×

Como obter lucro utilizando restos de alimentos para fazer adubo?

Como obter lucro utilizando restos de alimentos para fazer adubo?
Avalie este post

restos de alimentos para fazer adubo

As empresas que manejam resíduos orgânicos da indústria alimentícia, como as cascas de frutas, podem fazer renda utilizando restos de alimentos para fazer adubo. Obtém-se o fertilizante natural pela compostagem, tratamento biológico no qual os micro-organismos fazem a decomposição dos resíduos orgânicos.

O resultado da compostagem é o adubo orgânico, que pode ser comercializado como fertilizante para plantas e solos. As tratadoras que investem na reciclagem de restos alimentícios podem vender o adubo, ideal para agricultura, jardins, pomares e hortas.

Além do ganho financeiro, a produção de adubo a partir da compostagem demonstra que a tratadora é ecologicamente correta. O tratamento biológico dos resíduos orgânicos evita que as sobras sejam abandonadas irregularmente no meio ambiente ou depositadas em aterros. A compostagem que gera o adubo é um método simples, podendo ser implantado pelas tratadoras sem grandes investimentos financeiros.

A seguir, vamos tratar em detalhes das vantagens de reciclar os restos de alimentos para fazer adubo. Acompanhe!

lucre comprando ou vendendo resíduos

Produza adubo e seja ecologicamente correto

As sobras da indústria alimentícia estão entre os chamados resíduos orgânicos. No conjunto de resíduos do setor alimentício que podem passar pela compostagem, virando adubo, estão:

  • cascas de batata
  • legumes
  • hortaliças
  • restos e cascas de frutas
  • borras de café
  • restos de pão
  • arroz
  • massa
  • cereais
  • restos de comida cozida

Quando as tratadoras de resíduos optam por reciclar essas sobras transformando-as em adubo orgânico, demonstram que são ecologicamente corretas. Com a implantação da Política Nacional de Resíduos, as empresas precisam fazer a gestão adequada das sobras. Tratar os resíduos com responsabilidade diminui os riscos para o meio ambiente e os indivíduos.

Durante a compostagem, ocorre somente a formação de CO2, H2O e biomassa (húmus). O sistema de compostagem que gera o adubo é um processo de fermentação que ocorre na presença de oxigênio (aeróbico). Sendo assim, com a compostagem não há formação de CH4 (gás metano), que é altamente nocivo ao meio ambiente. Sua agressividade é 23 vezes maior que o gás carbônico, impactando enormemente os efeitos do aquecimento global.

As leis ambientais recomendam que os resíduos sejam reduzidos e uma das soluções é retorná-los à cadeia de produção. Isso pode ser obtido quando se implanta a Política dos 3R´s: Redução, Reutilização e Reciclagem. A produção de adubo via compostagem é uma aplicação dessa política, pelo método da reciclagem.

Leia: 6 dicas para o tratador de resíduos mostrar seus diferenciais no mercado

Saiba como a compostagem resulta em adubo

restos de alimentos para fazer adubo

As sobras de alimentos transformam-se em adubo por meio da compostagem. É um tratamento biológico que se inicia quando as sobras alimentícias são acumuladas em pilhas de orgânicos. A partir daí, microrganismos, como bactérias, fungos e actinomicetos, na presença de oxigênio, decompõem a matéria orgânica dos resíduos, transformando-os. O resultado é o composto orgânico chamado húmus, um adubo repleto de nutrientes que fortalecem as raízes das plantas.

O adubo orgânico torna o solo poroso, facilitando a aeração das raízes, a retenção de água e nutrientes. Os minerais compõem 6% do composto e são formados de nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e ferro. Por essa riqueza de nutrientes, o adubo orgânico tem excelente resultado na agricultura, na jardinagem, em pomares e hortas.

As tratadoras podem comercializar esse adubo e com um diferencial importante. Por serem gerados por método natural, o húmus não é nocivo aos solos e às plantas, como o adubo químico. Os fertilizantes químicos são poluentes, pois podem deteriorar o solo e contaminar os lençóis freáticos. Podem, ainda, oferecer riscos à pessoa que o aplica, especialmente na ausência de Equipamentos de Proteção Individual (EPI´s).

Entenda as regras para a produção do adubo

restos de alimentos para fazer adubo

A transformação dos restos de alimentos em adubo, por meio da compostagem,  precisa ser feita com critérios. Em outubro de 2017, o Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA),  estabeleceu a Resolução Nº 481, tratando desse assunto. Segundo o Artigo 10 da resolução, é preciso seguir diretrizes durante a compostagem, para evitar impactos ambientais:

Art. 10. As unidades de compostagem devem atender aos seguintes requisitos mínimos de prevenção e controle ambiental:

I – adoção das medidas de controle ambiental necessárias para minimizar lixiviados e emissão de odores e evitar a geração de chorume;

II – proteção do solo por meio da impermeabilização de base e instalação de sistemas de coleta, manejo e tratamento dos líquidos lixiviados gerados, bem como o manejo das águas pluviais;

III – implantação de sistema de recepção e armazenamento de resíduos orgânicos in natura garantindo o controle de odores, de geração de líquidos, de vetores e de incômodos à comunidade;

IV – adoção de medidas de isolamento e sinalização da área, sendo proibido o acesso de pessoas não autorizadas e animais;

V – controle dos tipos e das características dos resíduos a serem tratados;

VI – controle da destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e líquidos gerados pela unidade de compostagem.

Confira: Quais leis influenciam o tratamento de resíduos e o seu negócio?

Tenha rendimentos produzindo o adubo orgânico

restos de alimentos para fazer adubo

Além de lucrar com a comercialização do adubo orgânico, as tratadoras que seguem as diretrizes do CONAMA podem ter rendimentos por outros fatores. A compostagem que gera o adubo é um método simples e econômico, que não demanda alto investimento para ser implantado. As tratadoras podem reservar um local de sua estrutura física para a compostagem e produzir o adubo com relativa facilidade.

Produzir adubo orgânico tem uma vantagem econômica adicional. A reciclagem das sobras alimentícias não passa por nenhum tratamento industrial, o que significa mais economia.

Para formar uma clientela, pode-se contratar uma consultoria capaz de indicar empresas alimentícias que possam destinar seus resíduos às tratadoras.  Por meio de uma  plataforma tecnológica é possível colocar em contato geradores e tratadores de resíduos alimentícios, formando uma parceria.

Ao usar os restos de alimentos para fazer adubo, além do ganho financeiro, a tratadora mostra que é ambientalmente responsável. O tratamento biológico dos resíduos orgânicos evita que as sobras sejam descartadas incorretamente, diminuindo o impacto ambiental. O adubo gerado pela compostagem é um método simples de ser implantado e que não demanda grandes investimentos financeiros.

Gostou desse tema ou achou o assunto relevante? Deixe seu comentário abaixo ou compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Se quiser aprofundar mais sobre o assunto leia este outro artigo do blog: Como se destacar sendo um especialista no tratamento de resíduos

Mercado de Resíduos: lucre comprando ou vendendo resíduos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© VG Residuos Ltda, 2018