Brasil, o custo para se reciclar lâmpadas fluorescentes é de responsabilidade do gerador de resíduos.

Leia também: Soluções de logística reversa: qual a melhor para a minha empresa?

Por que implantar a logística reversa na empresa?

logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

A PNRS estabeleceu a responsabilidade compartilhada na gestão dos resíduos. Pela lei todas as empresas estão obrigadas a organizarem um sistema de logística reversa de resíduos.

Várias organizações buscam entidades que lhes deem suporte operacional para atender o que a lei determinou quanto à implantação do sistema de logística reversa pós-consumo das lâmpadas fluorescentes. Para tanto, a VG Resíduos conta com software que auxilia a empresa a realizar toda a gestão dos resíduos gerados. Desde a segregação até a destinação final.

É possível implantar o sistema por meio de contratação de transportadoras, criação de centros de coletas de resíduos, parcerias com recicladoras, cooperativas e unidades gestoras de resíduos. Além de criação de um ponto de coleta para que o consumidor comum saiba onde deve levar as lâmpadas usadas para o descarte.

Benefícios da logística reversa pós-consumo

logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

A logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes vai muito além da obrigação legal. Investir no sistema significa um importante diferencial competitivo para a empresa. Com o sistema a empresa melhora sua imagem perante os seus clientes, além de conseguir gerar lucro vendendo o coletado. Ou mesmo reutilizando em seus processos.

Veja quais são os benefícios da logística reversa de resíduos não industriais:

  • criar uma imagem sólida perante os consumidores;
  • explorar ações de marketing vinculadas à logística reversa;
  • melhorar o processo de produção já que os resíduos retornam à cadeia produtiva, o que diminui o consumo e os custos de matérias-primas;
  • gerar produtos mais eficientes já que as empresas passam a adotar tecnologias mais limpas. Isto simplifica a reutilização e a criação de embalagens e produtos que podem ser reciclados com maior facilidade;
  • criar consumidores mais conscientes.

Porém, o maior desafio da logística reversa pós-consumo das lâmpadas fluorescente é a conscientização da sociedade na questão da educação ambiental. Muitos não têm orientação para o coreto descarte das lâmpadas usadas. Na maioria das vezes, esses resíduos são destinados aos aterros.

A logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes deve ser vista como uma grande alternativa para o reaproveitamento dos resíduos em um novo ciclo de vida. A logística reversa impede o aumento da poluição e da extração continuadas de recursos naturais que, em sua grande maioria, já se encontram em extinção. Além de evitar danos a natureza e a saúde do homem.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Sete bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos

logística reversa pós-consumo de lâmpadas fluorescentes

 

Qual a diferença entre coleta seletiva e logística reversa?

diferença entre coleta seletiva e logística reversa

Apesar de já serem temas bastante populares, muita gente ainda não sabe a diferença entre coleta seletiva e logística reversa. Há quem acredite que os dois são a mesma coisa, ou então, que possuem as mesmas finalidades.

Neste artigo explicaremos cada um dos conceitos e demonstramos a aplicação de cada um deles no contexto industrial do mundo moderno. Confira!

Soluções de logística reversa: qual a melhor para a minha empresa?

A necessidade da destinação adequada de resíduos

diferença entre coleta seletiva e logística reversa

Todos os dias, milhões de toneladas de resíduos são produzidas. Os produtos movimentados diariamente no mundo somam bilhões de toneladas, muitas das quais se transformarão em lixo ao longo do processo.

Plásticos, metais e materiais orgânicos lideram a lista dos resíduos mais produzidos, apenas a soma destes três tipos já contabiliza alguns milhões de toneladas todos os dias.

Com tanto resíduo sendo produzido é desnecessário afirmar que a destinação adequada destes materiais é muito importante. Atualmente, mais que importante, ela é vital para o funcionamento de diversos setores da economia, além é claro, da preservação do meio ambiente, a qual é muito dificultada pelo descarte inadequado de resíduos residenciais e industriais.

A coleta seletiva e a logística reversa são duas ferramentas inventadas pela indústria para atender à demanda de destinação eficiente de resíduos produzidos.

Ambas são métodos viáveis de separação, segmentação, alocação e destinação de resíduos diversos.

diferença entre coleta seletiva e logística reversa

O que é logística reversa?

diferença entre coleta seletiva e logística reversa

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) define a logística reversa como sendo:

o conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos da Lei.

Desta forma, podemos definir a logística reversa como sendo a atividade de trazer os materiais da ponta para o centro da cadeia de distribuição, ao contrário da logística tradicional, a qual leva os materiais do centro para as pontas.

A logística reversa de pneus por exemplo, é realizada através da instalação de pontos de coleta em oficinas e lojas do ramo, de forma que a cada novo pneu vendido, o respectivo par que foi substituído seja encaminhado para a indústria, para que esta dê segmento ao processo de destinação final.

Assim, o pneu sai da fábrica, cumpre sua vida útil e depois retorna para ser destinado adequadamente.

diferença entre coleta seletiva e logística reversa

O que é coleta seletiva?

diferença entre coleta seletiva e logística reversa

A coleta seletiva pode ser entendida como o processo de separação do lixo de acordo com categorias ideais para a reciclagem.

Todos já vimos as tradicionais lixeiras coloridas, as quais vêm com inscrição para depósito de papel, plástico, metais, vidros e materiais orgânicos. É este tipo de separação que possibilita a reciclagem dos materiais, caso contrário, não seria viável o tratamento.

Quando o lixo é depositado fora do processo de coleta seletiva, o custo de separação dos materiais na maioria das vezes é superior ao valor de venda dos resíduos, inviabilizando qualquer possível reciclagem. Mas quando a segmentação é feita no ato do descarte, não há o custo de separação, tornando a reciclagem possível.

A coleta seletiva é portanto, apenas o processo de separar os resíduos no ato do descarte. Para que ela seja bem executada é indispensável que os materiais sigam separados ao longo do procedimento de transporte e destinação final.

Como os PEVs ajudam a instituir a logística reversa?

Qual a diferença entre coleta seletiva e logística reversa?

Os dois conceitos se integram, a logística reversa não pode existir sem a coleta seletiva. Na prática, a coleta seletiva é a primeira etapa da logística reversa, uma vez que se ela não for realizada, o retorno do material descartado para o processo produtivo se tornará impossível.

A coleta seletiva é apenas o processo de separação e destinação dos materiais de acordo com suas características de reciclagem.

Já a logística reversa é um processo mais complexo que contempla também o retorno dos resíduos à cadeia produtiva sob a forma de insumo ou produto final.

Como a coleta seletiva contribui para a logística reversa?

Quais as vantagens e dificuldades da coleta seletiva?

diferença entre coleta seletiva e logística reversa

A principal vantagem da realização da coleta seletiva é a redução ou até extinção do custo de separação dos materiais na fase pré-reciclagem. Já a principal dificuldade é a segmentação dos muitos tipos de materiais existentes e instalação de coletores em todos os domicílios e estabelecimentos.

Nas ruas é mais comum encontrar lixeiras do que coletores com cores segmentadas. O sistema de coleta de lixo das cidades também não favorece a prática da coleta seletiva, uma vez que em geral, não proporciona a possibilidade de coleta do lixo em recipientes separados.

Assim, mesmo que as pessoas separem o lixo em suas casas, o material acaba se misturando no caminhão.

Quais as vantagens e dificuldades da logística reversa?

A vantagem mais relevante da logística reversa é a redução significativa ou até mesmo anulação do lançamento de resíduos sem tratamento na natureza. Já a principal dificuldade está relacionada ao alto de custo de implementação, o qual pode em muitas das vezes até mesmo inviabilizar o negócio principal da empresa.

Caso houvesse um programa de coleta seletiva na maior parte dos estabelecimentos, bem como nas casas, a logística reversa seria muito mais simples e o conceito poderia ser aplicado a diversos setores da indústria, não apenas a alguns considerados críticos atualmente.

Programas de separação de lixo em empresas e condomínios têm aberto inúmeras possibilidades para a prática da logística reversa, mas ainda há muito a ser feito.

Seria interessante se alguma empresa desenvolvesse uma tecnologia ou modelo de negócios que permitisse também a prática deste tipo de logística tendo como pontos de coleta as residências não condominiais.

Como vimos, a principal diferença entre coleta seletiva e logística reversa está no conceito. Enquanto uma é apenas um procedimento de separação e destinação de resíduos, a outra se concentra em fazer destes, uma parte integrante do processo de produção industrial.

A coleta seletiva é assim, parte do processo de logística reversa, sendo na prática, a sua primeira etapa.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Sete bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos

diferença entre coleta seletiva e logística reversa

Soluções de logística reversa: qual a melhor para a minha empresa?

Soluções de logística reversa

Soluções de logística reversa podem ser eficientes para todas as organizações que geram resíduos e precisam se tornar ambientalmente responsáveis. A logística reversa, processo por meio do qual o fabricante recolhe o produto pós-consumo e o coloca de volta no ciclo produtivo, é uma solução ecologicamente correta. 

Da forma convencional, o produto começa seu ciclo na fabricação e termina ao ser usado pelo consumidor. Já na logística reversa, os resíduos das mercadorias voltam ao produtor depois de serem usados pelo consumidor. Para que isso aconteça, pontos de coleta devem ser instalados para que os consumidores possam depositar os produtos pós-uso.

A seguir, você entende como é o sistema de logística reversa de resíduos e por que ela é importante para a conservação ambiental. Conhece, também, soluções de logística reversa que são ideais para as organizações. Acompanhe!

Saiba a importância da logística reversa para o meio ambiente.

Saiba como funciona a logística reversa

Soluções de logística reversa

O Brasil tem problemas ambientais que são consequência do excesso de resíduos em função do aumento do consumo. Com a população consumindo mais produtos, as sobras tornam-se excedentes e é preciso encontrar soluções sustentáveis para o reaproveitamento dos resíduos.

A logística reversa vem para atenuar os problemas ambientais causados pelo excesso de sobras. É um sistema que faz com que os resíduos deixem de poluir o meio ambiente e ganhem vida nova após o consumo. As sobras voltam para os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, ao invés de serem descartados de no ambiente ou nos aterros sanitários.

Para o funcionamento da logística reversa, os fabricantes ou comerciantes devem investir na instalação de pontos coleta de resíduos. Os consumidores devem ser estimulados a depositar as sobras nesses locais. De volta aos fabricantes, esses devem adotar soluções de reciclagem para os resíduos. Com essa técnica, as sobras podem voltar como matéria-prima par o ciclo produtivo. Todo o sistema atenua a degradação ambiental e ainda pode trazer lucro para o fabricante.

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

Veja as empresas obrigadas a implantar a logística reversa

Soluções de logística reversa

Por sua importância para a diminuição dos problemas ambientais, a logística reversa se tornou uma obrigação legal a partir da promulgação da Lei 12.305/10. De acordo com a legislação ambiental, virou obrigação incluir a logística reversa todas as empresas que fabricam, importam, distribuem e comercializam:

  • pilhas e baterias;
  • óleos lubrificantes automotivos;
  • pneus;
  • resíduos e embalagens de agrotóxicos;
  • eletrônicos;
  • lâmpadas.

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

Conheça as melhores soluções de logística reversa

Soluções de logística reversa

Um aspecto essencial para a logística reversa ser benéfica para a organização é o investimento na reciclagem dos resíduos. As melhores soluções vão depender do tipo de resíduo que passa pela logística reversa.

Algumas organizações têm sido bem sucedidas ao investir no fluxo reverso. As empresas que fabricam materiais eletroeletrônicos, plásticos, vidro, alumínio e outros elementos têm obtido sucesso ao reciclar os resíduos depois de recolhê-los. As soluções adotadas são:

  • plásticos: podem ser transformados por processo mecânico, químico ou energético;
  • estanho e cobre: podem ser obtidos a partir de placas de circuito eletrônico microcomputadores, pelo processo de  lixiviação;
  • alumínio: pela reciclagem são retiradas as impurezas do material, é feita a picotagem e fundição. O material é derretido e vira alumínio líquido, base para lingotes ou chapas de alumínio.

As empresas de óleos lubrificantes automotivos também têm se dado bem com a logística reversa.  Pelo sistema de rerrefino é possível usar o óleo usado, extraindo dele matéria-prima para o óleo novo. Isso se dá porque o produto usado contém cerca de 80 a 85% de óleo lubrificante básico.

A logística reversa dos óleos, aliada à técnica do rerrefino, além da base para um novo óleo automotivo, também gera subprodutos como a fração asfáltica do óleo (maior parte degradada do óleo lubrificante usado) usada como plastificante em derivados do petróleo.

Os pneus velhos também vêm ganhando vida nova passando pela logística reversa. Quando são recolhidos eles têm sido reaproveitados com sucesso especialmente pela indústria cimenteira. Usando o sistema de coprocessamento, a borracha dos pneus é queimada em fornos. Isso substitui parcialmente o combustível que alimenta a chama que transforma calcário e argila em clínquer, matéria-prima do cimento.

Com a moagem dos pneus também é possível gerar matéria-prima para outros produtos.  A reciclagem é a base para a criação de tapetes de automóveis, solas de sapato, pisos industriais, quadras esportivas, materiais de vedação e dutos pluviais.

Cinco bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

Colaboração de diversos setores é essencial

A corresponsabilidade de diversos setores é fundamental para o sucesso da logística reversa. É necessário o empenho do governo, consumidores, fabricantes e comerciantes. Todos devem dar sua parcela de colaboração para o sistema funcionar. O poder público, por exemplo, deve focar em educação ambiental, estimulando que a população devolva os resíduos das mercadorias. O consumidor deve ser incentivado a entregar os resíduos nos postos de coleta pós-uso. Os fabricantes ou comerciantes devem organizar os pontos de recolhimento. Depois de coletados, devem adotar soluções de reciclagem para que o resíduo volte como matéria-prima em seu ciclo produtivo.

Saiba como realizar a logística reversa de óleo lubrificante usado ou contaminado.

Conte com a VG Resíduos

Soluções de logística reversa

Implantar a logística reversa pode ser trabalhoso para as empresas geradoras de resíduos. Por isso, contar com uma consultoria pode ser uma solução acertada. É oportuno ter uma equipe que possa orientar as geradoras sobre as fases a serem implantadas, sistemas de coleta e de reciclagem dos resíduos, tudo de acordo com a legislação ambiental.

E a VG Resíduos é uma consultoria que pode trazer todas as facilidades que o gerador precisa. Através do seu sistema de gerenciamento de resíduos, o gerador diagnostica e monitora a quantidade de sobras geradas, os tipos de resíduos e o seu fluxo reverso. Com essas informações é possível implantar um sistema de logística reversa eficiente.

Como se vê, há muitos caminhos para sua empresa implantar um sistema de fluxo reverso, dando vida nova a resíduos que provocariam degradação ambiental. Investindo em técnicas de reciclagem, há muitas soluções de logística reversa que podem trazer lucro para a empresa e ainda torná-la ambientalmente responsável.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Como as empresas estão lucrando com a logística reversa do isopor.

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

 

Como os PEVs ajudam a instituir a logística reversa?

 

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

 

Os PEVs ajudam a instituir a logística reversa já que seu principal objetivo é oportunizar o descarte correto dos materiais recicláveis e despertar a consciência ambiental dos consumidores. Os PEVs demonstra que com a cooperação e o envolvimento de todos é possível destinar os resíduos de forma ambientalmente correta.  

Desde a instituição da Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS muito se fala em programas que permite o consumidor devolver ao fabricante os materiais pós-consumo, uma vez que a logística reversa é instrumento previsto por ela.

Sabemos que os PEVs ajudam a instituir a logística reversa, mas como? A PNRS orienta que a implantação de sistema de logística reversa pode ocorrer por meio de medidas, tais como disponibilizar PEVs e priorizar a participação de cooperativas ou outras formas de associações de catadores de materiais recicláveis. Confira mais sobre assunto a seguir!

Saiba quais os principais tipos de logística reversa no Brasil.

O que são PEVs?

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

Os PEVs – Pontos de Entrega Voluntária são áreas instaladas em locais apropriados e cuidadosamente escolhidos para receber os resíduos. Nestes locais os consumidores entregam voluntariamente os materiais pós-consumo.

Os PEVs recebem diversos produtos pós-consumo como pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes, óleos de cozinha usados e eletrônicos. Recebem também sobras de obras de construção, reforma ou demolição como: tábuas, tijolos, telhas, fiações, tubulações, pisos e materiais de acabamento. Há PEVs que recebem móveis e equipamentos domésticos, tais como: sofás, cadeiras, geladeiras e armários.  

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

Os PEVs ajudam a instituir a logística reversa e podem ser um grande aliado para a separação dos recicláveis. Porém, para ser aliada da logística reversa é preciso seguir umas condicionantes importantes para que os pontos de entrega voluntária atinjam seu objetivo, que são a manutenção dos postos, limpeza, fiscalização e conscientização dos usuários.

Saiba como realizar a logística reversa de óleo lubrificante usado ou contaminado.

Como instituir PEVs?

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

Para instituir os PEVs é importante a escolha correta do local que estes postos serão instalados. Os pontos de entrega devem ser alocados em locais de fácil acesso das pessoas. Os pontos deve garantir a facilidade para o descarte dos resíduos. Nada adianta os PEVs serem alocados em locais longe do consumidor, uma vez que os pontos têm como objetivo principal recolher o maior volume de resíduo para a sua destinação correta.

Para facilitar para a população o descarte correto dos resíduos, contribuindo assim para a logística reversa, os receptores devem ser identificados de forma clara. Muitos utilizam a diferenciação por cores, como: papel e papelão receptores de cor azul, para embalagens plásticos receptores vermelhos, embalagens metálicas receptores amarelo e vidros receptores verdes.

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

Além disso, contar com cooperativas e prestadores de serviços para coleta dos materiais é importante para que os PEVs funcionem. Na plataforma Mercado de Resíduos é possível encontrar parceiros capacitados para contribuir para o funcionamento das PEVs. Desde empresas especializadas no transporte dos materiais coletados, como de tratadores e compradores dos resíduos coletados.

Outros fatores que ajudam no fortalecimento da logística reversa é fazer parcerias com os comerciantes e disponibilizar receptores de materiais pós-consumo em seus estabelecimentos. Exemplos têm, redes de supermercados que recolhem embalagens vazias de seus consumidores.

A PNRS determina que os distribuidores e comerciantes devam ceder espaço para a implantação de PEVs. No entanto, isto deve ser visto como uma obrigação, mas sim como uma oportunidade para contribuir para a preservação ambiental e o retorno dos recicláveis como matéria prima. Contribuir com a logística reversa melhora a imagem da empresa perante os seus clientes.

Como garantir o sucesso das PEVS?

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

Para o sucesso dos pontos de entrega voluntaria é importante que a população seja bem informada, mobilizada e sensibilizada sobre a importância do descarte dos materiais pós-consumo nestes pontos.

O consumidor deve ser orientado sobre o tipo de resíduo que esses pontos recebem e como disponibiliza-los nesses locais.

Outro ponto que garante o sucesso das PEVs e que contribuem para a logística reversa dos resíduos é a determinação do recolhimento dos materiais pós-consumo. Os materiais devem ser escoados de acordo com a capacidade de recebimento dos pontos. Se o recolhimento dos resíduos não for realizado de tal maneira que evite a extrapolação da capacidade de recebimento das PEVs, esses pontos se tornaram mini lixões.

Saiba a importância da logística reversa para o meio ambiente.

Facilite a Logística Reversa com a VG Resíduos

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

Vimos que os PEVs facilitam a logística reversa. No entanto, implantar a logística reversa e os pontos de entrega voluntária de resíduos ainda é um desafio das empresas geradoras de resíduos. Por isso, contar com uma consultoria pode ser um passo acertado. Contar com uma equipe que possa orientar as geradoras sobre as fases a serem implantadas, sistemas de coleta e de reciclagem dos resíduos, tudo de acordo com a legislação ambiental é fundamental. E a VG Resíduos trás toda essa facilidade que o gerador precisa.

Através do seu sistema de gerenciamento de resíduos o gerador diagnostica e monitora a quantidade de resíduos gerados, os tipos e o seu fluxo reverso. Com essas informações é possível implantar um sistema de logística reversa eficiente.

Diante disso, concluímos que se bem implantados, operacionalizados e mantidos, os PEVs ajudam a instituir a logística reversa, principalmente de embalagens pós-consumo. Através dos PEVs o objetivo da logística reversa é atingindo com muito mais facilidade. Contudo, várias estratégias devem ser adotadas, desde a conscientização da população até a escolha do melhor local para instalar os pontos de entrega voluntário.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Cinco bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

PEVs ajudam a instituir a logística reversa

 

Como a coleta seletiva contribui para a logística reversa?

 

coleta seletiva contribui para a logística reversa

 

Sabemos que a coleta seletiva contribui para a logística reversa, mas como? Desde a instituição da Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS muito se fala em programas de coleta seletiva e logística reversa. 

A coleta seletiva consiste em uma coleta diferenciada de resíduos com características similares. O gerador do resíduo separa previamente o resíduo segundo a sua constituição ou composição e disponibiliza-os para a coleta separadamente. Isso contribui para a logística reversa facilitando o retorno do produto pós-consumo ao seu ciclo produtivo, através canais reversos de pós-consumo como de reciclagem e de reuso.

Tanto a coleta seletiva quanto a logística reversa são importantes pilares para gestão de resíduos. Já que por meio deles os materiais são separados para serem reciclados ou reaproveitados, deixando assim de ir para os aterros. Confira mais sobre esse assunto a seguir!

coleta seletiva contribui para a logística reversa

Como funciona a coleta seletiva?

coleta seletiva contribui para a logística reversa

A responsabilidade pela implantação da coleta seletiva, conforme determina a PNRS é dos municípios. Haja vista que no plano de gestão integrada de resíduos sólidos dos municípios é necessário definir metas referentes à coleta seletiva. Contudo, a adoção dessa prática não deve ser vista somente como uma obrigação das prefeituras, mas de todos.

Mesmo sendo uma obrigação, nem todos os municípios brasileiros possuem coleta seletiva. Apenas 18% dos municípios brasileiros possuem o programa, e a maioria das cidades concentrava-se nas regiões Sul e Sudeste. No entanto, os que possuem oferecem duas formas mais comum, a coleta porta-a-porta e a por Pontos de Entrega Voluntária (PEVs).

A coleta porta-a-porta pode ser realizada tanto pelo prestador do serviço público de limpeza e manejo dos resíduos sólidos ou quanto por associações ou cooperativas de catadores de materiais recicláveis.

Os pontos de entrega voluntária estão situados estrategicamente próximos de um conjunto de residências ou instituições para entrega dos resíduos segregados e posterior coleta pelo poder público. 

coleta seletiva contribui para a logística reversa

Já o setor privado pode realizar a coleta seletiva e destinar os resíduos para terceiros que compram o material segregado. Como isso a organização lucra com a venda do resíduo gerado. Exemplos têm a venda de papel, plástico, sucata metálico e resíduo orgânico.

Esses tipos de coleta seletiva – coleta porta-a-porta e PEVs – facilitam o fluxo reverso dos resíduos.

Saiba qual a relação entre coleta seletiva de resíduos e a reciclagem.

Como funciona a logística reversa?

coleta seletiva contribui para a logística reversa

A ineficácia ou inexistência da coleta seletiva é um dos motivos da falta de crescimento da logística reversa. A não separação dos resíduos de acordo com suas características diminui a quantidade de materiais que poderiam ser devolvidos aos fabricantes dos produtos para posteriormente serem reciclados ou reutilizados.

A logística reversa já é um instrumento utilizado por diversos países como uma alternativa eficiente para o adequado gerenciamento de resíduos. No Brasil foi a PNRS que implantou este sistema. O objetivo é fazer retornar todos os produtos pós-consumo ao setor empresarial. Este retorno garante a recuperação dos materiais recicláveis que farão parte de um novo ciclo produtivo.

A PNRS obrigou inicialmente a implantação da logística reversa às cadeias de:

Saiba quais os principais tipos de logística reversa no Brasil.

Coleta seletiva pode contribuir com a logística reversa

coleta seletiva contribui para a logística reversa

A coleta seletiva e a logística reversa são alternativas eficientes para o destino dos resíduos. Essas ferramentas diminuem a quantidade de resíduos que irão para os aterros sanitários e consequentemente contribuem para redução da poluição ambiental.

Além disso, a implantação da coleta seletiva é um modo de conscientizar a população para o tratamento adequado dos resíduos.

O maior desafio da logística é a inadequada coleta seletiva.

No Plano Nacional de Resíduos Sólidos é apresentado quais os resíduos são objetos da logística reversa e para tanto devem ser separados por coleta seletiva. Esses resíduos são: pilhas e baterias, pneus, lâmpadas fluorescentes de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista, óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens, produtos eletroeletrônicos e seus componentes e embalagens de agrotóxicos.

coleta seletiva contribui para a logística reversa

Se a população separar corretamente esses resíduos e, se o município contar com um programa de coleta seletiva, a qualidade dos produtos recicláveis aumenta. A coleta seletiva e a logística reversa contribuem para geração de renda, principalmente dos catadores e para o aumento do índice de reciclagem.

Outro benefício da coleta seletiva para a logística reversa é que ela facilita o retorno dos resíduos para os fabricantes e comerciantes. Há também a diminuição dos materiais que vão para os aterros, contribuindo com o meio ambiente e como a saúde do homem.

Saiba sete bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos

Facilite a Logística Reversa com a VG Resíduos

coleta seletiva contribui para a logística reversa

Vimos que a separação correta dos resíduos através da coleta seletiva facilita a logística reversa. No entanto, implantar a logística reversa e a coleta seletiva ainda é um desafio das empresas geradoras de resíduos. Por isso, contar com uma consultoria pode ser um passo acertado. Contar com uma equipe que possa orientar as geradoras sobre as fases a serem implantadas, sistemas de coleta e de reciclagem dos resíduos, tudo de acordo com a legislação ambiental é fundamental. E a VG Resíduos trás toda essa facilidade que o gerador precisa.

Através do seu sistema de gerenciamento de resíduos o gerador diagnostica e monitora a quantidade de resíduos gerados, os tipos e o seu fluxo reverso. Com essas informações é possível implantar um sistema de logística reversa eficiente.

Diante disso, conclui-se que a coleta seletiva contribui para a logística reversa, uma vez que ela facilita o fluxo reverso dos resíduos. Ela se torna uma solução ecologicamente correta para empresas que geram resíduos. Há vários tipos de logística reversa no Brasil, reinserindo as sobras no processo produtivo da empresa. E os tipos de coleta seletiva adotado no país permite essa inserção como mais facilidade.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Cinco bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

coleta seletiva contribui para a logística reversa

 

 

Cinco bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

Há exemplos de logística reversa do setor de cosméticos de empresas que realizam o recolhimento das embalagens pós-consumo. Bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos têm a Avon, que criou um programa para coletar embalagens e resíduos de maquiagem e esmaltes de qualquer marca.

Estas organizações se preocupam com a sustentabilidade e a logística reversa, que deve ser implementada nas indústrias, como determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Os resíduos de cosmético são disponibilizando-os para a reciclagem. Reciclar resíduos de cosméticos é uma alternativa lucrativa e ecologicamente correta. Confira agora cinco bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos!

Saiba qual a importância da logística reversa para o meio ambiente.

Logística reversa do setor de cosméticos

exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

Implantar o sistema de logística reversa demonstra a preocupação que a empresa tem em preservar os recursos naturais e promover a conscientização da coletividade. Além de aumentar o lucro ao disponibilizar o resíduo para a reciclagem.

A logística reversa do setor de cosméticos começa com o gerenciamento dos resíduos. E a melhor opção de realizar esta gestão é através da VG Resíduos.

A VG Resíduos possui uma plataforma que otimiza todo o processo de gerenciamento de resíduos. Permitindo a emissão de relatórios que demonstram aos órgãos ambientais o tratamento e destinação correta dada aos resíduos.

Além disso, a plataforma não deixa a sua empresa perder os prazos de vencimento de licenças e emissão de documentos importantes para o licenciamento ambiental.

Com a venda dos resíduos através da plataforma Mercado de Resíduos, a organização consegue lucrar com seus resíduos coletados através da logística reversa.

Mercado de Resíduos, é um ambiente onde empresas encontram tratadores de resíduos, compradores ou geradores. Tudo isso através de um portal unificado de fornecedores e compradores.

O mercado de resíduos possibilita agregar valor aos resíduos, transformando-os em matéria-prima ou insumo na fabricação de outros produtos.

exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

A relevância da logística reversa

exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

A logística reversa é um sistema obrigatório para várias empresas que fabricam, importam ou comercializam alguns produtos, como: pilhas e baterias, pneus e embalagens de agrotóxicos. É instituída pela lei 12.305/10, Política Nacional de Resíduos Sólidos, que determina que as empresas se tornem responsáveis por todo o ciclo de vida de seus produtos e componentes.

No Estado de São Paulo, a empresa que não tiver um sistema estruturado não consegue obter a licença. A regra da Cetesb começou a valer a partir de 2 de outubro de 2018. E vale tanto para uma nova obtenção do documento ou para renovação da licença.

Não adotar boas práticas sobre logística reversa é uma falha que resulta em aumento considerável nos custos e na gestão ineficiente. Além do mais, pode dificultar o processo de trocas e devoluções e, consequentemente, aumenta a reclamação dos clientes já que encontraram dificuldades para devolver os produtos utilizados.

exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

Bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

Confira bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos.

Boticário

exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

A Boticário realiza a logística reversa de seus produtos através do Programa Reciclagem de Embalagens. O programa possibilita que as embalagens pós-consumo de produtos de belezas sejam devolvidas em qualquer uma das lojas do grupo. As embalagens são enviadas as cooperativas de catadores para posteriormente serem recicladas.

A Boticário aposta no sistema de logística reversa com uma prática para diminuir o impacto ambiental causado pelo descarte inadequado de resíduos sólidos. Além disso, a logística reversa aumenta os lucros da empresa melhorando sua imagem, já que muitos consumidores procuram empresas que possuem alguma iniciativa de reciclagem, coleta ou reutilização de embalagem.

A empresa possui em torno de quatro mil pontos de devolução de embalagens em todo Brasil. Os pontos de devolução que mais se destacam pelo volume de resíduos coletados e enviados à reciclagem via logística reversa são as cidades de Jundiaí (SP), Santos (SP), Santarém (PA) e Itumbiara (GO).

Para que o programa alcance o sucesso almejado e diminua o impacto ambiental causado pelos resíduos de cosméticos, o grupo conta com a parceria e engajamento dos franqueados e das suas transportadoras.  

Todos os resíduos coletados são enviados para as 21 cooperativas credenciadas em todo o país. Nessas cooperativas o resíduo é reciclado tornando-se matéria prima para outros processos.

Natura

O programa de logística reversa da Natura existe desde 2007. O objetivo do programa, além de recolher as embalagens pós-consumo é realizar estudos e monitorar o ciclo de vida das embalagens recicláveis.

Todas as embalagens recolhidas via logística reversa são enviadas as cooperativas de reciclagem. Já foram destinados a reciclagem aproximadamente 500 mil toneladas de resíduos.

O programa esta presente nos estados de São Paulo, Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Avon

exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

A empresa Avon adotou a logística reversa ao participa do Programa DAMF — “Dê a Mão Para o Futuro: Reciclagem, Trabalho e Renda”. Esse programa é coordenado pela ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos).

O programa de logística reversa da Avon já encaminhou mais de 110.984 toneladas de resíduos de cosméticos para a reciclagem. E esta presente em 8 estados, 84 municípios e 128 cooperativas.

Embelleze

A empresa Embelleze implementou o sistema de logística reversa. O seu projeto envia para cooperativas de reciclagem as caixas  de papelão de seus fornecedores.

Unilever

A Unilever é uma empresa que fabrica produtos cosméticos como a marca Seda, Clear, Lux, Rexona e etc..

A empresa realiza a logística reversa coletando as embalagens pós-consumo e enviando para reciclagem.

A logística reversa envolve sustentabilidade, adequação à legislação e até mesmo a redução dos custos relacionados à operação de transporte. O sistema está ligado também à imagem que a empresa projeta no mercado. Portanto, esses bons exemplos de logística reversa do setor de cosméticos demonstra que é possível implantar um sistema funcional.  

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: Como descartar resíduos de cosméticos para não degradar o meio ambiente?

exemplos de logística reversa do setor de cosméticos

 

Sete bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

Além do diferencial competitivo e de cumprir uma obrigação legal, existem outros boas práticas sobre logística reversa de resíduos.

A logística reversa é um processo que planeja, opera e controla o fluxo e as informações logísticas referentes ao retorno dos resíduos após o consumo para os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes. O objetivo é a recuperação de valor, seja econômico, de prestação de serviços, ecológico, legal, logístico ou de imagem. O conceito ganhou força a partir da publicação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, com a Lei nº 12.305, em agosto de 2010.

Com o sistema a empresa melhora sua imagem perante os seus clientes, além de conseguir gerar lucro vendendo o coletado ou reutilizando em seus processos, também reduz a quantidade de resíduos destinados aos aterros sanitários ou industriais. Confira os sete bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos!

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

Bons motivos para incluir logística reversa de resíduos

Tanto órgãos públicos e empresas privadas devem promover ações de redução no volume de resíduos. Como também, diminuir os impactos à saúde humana e ao meio ambiente. É por isso que logística reversa deve ser implementada.

Saiba os sete bons motivos para incluir logística reversa de resíduos.

1 – Diferencial competitivo com a logística reversa

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

A preocupação com o meio ambiente tem crescido bastante nos últimos anos. Não obstante, a procura por produtos fabricados por empresas com consciência ambiental também tem crescido.

A logística reversa é um conceito diretamente ligado a essa preocupação ambiental. Por isso, incluir o sistema é tido como um diferencial competitivo.

Segundo dados da Fecomercio SP as empresas que implantam o sistema de logística reversa crescem 40% ao ano, já que é comum que ocorra o aumento das vendas e das buscas pela empresa.

Saiba a importância de ser uma empresa sustentável

2 – Melhora a imagem da marca

A marca é a identidade de qualquer organização. Quando a empresa possui uma marca forte o seu lucro é maior, já que a procura por seus produtos também é maior.

Uma empresa com um bom planejamento ambiental e com ações efetivas neste sentido, certamente terá uma imagem respeitável diante da sociedade e do mercado. Assim ela fortalece a sua posição no mercado e amplia a possibilidade de novos negócios.

Pois bem, com um sistema de logística reversa estruturado dentro de uma empresa é possível conseguir uma significativa melhora na imagem da marca.

Saiba porque é importante ser uma marca ecologicamente correta.

3 – Aceitação da sociedade

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

Um dos bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos é o crescimento e reconhecimento da marca como uma empresa sustentável. Advindo a isso vem o crescimento econômico da organização.

Cada vez mais consumidores estão em busca de empresas socialmente aceitáveis. Portanto, o fator social e adequabilidade às políticas ambientais costuma ser bem-vistos pelos consumidores.

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

A logística reversa de resíduos implementada molda a empresa como socialmente aceitável.

Saiba como realizar a logística reversa de óleo lubrificante usado ou contaminado.

4 – Aumento da satisfação dos clientes

Uns dos bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos é o aumento da satisfação dos clientes.

Através do sistema são criados pontos de devoluções e trocas de itens. Esses pontos são de grande interesse do cliente e que causa grande satisfação.

Um bom exemplo de como a logística reversa aumenta a satisfação é o programa de garrafas retornáveis da Coca Cola. O programa oferece um produto com um custo menor para o consumidor que devolver a embalagem. Com isso a empresa conecta o plano de negócio com os objetivos de sustentabilidade.

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

5 – Lucros com a reutilização de resíduos

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

A prática da logística reversa é sustentável justamente por reaproveitar resíduos descartados, diminuir os impactos ambientais e ainda reduzir os custos econômicos com o reaproveitamento à destinação correta dos resíduos.   

Os resíduos que podem ser reciclados e reutilizados representam bons lucros para a empresa, desde que passem pelo tratamento correto.

A VG Resíduos possui um software que auxilia a empresa a gerenciar corretamente os resíduos permitindo um controle mais assertivo e a implantação do sistema de logística reversa.

Através dele a gestão se torna mais fácil e ágil. A empresa consegue identificar os tipos de resíduos gerados e quantidade, possibilitando a tomada de decisões correta sobre o quer fazer com o resíduo coletado através da logística reversa.

Também, é possível contar com uma plataforma onde é possível negociar o resíduo coletado na logística reversa. A plataforma Mercado de Resíduos serve para integrar interessados em resíduos e, sobretudo, estruturar uma rede de contatos que garanta o oferecimento de soluções para compra, venda, tratamento e transporte de resíduos em escala nacional.

Saiba como é possível vender e lucrar com a  negociação online de resíduos.

6 – Redução de custos com o resíduo através da logística reversa

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

Uns dos bons motivos para incluir a logística reversa de resíduo é o reaproveitamento dos resíduos.  Esse reaproveitamento contribui para o aumento do lucro, pois não são gastos dinheiro para aquisição de matéria prima.

A logística reversa impede o aumento da poluição e da extração continuadas de recursos naturais.

7 – Adequação a legislação

Com a promulgação da Lei 12.305/10 todas a empresas que fabricam, importam, distribui e comercializa pilhas e baterias, óleos lubrificantes automotivos, pneus, resíduos e embalagens de agrotóxicos, eletrônicos e lâmpadas devem implementar um sistema de logística reversa.

Em alguns estados, como São Paulo, para obter a licença ambiental as empresas devem implantar um sistema de logística reversa, cumprindo assim determinação da lei ambiental daquele estado.

Se descumprido o que determina à lei, a empresa se enquadra em crime ambiental. As consequências são multas, sanções e até impedimento do funcionamento do negócio.

Enfim, a implantação da logística reversa de resíduos vai muito além do cumprimento da lei. Há bons motivos para incluir a logística reversa de resíduos: desde uma melhor reputação da empresa com os clientes até uma redução de custos e maiores margens de lucro. A implementação do sistema logístico deve começar pela conscientização para que a destinação dos resíduos seja dada corretamente.

Gostou desse assunto ou acha ele relevante? Compartilhe nas redes sociais ou deixe seu comentário abaixo.

Mas quer se aprofundar um pouco mais a respeito? Leia outro artigo do nosso blog: 15 Perguntas e Respostas sobre Logística Reversa

boas práticas sobre logística reversa de resíduos

 

 

Algumas matérias que podem te interessar

© VG Residuos Ltda, 2018